Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida e Cidadania
  3. Resistir para, enfim, revitalizar

Curitiba

Resistir para, enfim, revitalizar

Enquanto o antigo SoHo do Rebouças vira história, comerciantes da Riachuelo esperam que as reformas na rua sejam mais profundas

  • Raphael Marchiori
Fachada do antigo Hotel Martins, na Rua Riachuelo: para especialistas, revitalização precisa de “ocupação” |
Fachada do antigo Hotel Martins, na Rua Riachuelo: para especialistas, revitalização precisa de “ocupação”
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Resistir para, enfim, revitalizar

Há cerca de dez anos, atraída pela promessa de que trabalharia em uma região com ares tão sofisticados como os do SoHo, abreviação para South of Houston Street, complexo artístico ao sul de Manhattan, em Nova York, a atriz e empresária Giselle Lima, de 32 anos, decidiu mudar a sede da sua escola de teatro. A Pé no Palco iria para o bairro Rebouças, em Curitiba. Na época, com o incentivo financeiro concedido pela prefeitura, ela não foi a única a pensar assim. Hoje, porém, Giselle e sua sócia, Fátima Ortiz, são símbolos da resistência artística no local.

“De todos os grupos artísticos que vieram para cá, apenas o nosso se manteve”, diz a atriz em uma das salas do espaço. Mesmo localizada quase em frente ao Teatro do Paiol, o motivo da diáspora na região não é difícil de entender: na região, faltam consumidores de arte.

A ideia do então prefeito Cassio Taniguchi, capitaneada pelos arquitetos Sérgio Tocchio e Fernando Canalle, era dar nova vida ao Rebouças, bairro tradicionalmente fabril que havia perdido sua vocação com o surgimento da Cidade Industrial em 1973. Em 2002, pouco mais de R$ 700 mil foram destinados a projetos de 12 companhias artísticas – e o nome SoHo surgiu para indicar a futura região do Rebouças antes de virar adjetivo para o Batel.

Para Giselle, a ideia não foi para frente por falta de interesse de sucessores de Taniguchi. “Talvez isso tenha acontecido por que prefeitos que o sucederam tinham interesses em outras regiões”, argumenta a atriz, que já pensou em se mudar. “Não é fácil fazer arte no Brasil, ainda mais distante de onde circula a classe artística”.

Só fachada?

Não muito longe do Re­bouças, Estephanni Mi­ran­da, 25, espera que a promessa de revitalização da região onde trabalha não tenha o mesmo enredo pelo qual passou Giselle. Ela é gerente comercial em uma loja de bijuterias na Rua Riachuelo. A via teve calçadas reformadas e recebeu nova iluminação e câmeras dentro do projeto Marco Zero – lançado em 2005 para revitalizar o Centro.

“Estamos empolgados com a rua. Por isso, há um mês ficamos 30 dias fechados para readequação do quadro de funcionários e repaginação da decoração”, afirma Estephanni, orgulhosa da fachada de sua loja, a mais vistosa dentre os comércios vizinhos.

Além da Riachuelo, a São Francisco é outra via da região que já ganhou novos ares. Até o final do ano passado, a expectativa era de que a Saldanha Marinho, João Negrão e Emiliano Perneta também passassem por um banho de loja. Além disso, é prevista a construção do espaço cultural Cine Passeio onde já funcionou o antigo quartel do Exército.

Com sede no Rebouças, Fundação ainda busca público “crítico” para o bairro

Há sete anos, o antigo Moinho da Avenida Engenheiro Rebouças ganhou nova finalidade: passou a abrigar a sede da Fundação Cultural de Curitiba. A mudança era parte do plano de ocupação do Novo Rebouças e atendeu aos anseios do projeto do já ex-prefeito Cassio Taniguchi.

“O objetivo da vinda para cá [o Rebouças] era preservar a paisagem e induzir que uma massa crítica se instalasse no bairro. Essa estratégia cumpriu seu papel em um primeiro momento, mas a Prefeitura consegue induzir essa ocupação, mas não tem o poder para garantir que ela ocorra”, justifica Beto Lanza, assessor de planejamento da FCC.

Segundo Lanza, os grupos culturais que não permaneceram devem ter enfrentado dificuldades financeiras. “No início, havia mais grupos [culturais] no bairro. Os que saíram podem não ter mantido condições financeiras de se manter porque pagavam aluguel”.

De acordo com dados do Instituto Paranaense de Pesquisa e Desenvolvimento do Mercado Imobiliário e Condominial (Inpespar), do Sindicato de Habitação e Condomínios do Paraná (Secovi-PR), o valor do m² no Rebouças teve valorização semelhante a do restante da cidade. Em 2000, o m² de um imóvel usado no bairro custava R$ 527,60 – valor que pulou para R$ 2.815,60 no ano passado.

* * * * *

Dê sua opinião

O que é preciso ser feito para que regiões degradadas da cidade voltem a ser frequentadas?

Deixe seu comentário abaixo ou escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

Leia as regras para a participação nas interatividades da Gazeta do Povo.

As mensagens selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE