| Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

Cinco testemunhas oculares compõem as provas da investigação do Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e da promotoria de Rio Branco do Sul, que acusam o delegado da Polícia Civil Rubens Recalcatti e sua equipe de terem executado Ricardo Geffer, em abril deste ano naquela cidade da região metropolitana de Curitiba. Geffer era um dos suspeitos de matar João Dirceu Nazzari, conhecido como João da Brascal, ex-prefeito de Rio Branco do Sul e primo do delegado Recalcatti.

O delegado, que ocupava um cargo de chefia da Divisão de Crimes Contra o Patrimônio, da Polícia Civil do Paraná, foi preso na manhã desta terça-feira (13) durante a Operação Aquiles, que apura a suspeita de execução. Além dele, outros quatro investigadores foram detidos por força de mandado de prisão temporária de 30 dias. Até o começo da noite desta terça-feira, o Gaeco tentava cumprir ainda outros quatro mandados de prisão temporária. .

Defesa nega a acusação

Claudio Dalledone, que representa Recalcatti e outros investigadores, afirmou que os policiais reagiram após serem recebidos com tiros e que a morte de Geffer decorreu de confronto. O defensor classificou a prisão como “escandalosa”. “Isso representa um golpe na segurança pública. É uma inversão jurídica, já que em casos em que há suspeita não se determina prisão”, disse o advogado.

O advogado diz ainda que deve entrar com um pedido de liberação do delegado no Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR). “Nesse caso a polícia estava fazendo seu trabalho. O bandido reagiu com tiros e, na troca de disparos, tombou morto”, afirmou.

Sobre as testemunhas do caso, Dalledone afirmou que todas elas têm vínculo com Geffer, portanto, não têm força para acusar nenhum policial.

Segundo o advogado, o exame de necropsia do corpo de Geffer contradiz todas as testemunhas que depuseram ao Gaeco. Em relação ao dinheiro encontrado, Dalledone disse que Recalcatti vai comprovar a origem e que o valor não tem relação algum com o crime de homicídio.

De acordo com a apuração do Gaeco, todas as testemunhas confirmaram aos promotores do órgão que o suspeito estava dominado, algemado, e não resistiu à prisão quando foi abordado. Portanto, não teria havido confronto. Segundo a investigação, uma delas viu o delegado chutar o suspeito e outro investigado dar dois tiros. Em seguida, houve mais alguns tiros, mas o MP não confirma quem os desferiu. Todas as testemunhas foram indicadas para entrarem no programa de proteção a testemunha do Paraná.

A decisão que determinou as prisões do delegado e dos outros suspeitos, assinada pelo juiz da Vara Criminal de Rio Branco do Sul Thiago Flôres Carvalho, apontou que as medidas se justificaram em razão dos relatos das testemunhas. A reportagem teve acesso a decisão. No texto, o magistrado afirmou que elas disseram que a equipe “dominou e agrediu a vítima Ricardo Geffer”. Os policiais teriam perguntado ainda a Geffer, como uma espécie de afronta, “onde está o valentão?”.

“As referidas testemunhas destacaram ainda que o ofendido não reagiu à abordagem policial, tendo levantado os braços, em sinal de rendição”, apontou o juiz em sua decisão.

Tanto o MP como a Justiça consideraram que a equipe policial de Recalcatti não deveria investigar o crime de assassinato de João da Brascal, já que esses agentes faziam parte de uma unidade que combatia crimes contra o patrimônio e a delegacia de Rio Branco do Sul já investigava o homicídio. O magistrado apontou ainda em sua decisão que não havia designação que justificasse apoio ou sobreposição à autoridade policial local. As prisões ainda se justifica, segundo a decisão do juiz, porque já teria ocorrido destruição e alteração de provas, conforme relato do MP à Justiça.

Durante entrevista coletiva na sede do Gaeco, na manhã desta terça-feira, o coordenador estadual do Gaeco, Leonir Batisti, disse que há elementos suficientes que indicam execução. “Os policiais chegaram ao local, o rapaz se rendeu, foi algemado e morto”, afirmou Batisti. Segundo ele, Recalcatti sabia que o rapaz estaria onde foi encontrado. “Além disso, havia uma relação muito próxima entre o João Nazzari e o delegado”.

Apreensões

De acordo com o Gaeco, foram encontrados R$ 10 mil em espécie no guarda-roupas do delegado. No veículo do policial havia ainda R$ 6,5 mil em espécie, além de um dossiê contendo diversas acusações contra Geffer. Em uma das buscas realizadas, foi apreendido também um revólver, calibre 38, sem registro. Também foram encontrados pen drives e documentos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]