Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo
| Foto: Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo

A Defesa Civil manteve o alerta a vários municípios paranaenses para que deixem estruturas locais prontas para agir em caso de emergência por contas das fortes chuvas que tem caído sobre o estado neste mês de outubro. Curitiba e cidades da região metropolitana constam na lista. A maior preocupação, no entanto, é com a região sudoeste do estado.

O órgão atualizou neste sábado (24) o relatório sobre os estragos causados pelas chuvas e tempestades. Um total de 36 cidades foram afetadas. O informativo divulgado às 18 horas deste sábado (24) mostra que 1594 casas foram danificadas e mais de 8,4 mil pessoas foram atingidas. Destas, 107 permanecem desalojadas.

Seis pessoas morrem atingidas por raios todo ano no Paraná

Em todo o país, foram 119 mortes por ano entre 2000 e 2014. Os dados foram apresentados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais nesta sexta

Leia a matéria completa

Na sede regional da Defesa Civil, em Curitiba, a situação é de alerta. O órgão trabalha junto ao Instituto Tecnológico Simepar, para monitorar fenômenos climáticos que podem atingir o estado. Caso o radar meteorológico aponte alguma mudança, as Defesas Civis locais são acionadas e ficam em estado de alerta, explica o soldado Cleverson.

Com 80 desalojados e 120 casas danificadas, o município de Barbosa Ferraz, no Sudoeste do estado, é um dos mais afetados pelas tempestades da última semana, devido a uma chuva de granizo. A região costuma ser atingida por fortes tempestades, nesta época do ano.

Tempo

A previsão do tempo para este sábado e domingo não é animadora. Segundo o Simepar, o tempo segue instável em grande parte do Paraná. Na região de Curitiba e no Litoral a previsão é de muita nebulosidade, pouca oscilação de temperatura e chuva fraca ao longo do dia.

Segundo o Simepar, a primavera e o verão paranaenses serão marcados por tempestades severas. Durante as duas estações devem ocorrer chuvas intensas, granizo e ventos fortes. Contribuem para isso as mudanças climáticas e os efeitos do fenômeno El Niño, que em 2015 ganhou mais força.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]