i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
estado de alerta

Suspeito de ebola teve contato com mais pessoas do que o divulgado

Souleymane Bah vivia em um albergue, onde a cada dia dormiam cerca de 30 pessoas. Autoridades sanitárias ainda farão rastreamento

  • PorFelippe Aníbal, enviado especial
  • 10/10/2014 21:04
Ontem, Bah foi transportado para o Rio, acompanhado de uma equipe paramentada | Vanderlei Faria/Secom/Cascavel
Ontem, Bah foi transportado para o Rio, acompanhado de uma equipe paramentada| Foto: Vanderlei Faria/Secom/Cascavel

Cronologia

Saiba o que ocorreu da entrada do guineano à unidade de saúde de Cascavel até a chegada ao Rio:

9 de outubro, 17h45 – Souleymane Bah, de 47 anos, dá entrada na Unidade de Pronto Atendimento II, em Cascavel, Oeste do estado, relatando ter tido febre, tosse e dor de garganta no dia anterior (e vigésimo após a saída de Guiné). No atendimento, porém, é constatado que ele está em bom estado geral, afebril e não apresentava hemorragia, vômitos ou quaisquer outros sintomas. A equipe que o atende resolve mantê-lo em isolamento e classificá-lo como suspeito de infecção por DVE. O Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde(CIEVS Nacional) é notificado.

18 horas – o Centro de Operações de Emergência em Saúde (COES)/Nacional e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) são acionados também.

19h20 – a Força Aérea Brasileira e a Polícia Rodoviária Federal são acionadas para fazer o transporte aéreo do paciente e da equipe do COES.

22h35 – uma equipe de investigação do Ministério da Saúde é deslocada para Cascavel .

00h40 – A equipe chega a Cascavel e inicia uma série de análises protocolares.

01h11 – A OMS é comunicada oficialmente, de acordo com o Regulamento Sanitário Internacional - RSI.

04h30 a 07h41 – Souleymane é transportado para o Rio de Janeiro, mais precisamente para o Instituto de Infectologia Evandro Chagas/Fiocruz. Durante todo o trajeto, o guineano permanece com quadro assintomático.

Fonte: Ministério da Saúde e reportagem.

O guineano Souleymane Bah, de 47 anos, que está internado no Rio de Janeiro sob suspeita de ter contraído ebola, manteve contato com muito mais pessoas do que as 68 estimadas pelo Ministério da Saúde. Ao dar entrada na Unidade de Pronto Atendido II, no início da noite de quarta-feira, em Cascavel, o paciente havia apresentado um endereço falso. Ontem, entretanto, a reportagem descobriu que ele estava hospedado em um albergue, onde conviveu com dezenas de pessoas. O resultado do exame que dirá se o guineano está ou não com a doença deve sair hoje de manhã, cerca de 24 horas após a coleta do sangue para o procedimento.

INFOGRÁFICO: Veja o caminho percorrido por Souleymane Bah

Desde 21 de setembro, quando chegou a Cascavel, Bah vinha passando as noites no albergue da Sociedade Espírita Irmandade de Jesus. A direção da casa não sabe quantas pessoas podem ter tido contato direto com o guineano, mas estima que sejam dezenas. Na noite anterior à internação, outras 22 pes­­soas – entre os quais nove que provêm da Guiné – pernoitaram no albergue. Por dia, o estabelecimento recebe entre 20 e 30 pessoas, que dormem em um único quarto coletivo.

"Não percebemos nada diferente no estado de saúde dele [de Bah]. Ele tinha boa aparência, estava sempre sorrindo. Enfim, não tinha nenhum aspecto de doente", disse a psicóloga do albergue, Fabiane Fauth Ferreira. Além dela, três atendentes, uma assistente social e uma cozinheira também conviveram com o paciente. "Um pouco de medo dá, mas temos esperança de que não seja nada", completou.

Na noite de ontem, a Vi­­gilância Sanitária faria uma vistoria no albergue. Ao longo do dia, a direção recebeu uma série de orientações de procedimentos a serem adotados. A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) deve fazer um novo levantamento das pes­­soas que estiveram com o guineano.

"O nosso pessoal está fazendo essa investigação e, se for necessário, vamos ampliar este monitoramento", disse o superintendente estadual de Vigilância em Saúde, Sezifredo Paz. Ele ressalta, no entanto, que o risco é maior para os que tiveram contato com o paciente após a manifestação dos sintomas. "De acordo com a literatura, quem esteve antes, não há grandes problemas", informou. Quem conviveu com Bah deve procurar a unidade de saúde mais próxima.

Pela contagem anterior, o Ministério da Saúde estimava que Bah tivesse contatado 68 pessoas: 30 funcionários da UPA, 24 pacientes e 14 acompanhantes. Todos serão monitorados por 21 dias, que é o período de incubação do vírus.

O albergue da Sociedade Espírita Irmandade de Jesus funcionou normalmente na noite de ontem. Como de costume, os usuários começaram a chegar no fim da tarde – entre eles, quatro guineanos que ficaram alarmados com o risco do ebola ter chegado ao Brasil. O clima era de incredulidade. "Ele é um cara forte, que gostava de dar risada e tratava todo mundo bem", disse o pintor Otávio da Silva, que costuma passar as noites no local.

Desde ontem de manhã, Bah está internado no Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Nas últimas semanas, os infectologistas da instituição foram treinados para lidar com a doença. Ainda no início da noite de ontem, o Ministério da Saúde informou que o guineano não apresentava febre ou outros sintomas típicos da doença e tinha quadro estável. Mesmo se o primeiro exame der negativo hoje, um segundo deve ser realizado para descartar de vez a suspeita.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.