i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Transporte

Urbs pretende reduzir número de cobradores para baixar tarifa em Curitiba

José Antonio Andreguetto, presidente da Urbs, afirmou que a prefeitura deve governar em defesa dos interesses da maioria

  • PorJoão Frey e Durval Ramos, especial para a Gazeta do Povo
  • [16/02/2017] [20:50]
 | Henry Milleo/Gazeta do Povo/Arquivo
| Foto: Henry Milleo/Gazeta do Povo/Arquivo

O presidente da Urbs, José Antonio Andreguetto, afirmou que a prefeitura estuda uma redução no número de cobradores que trabalham no sistema de transporte coletivo como forma de diminuir os custos de operação e, consequentemente, o valor da tarifa. A afirmação foi feita durante uma reunião com vereadores realizada na Câmara Municipal de Curitiba na quarta-feira (15).

Até o momento, a ideia ainda é incipiente. Não há definição do porcentual dessa redução e nem data para que isso ocorra. O prefeito Rafael Greca (PMN) confirmou que a Urbs pretende reduzir o número desses trabalhadores.

Em meio à polêmica sobre tarifa, motoristas e cobradores rejeitam proposta de reajuste das empresas

Leia a matéria completa

Atualmente há uma lei, de 2001, que exige a presença de cobradores em terminais, estações-tubo e ônibus da capital. Entretanto, segundo Andreguetto, a ideia da prefeitura é abrir a possibilidade para redução desses profissionais por meio da aprovação de um novo projeto de lei. Ele afirmou que a redução será “responsável”.

“Nós governamos para a maioria, nós não podemos, de forma alguma discriminar uma categoria tão importante sem pensar com responsabilidade aonde alocar esses trabalhadores, mas ao mesmo tempo não podemos deixar de tomar medidas e prejudicar a maioria. Esse custo [dos cobradores] é óbvio que altera bastante o valor da tarifa”, disse.

Para reduzir custos do transporte, Urbs estuda pacote de medidas que promete gerar polêmica

Leia a matéria completa

Segundo dados da Urbs, 37% do valor da tarifa técnica é destinado ao pagamento de salários, benefícios e encargos sociais de motoristas, cobradores e outros funcionários do transporte. Se for levado em conta o valor pago pelo usuário – hoje R$ 4,25 – o porcentual sobe para 54% (incluindo também custos administrativos, de acordo com dados divulgados pelo prefeito Rafael Greca). O custo com pessoal é o item mais caro na composição do valor total da passagem.

A discussão sobre o futuro da profissão de cobrador não é recente na Câmara Municipal. Em 2014, os vereadores Chicarelli (PSDC), agora sem mandato, e Rogério Campos (PSC), representante da categoria dos motoristas e cobradores, já haviam apresentado um projeto de lei que buscava proibir a troca da função de cobrador pelo cartão-transporte.

“Hoje a função do cobrador é muito mais complexa do que simplesmente autenticar ou validar o cartão transporte e manusear o troco. Fora tudo isto, eles atuam nas funções e no auxílio às informações sobre trajeto e pontos de parada, acionam os equipamentos de elevador para portadores com deficiência e ajudam na melhor adequação no ônibus”, diz a justificativa do projeto, que foi arquivado por não ter sido votado até o fim da legislatura passada.

Categoria em alerta

Diante da possibilidade de redução do número de cobradores, o sindicato responsável pela categoria já estuda maneiras de se contrapor à medida da prefeitura, o que pode incluir abertura de indicativo de greve. De acordo com o presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc), Anderson Teixeira, se a proposta se concretizar, pode ser que os trabalhadores cruzem os braços na capital.

Tudo vai depender do que será apresentado durante a audiência que ocorre nesta quinta-feira (16), na qual será discutida a negociação salarial dos motoristas e cobradores. Segundo Teixeira, é a partir dessa reunião que serão apresentadas medidas de resposta. “Não é reduzindo o emprego que vai se resolver o problema da tarifa. Pelo contrário. Com isso, você cria um problema social”. Curitiba tem cerca de 6 mil cobradores, conforme dados do próprio Sindimoc.

No entanto, já de antemão, o sindicato se posiciona contra a possibilidade de redução de cobradores no transporte público de Curitiba. O presidente afirma que as próprias empresas já indicavam esse recurso e que a categoria vem se mobilizando há algum tempo para mostrar que existem outras saídas mais efetivas para baratear a tarifa.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.