i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curitiba

Projeto quer isentar doadores de órgãos de pagar taxas funerárias

  • PorDa Redação, com Lucas Sarzi , do Paraná Online
  • 01/06/2016 15:21
 | Henry Milleo/Gazeta do Povo
| Foto: Henry Milleo/Gazeta do Povo

Um projeto de lei que dispensa familiares ou responsáveis do pagamento das taxas funerárias quando comprovarem a doação de órgãos por parte de um parente falecido foi aprovado na Câmara de Curitiba nesta quarta-feira (1º.) . Pela proposta, a isenção incluiria todos os custos do funeral – urna, remoção, taxas de velório e sepultamento. O valor pode chegar a R$ 2 mil.

A proposta foi apresentada pelo vereador Cristiano Santos (PV) e tem o objetivo de incentivar a doação de órgãos. A proposta ainda será votada, novamente, na próxima segunda-feira (6) e, se aprovada, segue para a sanção do prefeito Gustavo Fruet.

“O número de pessoas que morrem e poderiam ser doadores é grande. Nossa ideia é diminuir esse índice, sem afetar o município, nem as funerárias, pois o valor não impactaria no que já é arrecadado. Vamos salvar vidas”, explica o vereador.

Hoje, as funerárias que integram o sistema de rodízio em Curitiba pagam mensalmente um valor de outorga para prestar o serviço, proporcional ao número de funerais realizados por mês. Se a iniciativa virar lei, cada funeral realizado para doadores de órgãos será abatido desta outorga paga ao município.

O projeto foi aprovado por 32 votos a favor e apenas uma abstenção, da vereadora Professora Josete (PT). Depois da nova votação, se aprovado novamente, será encaminhado ao prefeito para que a lei seja sancionada. Por causa das eleições, caso seja sancionada, essa lei entra em vigor somente no ano que vem.

Doação

Para ser um doador, é preciso que a pessoa se enquadre em critérios específicos. Um deles é o de não ter doenças infectocontagiosas como, por exemplo, o HIV. Para um transplante importa apenas a compatibilidade entre o doador e as várias pessoas que esperam uma nova vida de presente. Rins, parte do fígado e da medula óssea podem ser doados em vida.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.