Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida e Cidadania
  3. Relatório nacional aponta expansão do PCC pelo Brasil

Segurança

Relatório nacional aponta expansão do PCC pelo Brasil

Documento indica que facção criminosa movimenta R$ 72 milhões por ano e tem 5 mil integrantes fora de São Paulo, inclusive no Paraná

  • Agência O Globo
Presídios paulistas abrigam cerca de 6 mil adeptos do Primeiro Comando da Capital |
Presídios paulistas abrigam cerca de 6 mil adeptos do Primeiro Comando da Capital
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Nascido e gerido a partir dos presídios de São Paulo, o Primeiro Comando da Capital (PCC), a maior organização criminosa brasileira, vive um momento de franca expansão e conta com representantes em 21 estados, inclusive no Paraná, além do Distrito Federal, Paraguai e Bolívia. A facção movimenta pelo menos R$ 72 milhões anuais com o comércio de drogas e mensalidades pagas por 13 mil integrantes, dos quais 6 mil estão em presídios paulistas, 2 mil nas ruas de São Paulo e 5 mil em outros estados, segundo relatório reservado da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) do Ministério da Justiça.

A expansão para outros estados estava prevista desde os primeiros estatutos da organização, mas ganhou força nos últimos dois anos, de acordo com levantamentos dos órgãos de inteligência. Desde julho do ano passado, promotores trocam informações sob o comando do Grupo Nacional de Combate a Organizações Criminosas (GNCOC).

Os dados obtidos pelo grupo mostram que entre janeiro e setembro de 2011 foram feitos 90 “batismos” de novos integrantes em Minas Gerais e 56 na Bahia, estados que mais se destacam pelo crescimento da organização em seus presídios. Houve aumento significativo também no Mato Grosso do Sul (45), Paraná (27), estados estratégicos em função do fornecimento de drogas via Paraguai e Bolívia, além de Espírito Santo (30) e Pernambuco (21).

Atentados em SP

Principal responsável pela atual crise de segurança em São Paulo, a mensagem espalhada entre os integrantes da facção cobrando a morte de dois policiais para cada integrante assassinado nas ruas foi captada em 8 de agosto, mas o governador Geraldo Alckmin (PSDB) só admitiu a existência da guerra entre o grupo e a polícia 83 dias depois, em 30 de outubro.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE