i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Retirado com o casamento

STJ: mulheres podem usar sobrenome do pai após o do marido

  • PorGazeta do Povo
  • 13/05/2020 11:10
Decisão é do ministro Salomão, do STJ
Decisão é do ministro Salomão, do STJ| Foto:

Uma mulher, do Rio Grande do Sul, recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para poder usar o sobrenome do pai - que havia sido substituído pelo do marido como o casamento - após o de seu esposo. Para o ministro Luis Felipe Salomão, do STJ, a decisão garante os direitos de personalidade, dignidade humana, preservação da integridade e da unidade familiar.

Segundo a autora da ação, a denominação da família do cônjuge era muito comum e causava problemas com homônimos. Por isso, ela solicitou à Justiça do RS para voltar a assinar também o sobrenome do pai, mas queria colocá-lo após o do marido.

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) negou o pedido e afirmou que “o patronímico é indicativo do tronco familiar e, na estrutura do sistema registral brasileiro, admite-se que o prenome seja mudado, mas não o nome de família, que é imutável, como estabelece o artigo 5​6 da Lei de Registros Públicos”.

Mas a mulher recorreu e a decisão do TJ-RS foi reformada pelo ministro Luis Felipe Salomão, do STJ. De acordo com Salomão, a legislação brasileira não impede a reinclusão do sobrenome do pai e por isso poderá ser feita a alteração no registro civil.

"Excepcionalmente, desde que não haja prejuízo à plena ancestralidade nem à sociedade, é possível a inclusão do sobrenome do pai da autora, após o sobrenome de seu marido, ante a prevalência dos direitos da personalidade e da dignidade humana e da preservação da integridade e da unidade familiar, como no caso concreto", salientou o ministro.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • S

    salcutrim

    ± 0 minutos

    Mais uma tolice de um pais burocrático. Nos EUA você muda de nome na hora que quiser. No Brasil até pra usar o sobrenome do pai, uma mulher precisa entrar na justiça. Esse país me surpreende cada dia.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.