i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Problema

Sambista Dudu Nobre acusa comissário de vôo de racismo

Confusão aconteceu em vôo da American Airlines vindo de NY. O acusado Carlos Carrico nega; mas testemunha confirma

  • PorG1/Globo.com com informações do Fantástico
  • 23/11/2008 18:30

O sambista Dudu Nobre e a mulher dele, a modelo Adriana Bombom, voltavam dos Estados Unidos, com o produtor musical Ivan Correa Júnior. Segundo contam, foram destratados por dois comissários da American Airlines. A história teria começado quando Adriana não conseguiu abrir a porta de um banheiro. "O Dudu e o Júnior estavam rindo de mim, dizendo que nem conseguia abrir a porta. Só que a comissária achou que estávamos rindo dela. Na verdade a gente não estava rindo dela, estava rindo da situação que eu não estava conseguindo abrir aquela porta", conta Adriana Bombom. "Foi a hora que ela me chamou de grossa, de estúpida e de ignorante."

Outro comissário teria tomado as dores da colega e passado a perseguir o casal. "Me restringiram de circular num pedaço do avião. Eu não podia passar para o outro lado. Falei que precisava esticar as pernas, pedi licença", completa o sambista Dudu Nobre.

Quando dormiu, Dudu teria sido alvo de gestos racistas. "Teve um momento que eu acordei e, quando olhei, o comissário estava do meu lado fazendo barulhos como de macaco", afirma Dudu Nobre.

Na saída do avião, já no Brasil, houve briga. Adriana teria sido xingada por ter se despedido de maneira áspera. "Quando Adriana saiu, ela falou que havia sido xingada", afirmou Dudu. "Aí eu voltei e, quando entrei, ele ficou em posição de luta e me disse: ‘vem, macaco, vem macaco, vem brigar comigo macaco’", contou o sambista. "E ficou aquele bate-boca, aquela confusão. Foi o momento que o comissário tirou os óculos, pegou a caneta e foi golpear o Júnior."

Júnior guardou a jaqueta e duas camisas com pequenos furos e manchas de sangue e mostrou o ferimento no ombro. "O Dudu me deu uma puxada, porque a caneta ia pegar no meu pescoço", conta o produtor.

O acusado da agressão é o americano Carlos Carrico, de 44 anos, que trabalha na American Airlines há 19 anos. Casado com a carioca Mônica, ele é filho de uma baiana com um italiano. Ao lado de um amigo negro, Carlos rebateu as acusações.

"Totalmente mentira. Eu juro para Deus que esse homem está falando totalmente mentira. Isso não aconteceu", garante o comissário.

A versão de Carlos é que o problema aconteceu com o produtor Ivan Júnior, que teria ignorado os pedidos para se sentar, pouco antes do embarque.

"Eu fui lá e falei para ele: 'o senhor tem que estar sentado, com o cinto afivelado, ou o avião não sai'. Ele não gostou, dava para ver que não gostou. Eu fui continuar meu trabalho. O único problema foi saindo de Nova York. Não aconteceu mais nada durante o vôo", diz Carlos Carrico.

Carlos reconhece que houve uma briga no desembarque, no Brasil. Mas diz que Júnior é que procurou confusão, foi contido por seguranças mas, mesmo assim, conseguiu acertá-lo.

"Chegou e me deu dois chutes. Ele estava desse lado e me chutou duas vezes", mostra Carlos Carrico.

Tatiana Cooley, uma americana com cidadania brasileira, era passageira do mesmo vôo e estava sentada exatamente atrás do casal Dudu e Adriana. Ela confirma que o comissário fez gestos racistas para os brasileiros.

"Estava indo para a frente do avião, e virava, assim, de repente, para fazer som, assim, na cara do Dudu. E fazia som de porco. Fazia como se ele fosse macaco. Ele ficou implicando com Dudu e Adriana o vôo inteiro", confirma.

Tatiana confirma, também, que a tripulação não deixava o casal se levantar durante o vôo. "Os dois tentavam se levantar para esticar as pernas, para se mexer um pouquinho. Só eles que não podiam. Todos os passageiros andando nos corredores, conversando e eles sentados ali."

Quando o caso veio à tona, Tatiana Cooley teve o nome equivocadamente divulgado como se fosse a outra comissária envolvida no caso. Na verdade, ela se apresentou como testemunha e já foi ouvida pela Polícia Federal. A aeromoça que teria começado toda a confusão não foi identificada.

A Polícia Federal está apurando o caso. A American Airlines abriu uma investigação interna. Dudu Nobre vai processar a companhia aérea pedindo indenização por danos morais e retratação pública.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.