i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crime no RS

Policiais do PR são denunciados por morte de sargento gaúcho

MP de Gravataí (RS) pede condenação dos três policiais acusados pelo crime e transferência dos agentes do Tigre para outro setor da polícia

  • PorGazeta do Povo, com Folhapress
  • 30/07/2012 16:20

Três policiais paranaenses acusados de terem matado, em dezembro do ano passado, o o sargento da PM Ariel da Silva, em Gravataí, na região metropolitana de Porto Alegre, foram denunciados (acusados formalmente) por homicídio qualificado pela Promotoria de Justiça Criminal do município gaúcho. Além do pedido de condenação pelo crime, o Ministério Público solicita o afastamento do trio do Núcleo Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre) do Paraná, com a transferência dos agentes suspeitos para outros setores da polícia.

De acordo com a denúncia, o crime aconteceu quando os três foram à cidade no Rio Grande do Sul fazer investigações sobre o sequestro de dois agricultores paranaenses. Conforme informações da apuração do órgão de Justiça, eles não avisaram as autoridades policiais rio-grandenses sobre o trabalho de apuração do sequestro que realizariam na região. O MP diz que os agentes paranaenses estavam em uma viatura descaracterizada, com vidros escuros, e acertaram com uma metralhadora o PM, que morreu enquanto pilotava uma moto.

Durante as investigações, os três policiais alegaram que agiram para se defender. Segundo o promotor André Luis Dal Molin Flores, no entanto, a perícia aponta que quem agiu em legítima defesa foi a vítima do assassinato. "A denúncia do Ministério Público é clara, ela diz que os policiais paranaenses é que efetuaram os disparos de metralhadora e quem reagiu [em legítima defesa], quando quase caído ao solo, apurado por perícia, foi o policial militar depois de ter sido alvejado pelos disparos", relatou.

A Polícia Civil do Paraná informou que não irá se manifestar sobre o caso. À época, o órgão disse, em nota, que o acontecimento não iria abalar "a sólida imagem de êxito" de sua equipe de investigação.

Sequestro investigado

No mesmo dia do crime, à tarde, após a morte do sargento Silva, a Polícia Civil do Rio Grande do Sul descobriu a casa onde os reféns paranaenses estavam e trocou tiros com os sequestradores. O delegado Leonel Fagundes Carivali, ao chegar ao cativeiro onde estava sendo mantido o agricultor Lírio Darcy Persch, 50, tentou atirar em um dos sequestradores, mas acabou acertando o refém, que morreu.

O caso foi investigado pela Corregedoria da Polícia Civil gaúcha, que indiciou o delegado sob suspeita de homicídio. O inquérito conclui que ele assumiu o risco de matar e que houve "erro de execução". A defesa de Carivali sustenta que houve legítima defesa: o policial atirou porque já havia ouvido um disparo, viu o sequestrador apontando uma arma contra ele, e não viu o refém.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.