i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
curitiba em guerra

Tudo por causa de um pente

Tumulto que tomou conta do centro de Curitiba por três dias completa 50 anos e ganha livro que reconta o episódio

  • PorAri Silveira
  • [07/08/2009] [21:11]
No centro, o comerciante Ahmed Najar: disputa com militar por nota fiscal começou a confusão | Reprodução
No centro, o comerciante Ahmed Najar: disputa com militar por nota fiscal começou a confusão| Foto: Reprodução

Quebra-quebra

A Guerra do Pente, dia a dia:

Primeiro dia

Após o início do tumulto, houve uma enorme dificuldade para manter a ordem. As polícias Cívil e militar não conseguiam controlar a situação. "Então foi decretada uma espécie de estado de sítio em que ninguém podia se reunir após determinada hora da noite", conta o pesquisador Carlos Roberto Antunes, que revela a estratégia dos manifes­tantes. "Eles se reuniam e, quando vinha a polícia, eles ficavam como se es­tivessem na fila do ônibus. Quando a polícia saía, continua­vam com o quebra-quebra", explica.

Segundo dia

O Exército resolve tomar pé da situação e ocupa a cidade, prin­cipal­mente o Centro. "É interes­sante que um tanque estragou na frente do Banco do Brasil, e a própria turba ajudou a empurrá-lo. São coisas que não são fáceis de entender", avalia o pesquisador.

Terceiro dia

A Guerra do Pente terminou graças à morte de um político. O candidato do PTB e franco favorito à sucessão de Moisés Lupion era o senador Abilon de Sousa Naves. Durante um jantar na Sociedade Morgenau, na avenida que hoje leva seu nome no bairro Cristo Rei, Naves teve um enfarte fulminante, provocando uma reviravolta na campanha. A comoção roubou a atenção da imprensa e enfraqueceu a revolta, que finalmente foi controlada.

Conflito já foi tema de filme

A Guerra do Pente ganhou as telas de cinema na década de 1980, pelas mãos do cineasta Nivaldo Lopes, o Palito. "A ideia surgiu em 1983, durante uma conversa com o [jornalista e cineasta] Ronaldo Duque, com quem dividia um apartamento", conta. "Vi uma nota de rodapé na revista Panorama e disse a ele: ‘Essa história dá filme’", recorda. Dois anos mais tarde, Duque, que es­­tava em Brasília, onde ajudou a criar o telejornal Bom Dia Brasil, da TV Globo, voltou a Curitiba e a dupla começou a trabalhar no projeto, colhendo depoimentos para escrever o roteiro. Duque foi embora novamente, e Palito deu sequência ao trabalho, misturando depoimentos de personagens com a reconstituição do episódio.

"O filme foi muito anárquico. Não tínhamos muitos recursos, não havia muita produção, e tivemos de improvisar", lembra. A produção foi precária. "O produtor Dirceu Mendes de Brito entrou com o dinheiro para comprar o negativo, conseguimos que a Secretaria da Cultura do Paraná pagasse a revelação e o copião, e o Valêncio Xavier também ajudou", diz Palito. Rodado em película de 16 milímetros e com 1h10 de duração, A Guerra do Pente reuniu em seu elenco atores como Luís Melo, Emílio Pita e Paulo Friebe.

Exibido pela primeira vez em março de 1986, no extinto Cine Groff, o longa participou de festivais como o de Brasília e o Rio Cine. "Passados 23 anos, o filme continua sendo um documentário importante", diz Palito. "Sem­­pre tem alguém nos procurando, pois a obra registra de­­poimentos de pessoas já falecidas, como o comerciante Ahmed Najar, o escritor Va­­lên­cio Xavier e o ex-prefeito Ibe­­rê de Matos, que estava no cargo na época do conflito", conta o cineasta. Em versão reduzida, com 40 minutos de duração, A Guerra do Pente foi exibido nos canais Cultura (SP) e Paraná Educativa. Trechos da obra fo­­ram apresentados no programa Meu Paraná, da RPC TV. (AS)

  • Apesar de apelos de lideranças políticas e religiosas, revolta só foi contida recorrendo-se às armas

"Por causa de um pente, Curitiba quase perde a cabeça". A manchete da revista O Cruzeiro dá uma boa ideia da rebelião popular sem precedentes que sacudiu o Centro da capital e completa 50 anos em dezembro – a Guerra do Pente. A compra de um pente na loja de um imigrante estabelecido na Praça Tiradentes foi o estopim para três dias de quebra-quebra e violência, que teriam deixado um saldo de dois mortos, segundo jornais da época – informação não confirmada pelos registros da polícia e do Instituto Médico-Legal. O Exército interveio no caso, que teve repercussão nacional.

