i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
mg e ES

Rompimento de barragem da Samarco causou prejuízo de R$ 23 milhões a agricultores, diz Emater

    • Estadão Conteúdo
    • 16/02/2016 17:53
     | Rogério Alves/TV Senado/Fotos Públicas
    | Foto: Rogério Alves/TV Senado/Fotos Públicas

    Os produtores rurais atingidos pelo rompimento da barragem da mineradora Samarco, em Mariana (MG), tiveram prejuízo de R$ 23,2 milhões, informou a Emater-MG, em nota, após estudo para avaliar os impactos provocados pelo acidente em Barra Longa, Mariana, Ponte Nova e Rio Doce. A barragem se rompeu em 5 de novembro do ano passado e esparramou um rio de lama e dejetos ao longo do Vale do Rio Doce, configurando-se no mais grave desastre ambiental do país.

    O levantamento feito pela Emater-MG foi realizado entre novembro de 2015 e janeiro deste ano, e vistoriou, até agora, 95% das 195 propriedades atingidas. Segundo o presidente da Emater-MG, Amarildo Kalil, os técnicos da empresa estão visitando cada uma das propriedades. “Nossos técnicos estão fazendo as visitas e aplicando um questionário. É um levantamento para ter uma ideia do prejuízo e que poderá subsidiar o Estado no caso de um plano de recuperação econômica destas propriedades”, explica.

    A maior parte do prejuízo foi em áreas utilizadas para pastagem, campineiras, plantações de cana-de-açúcar, grãos e horticultura. O valor estimado é de R$ 15,6 milhões em 1.270 hectares de terras atingidas. Em seguida, estão as perdas com 216 construções (R$ 5,2 milhões), 161 quilômetros de cercas (R$ 977 mil), 293 máquinas e equipamentos (R$ 760 mil) e 1.596 animais perdidos (R$ 651 mil), principalmente aves. O levantamento também apurou que 34 produtores possuem financiamento de crédito rural, que somam o valor de R$ 3,3 milhões.

    Kalil destaca que a porcentagem das áreas atingidas nas propriedades foi de, em média, 12,9%. “Tivemos 164 propriedades com menos de 50% da área atingida. Em muitos desses casos, será possível retomar a atividade agropecuária. Já em outras 31 propriedades, a lama destruiu mais de 50% da área. Nestes locais será mais difícil voltar a desenvolver as atividades anteriores”, explica. Ele também acredita que as pessoas das áreas que tiveram a maior parte da propriedade atingida poderão ser indenizadas.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

      Fim dos comentários.