i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Drama

Sem ajuda, jovem mantém irmão amarrado

Sem conseguir internar o adolescente, que tem sequelas causadas pela inalação de solvente, solução foi mantê-lo preso em casa

  • PorFabiane Ziolla Menezes e Aline Peres
  • 12/05/2010 21:05
Antes de vir para Curitiba, o adolescente ficou seis meses internado em União da Vitória e fugiu de uma clínica em Curitiba | Marcelo Elias/Gazeta do Povo
Antes de vir para Curitiba, o adolescente ficou seis meses internado em União da Vitória e fugiu de uma clínica em Curitiba| Foto: Marcelo Elias/Gazeta do Povo

Outros casos

As drogas já levaram familiares a tomar atitudes semelhantes em outros estados.

Março de 2008 – Meninas de 12 e 14 anos eram mantidas presas ao pé da cama pela mãe, em Itaim Paulista (SP). A catadora de papel de 30 anos alegou que era para protegê-las das drogas.

Março de 2010 – Mãe é processada por acorrentar filho de 13 anos, viciado em crack, em Piracicaba (SP).

Abril de 2010 – Um adolescente de 16 anos, viciado em crack, é acorrentado pela mãe em Campos dos Goytacazes (RJ).

Há pouco mais de um mês, a jovem R.A.P., 19 anos, mantém o irmão de 17 anos amarrado com pedaços de tecido em uma cama em um casebre de madeira no bairro Novo Mundo, em Curitiba, onde mora com o marido e outro irmão de 13 anos. O rapaz tem sequelas neurológicas causadas pela inalação do solvente thinner, desde os 12 anos. Prestes a ter um bebê, R. quer internar o irmão. Desde a mor­­te da mãe e do pai, é ela quem cuida dos irmãos.

De maio a outubro do ano passado o rapaz ficou internado na Clínica HJ, em União da Vitória. Ele recebeu "alta melhorada", o que indica que o tratamento deve continuar. Em Curitiba, ficou no abrigo Casa do Piá 2, no Boqueirão. Mas fugiu e perdeu a vaga. "Ele fugiu duas vezes. Na segunda, foi esfaqueado", diz R. "Agora deixo ele amarrado, porque ele é muito agressivo. Não aguento mais essa situação, mas ele é meu irmão e não posso abandoná-lo."

No mês passado o rapaz teve dois surtos. Na primeira vez, foi encaminhado para o posto de saúde 24 horas do Fazendinha. "O médico disse que não podia fazer nada e voltamos para casa", afirma a irmã. Na segunda vez, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgên­cias (Samu) apenas esteve na residência. "Eles perguntaram se ele queria ir, mas ele não falou nada porque não está em condições de decidir. Disseram que eu preciso de um mandado judicial para fazer a internação."

A Secretaria Municipal da Saú­de informou que a família esteve no posto em 5 de maio e que a recomendação foi pelo internamento. A família, no entanto, teria exigido uma vaga em União da Vitória e deixado a unidade. No dia 10, se­­gundo a assessoria, uma equipe da unidade de saúde Auro­ra, que fica na região, esteve na casa de R. e chamou o Samu para internar o adolescente. A família teria se recusado e assinado um termo afirmando que não queria a remoção.

A juíza da 1.ª Vara da Infância e Juventude, Lidia Munhoz Mattos Guedes, teria expedido na terça-feira à tarde um pedido para que o irmão de R. recebesse o atendimento médico em casa. A informação não foi confirmada pela reportagem. Até ontem, nenhum atendimento tinha sido feito.

Internar ou não?

O caso divide a opinião de especialistas. Para o psiquiatra Dago­berto Requião, o rapaz precisa ser internado, já que o uso do solvente compromete o sistema neurológico e a abstinência pode levar ao coma e até à morte. "A existência de um sistema de saúde perverso, aliada ao desespero da família, acaba resultando, infelizmente, em um cárcere privado", avalia o médico.

A chefe do Departamento de Psicologia Social da Pontifícia Universidade Católica de São Pau­lo, Elisa Zanerato Rosa, diz que o ideal é oferecer um serviço que acolha o adolescente durante o dia e trabalhe com a família. "O atendimento diário não significa que o paciente vá ficar sem acompanhamento, à própria sorte", afirma.

Serviço:

O atendimento deve ser procurado nas unidades de saúde ou no Centro Municipal de Urgên­cias Médicas.

Outros locais:

Centro Psiquiátrico Metropolitano (CPM): Travessa João Prosdócimo, 139, Alto da 15. Telefone: (41) 3264-6462.

Centro Vida (Capsad) – Rua Cel. Hoche Pedra Pires, 475, Vila Izabel. Telefone: (41) 3340-2181.

Ministério Público: Rua Marechal Hermes, 751, Centro Cívico. Telefone: (41) 3250-4000.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.