No fim da tarde de 8 de de­­zembro de 1959, o subtetente Antônio Tavares, da Polícia Militar, entrou no Bazar Cen­­tenário para comprar um pente e exigiu a nota fiscal de compra, no valor de 15 cruzeiros. Na época, o governo Moisés Lupion promovia uma campanha chamada Seu Talão Vale 1 Milhão, para aumentar a arrecadação tributária do estado. O consumidor que reunisse notas fiscais no valor de Cr$ 3 mil poderia trocá-las por um cupom que daria direito ao sorteiro de Cr$ 1 milhão.

O dono da loja, o libanês Ahmed Najar, recusou-se a dar a nota, em razão do valor irrisório. Pela legislação da época, os comerciantes não eram obrigados a fornecer a nota fiscal abaixo de determinado valor, explica o professor Carlos Roberto Antunes dos Santos, do Depar­tamento de História da Univer­sidade Federal do Paraná, autor de uma monografia sobre o caso.

Tavares e Najar começaram a brigar. Na confusão, o pente foi quebrado – assim como a perna do subtenente, retirado da loja por seguranças. Naquela época, a Tiradentes era um dos principais terminais de embarque e desembarque do transporte coletivo de Curitiba, e pessoas que circulavam pelo local presenciaram a cena, solidarizando-se com o policial e dando o pontapé inicial no conflito. Em três dias de distúrbios, cerca de 120 lojas foram depredadas. Em algumas delas, a destruição foi total.

Antunes, que prepara um livro sovre a Guerra do Pente, com lançamento previsto para o fim do ano, ouviu pessoas que testemunharam o confronto – ou até mesmo participaram ativamente dele – e consultou arquivos da Biblioteca Pública, dos jornais, da Câmara Mu­­nicipal e da Assembleia Legis­lativa. "Considero esse evento não como uma manifestação espasmódica da população curitibana, nem como alguma coisa exótica que teve uma motivação instantânea", analisa. "Acho que é uma expressão instantânea de significados sociais. Analisando a conjuntura internacional, nacional, regional, local, a situação socioeconômica da população, passamos a entender a Guerra do Pente dentro de um contexto", acrescenta.

Insatisfação

E o contexto era o período de euforia do governo de Juscelino Kubitschek, marcado por um surto desenvolvimentista, mas também pela crescente dívida externa e por uma inflação em alta. No Paraná, a administração Lupion enfrentava denúncias de corrupção e de grilagem de terras. A insatisfação popular só precisava de um pretexto para explodir, e a gota d’água teve um componente étnico, por envolver a disputa com um comerciante vindo do Oriente Médio. "Na mesma época, em Recife, também houve uma manifestação que tinha fatores étnicos. Isso mostra que o fenôneno não foi algo isolado ocorrido em Curitiba", explica Antunes. Os alvos da Guerra do Pente foram comerciantes árabes, judeus, italianos e brasileiros, mas todos conhecidos pejorativamente como "turcos". "Na mesma época o Emir Calluf estava sendo ordenado padre", lembra o pesquisador. "Pessoas foram até a casa da família e apedrejaram vidros", acrescenta.

A baderna impediu o desfile dos boinas-azuis do Batalhão Suez, que retronavam ao Brasil, vindos do Egito, e marchariam da estação ferroviária (onde hoje funciona o Shopping Estação) até a Praça Generoso Marques. "Quando souberam que haveria manifestação contrária, porque a campanha da ONU ocorreu em uma região árabe, os boinas-azuis tiveram de transferir o desfile", lembra o professor.

Contradições

Para o professor Antunes, a turba não tinha ideologia específica. Apesar do caráter social, o movimento tinha contradições. Embora o objetivo principal fosse atingir pessoas consideradas mais ricas e poderosas, os rebeldes também quebravam carrinhos de humildes pipoqueiros. "Dom Manoel da Silveira d’Elboux, que era o arcebispo, dizia em seu sermão na catedral para os pais conclamarem os estudantes a manter a ordem e que era necessário que Curitiba voltasse a ser a ‘cidade sorriso’, como a capital era conhecida no país", diz Antunes.

Segundo o professor, na Curitiba no século 20 as manifestações de rua ou eram manifestações politico-partidárias ou eram manifestações sindicais, mas não nas dimensões que a Guerra do Pente assumiu. Para Antunes, a compreensão do episódio passa pelo estudo do comportamento das massas. "Você puxa pra cá, puxa pra lá, mas essa massa, por mais aleatória que seja, tem um sentido", afirma. "Quando entrevistei o Ahmed Najar, ele disse o seguinte: ‘Aquela turba que quebrava tudo pra lá e pra cá me lembrava o vento batendo num trigal’", afirma o pesquisador, para quem a Guerra do Pente deixou uma forte herança no que diz respeito a problemas sociais, bastante expressivos. "A revista Panorama disse o seguinte: ‘A Guerra do Pente acabou até o dia em que outro protesto lance o povo às ruas para externar seu descontentamento principalmente contra a carestia e a corrupção’", completa.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.