i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
produção paranaense

No litoral, ostras enchem a barriga e preservam a natureza

Em Guaratuba, empresário faz cultivo artesanal de ostras e dá lições de sustentabilidade. Ele também se especializou no preparo da iguaria

  • PorLaura Beal Bordin
  • guaratuba
  • 04/01/2016 20:47
Prato à base de ostra mais pedido no Sítio Sambaqui: leva creme de queijo e pimenta dedo de moça. | Felipe Rosa/Gazeta do Povo
Prato à base de ostra mais pedido no Sítio Sambaqui: leva creme de queijo e pimenta dedo de moça.| Foto: Felipe Rosa/Gazeta do Povo

Depois de passar 17 anos atuando como advogado, Nereu Oliveira decidiu deixar os processos judiciais um pouco de lado e passar mais tempo se dedicando à sua paixão pela natureza e pelo litoral do Paraná. Em 2003, o empresário começou seu trabalho no Sítio Sambaqui, na Colônia Cabaraquara, em Guatatuba, no entorno do Parque Nacional Saint Hilaire/Langue. Por lá, