i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Licitação

Sete empresas se candidatam para reformar a Rua 24 Horas

  • PorCélio Yano
  • 19/01/2010 21:09

Cartão-postal

Rua foi fundada em 1991

A Rua 24 Horas foi inaugurada no dia 11 de setembro de 1991 e está localizada na quadra entre as ruas Comendador Araújo e Emiliano Perneta, no Centro da capital. Ela serve de ligação entre as ruas Visconde de Nácar e Visconde do Rio Branco.

Foi a primeira rua comercial coberta do Brasil. Na época da inauguração, havia 42 lojas, bares e restaurantes que funcionavam dia e noite, mesmo nos feriados. Logo a rua se transformou em um dos principais cartões-postais da capital.

E era um importante ponto comercial, já que na época havia poucas lojas abertas durante a noite.

Com o passar do tempo, alguns comerciantes desistiram de abrir suas lojas durante as 24 horas do dia. No dia 10 de outubro de 2007, os últimos seis comerciantes que ainda trabalhavam no local deixaram a Rua 24 Horas, que foi oficialmente desativada.

Nesta época, as lojas funcionavam no máximo até as 23 horas.

Sete empresas apresentaram propostas à prefeitura de Curitiba para revitalizar a Rua 24 Horas, desativada desde setembro de 2007. Na nova licitação, a empresa contratada será apenas executora da obra. Nas duas primeiras tentativas, a prefeitura lançou concorrências propondo uma troca: quem fizesse as obras ganharia o direito de explorar o local. No entanto, nenhuma empresa se interessou pelo negócio.

O projeto de revitalização da Rua 24 Horas foi elaborado pelo Instituto de Pesquisa e Plane­jamento Urbano de Curitiba (Ippuc) no fim do ano passado e tem orçamento previsto de R$ 4,5 milhões. A ideia é manter as características arquitetônicas originais. Depois de pronta, a rua deverá ter café, livraria, agência de correios, central de turismo e espaço cultural.

O prazo para a entrega dos envelopes com a documentação de habilitação e a proposta de preço foi encerrado às 9 horas de ontem e a previsão é que o processo de escolha da responsável pelas obras esteja concluído em dois meses. A previsão é de que as obras demorem dez meses para ser concluídas.

Por enquanto, estão na disputa as empresas Piacentini, Catedral, Conex, Elofer, Engerama, RAC e TAS, todas do ramo de engenharia e construção. Até a semana que vem, a comissão de licitação analisará a documentação entregue e publicará no Diário Oficial os nomes das concorrentes que foram habilitadas. Um prazo de cinco dias será dado para a apresentação de recurso e, então, serão abertos os envelopes com as propostas de preço. Dessa segunda etapa é que sairá a vencedora da licitação.

Longa espera

A Rua 24 Horas foi fechada em setembro de 2007 e o processo de revitalização vem se arrastando desde então. A primeira licitação foi realizada em abril de 2008, mas nenhuma das 18 empresas que compraram o edital chegou a apresentar proposta. Um segundo processo foi lançado no dia 8 de julho de 2008, com um prazo maior para as empresas interessadas avaliarem as exigências.

Em outubro de 2008 a licitação foi prorrogada por mais um mês. Na época, a prefeitura informou apenas que houve necessidade de "adequações" e "esclarecimentos" no edital. Mais uma vez, nenhuma empresa se interessou em assumir o projeto. A prefeitura, então, cancelou a licitação em novembro do mesmo ano e decidiu assumir a obra. Treze meses depois, em dezembro de 2009, a prefeitura abriu a terceira concorrência para o projeto.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.