i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Judiciário

Ação na Suprema Corte dos EUA cita pandemia para facilitar acesso a pílula abortiva

  • PorGabriel de Arruda Castro, especial para a Gazeta do Povo
  • 14/10/2020 19:00
Suprema Corte dos EUA toma decisão que facilita aborto
Suprema Corte dos EUA toma decisão que facilita aborto| Foto: Bigstock

Enquanto o Senado americano vota a nomeação da juíza Amy Coney Barrett para a Suprema Corte, o tribunal também pode julgar um caso relevante sobre o aborto. O item é um pedido de flexibilização nas regras que tratam do fornecimento de uma pílula abortiva. Não está claro quando a Suprema Corte vai tratar do caso – se antes ou depois da confirmação do novo membro do tribunal pelo Senado –, mas essa pode ser a primeira deliberação da Corte sobre o aborto depois da morte de Ruth Ginsburg, a juíza de inclinação esquerdista que votou sucessivas vezes contra a causa pró-vida.

A ação foi protocolada pelo American College of Obstetricians, entidade que representa obstetras do país, ao lado de outras entidades acadêmicas e profissionais. O argumento central é o de que o governo americano agiu indevidamente quando, ao ampliar o uso da telemedicina durante a pandemia do Covid-19, não facilitou o acesso à mifepristona, uma das duas pílulas autorizadas para a realização do aborto.

Antes de a Corte superior decidir sobre o tema, um juiz de Maryland já acatou um pedido semelhante e derrubou a restrição. Na semana passada, a Suprema Corte estabeleceu que, por ora, a decisão do magistrado ficará em vigor, e que o tribunal de Maryland deve analisar o caso para reavaliar a decisão em até 40 dias. “Sem indicar a visão desta Corte sobre os méritos da liminar do tribunal, uma análise mais abrangente auxiliaria a revisão desta Corte”, argumenta, de forma sucinta, a decisão do mais alto tribunal americano. Ao contrário do que ocorre no Brasil, as sessões na Suprema Corte são fechadas e o tribunal se pronuncia por meio de notas após as decisões terem sido tomadas.

Riscos para a gestante

O comércio da mifepristona está condicionado à realização de um procedimento chamado de REMS, sigla em inglês para Avaliação de Risco e Estratégia de Mitigação, que exige visitas a um profissional de saúde e não pode ser feita a distância – a paciente precisa retirar o medicamento pessoalmente e assinar um formulário informando estar ciente dos riscos da ingestão do medicamento, que pode causar sangramento intenso e infecção. Os autores da ação querem derrubar a exigência do REMS. “A manutenção, pelo FDA, da exigência de requerimento presencial para a Mifepristona ameaça a saúde dos pacientes, dos profissionais de saúde e do público em geral”, diz o pedido.

O juiz Samuel Alito, da Suprema Corte, apresentou um voto em separado sobre o caso. Para ele, o tribunal deveria ter derrubado imediatamente a decisão do juiz de Maryland. Alito observou que o Judiciário manteve restrições ao funcionamento de igrejas - restringindo a liberdade religiosa garantida pela Primeira Emenda - durante a pandemia, ao passo que tomou, ainda que provisoriamente, uma medida para expandir o acesso à pílula abortiva.

“Ao mesmo tempo em que a Covid-19 gerou justificativa para as restrições à Primeira Emenda, o tribunal regional viu a pandemia como motivo para expandir o direito ao aborto reconhecido em Roe X Wade”, disse ele, que foi além: “O juiz aparentemente não estava incomodado com o fato de que os responsáveis pela saúde pública em Maryland consideraram seguro para mulheres (e homens) sair de casa e participar de inúmeras atividades que apresentam no mínimo tanto risco quanto visitar uma clínica – como jantar em um restaurante, ir a cabeleireiros, barbearias, todos tipos de estabelecimentos de varejo, academia (...), salões de manicure, eventos esportivos para jovens e, claro, os cassinos do estado”.

Roe X Wade é o caso que, em 1973, levou a Suprema Corte a liberar o aborto em todo o país. Até hoje, a decisão impede que os estados ou o Congresso aprovem qualquer legislação que seja interpretada como restritiva demais sobre o pretenso direito à realização do aborto. O pedido do American College of Obstetricians tenta usar o precedente para argumentar que a política do governo durante a pandemia – ou seja: a simples manutenção das regras para a obtenção da pílula abortiva – impõe “um fardo indevido sobre direito das pacientes ao aborto”.

O caso Roe X Wade, entretanto, se baseia em argumentos juridicamente questionáveis, e que podem ser revistos caso Amy Coney Barrett seja confirmada na Suprema Corte. A Constituição americana não concede nenhum direito ao aborto – o texto simplesmente não menciona o tema diretamente, embora, evidentemente, sustenta o direito à vida. A liberação, via Suprema Corte, usou como pretexto o direito à privacidade. A própria autora da ação que pedia autorização para fazer um aborto, Norma McCorvey, confessou anos depois que mentiu à Suprema Corte ao dizer que a gestação resultara de um estupro.

Amy Coney Barrett, a indicada de Trump para a Suprema Corte, já assinou um manifesto público criticando a jurisprudência de Roe X Wade. Se ela for nomeada haverá, em teoria, uma maioria de 6 a 3 juízes com tendência conservadora no tribunal. Mas ainda não está claro se essa composição bastará para reverter Roe X Wade, já que alguns dos juízes de inclinação conservadora por vezes adotam posturas mais à esquerda em alguns temas.

Amy Coney Barrett participa de audiência no Senado, que tende a confirmar sua indicação para a Suprema Corte. Na primeira sessão, ela prometeu ser fiel ao que determina a Constituição: “Eu acredito que os americanos de todas as origens merecem uma Suprema Corte independente, que interprete nossa Constituição e nossas leis da forma como elas foram escritas. E eu acredito que posso servir ao meu país exercendo esse papel”, afirmou.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • W

    Willian Cardoso de Souza Jesus

    ± 6 horas

    A verdade é que há uma INDÚSTRIA DO ABORTO, que lucra MILHÕES, talvez bilhões todos os anos. Cada médico que apoia a causa é porque recebe rios de dinheiro de entidades abortistas para cada aborto que realiza. É algo DIABÓLICO, pois tirar a vida de um ser inocente, ainda mais por dinheiro, é sem dúvida algo que somente uma pessoa terrível e sem Deus no coração poderia fazer. Espero que a chegada da nova juíza faça com que a Suprema Corte Americana retome sua posição pró-vida. Enquanto isso, nós aqui no Brasil teremos 27 anos do "ultra-conservador", Kássio Nunes. DEUS tenha MISERICÓRDIA da nossa nação. Somente Ele pra nos livrar de tantos males enraizados em nossa sociedade.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso