i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
maternidade

Projeto de lei que autoriza a atuação de doulas em hospitais é aprovado em Curitiba

  • PorDa Redação
  • 09/03/2016 19:25
Doulas comemoram a aprovação do projeto na Câmara Municipal | Chico Camargo / Divulgação CMC/
Doulas comemoram a aprovação do projeto na Câmara Municipal| Foto: Chico Camargo / Divulgação CMC/

O projeto de lei que permite a entrada e atuação de doulas em maternidades da capital paranaense foi aprovado na Câmara Municipal de Curitiba (CMC) nesta quarta-feira (9), em segundo turno, e por unanimidade. A primeira votação ocorreu na terça (8).

De autoria do vereador Colpani (PSB), a proposta obriga os hospitais, tanto da rede pública quanto da privada, a permitir a presença de doulas para acompanhar o trabalho de parto de suas clientes. Para ter sua entrada autorizada, as profissionais precisarão entregar à maternidade, pelo menos 15 dias antes do parto, um cadastro com dados pessoais, certificado que comprove a realização de curso na área e um termo assinado pela grávida. Até então, a permissão era facultativa, e muitas vezes a parturiente precisava optar entre a presença da doula ou do acompanhante.

Os estabelecimentos que descumprirem o previsto em lei estarão sujeitos a advertência, na primeira ocorrência, sindicância administrativa e denúncia ao órgão competente. A proposta original previa multa para o hospital que não respeitasse a determinação. O próprio Colpani, porém, alterou o texto, numa tentativa de evitar que o projeto seja vetado pelo prefeito.

Agora, o texto irá para apreciação do prefeito Gustavo Fruet (PDT). Se sancionada, a lei entra em vigor 45 dias após sua publicação no Diário Oficial do Município.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.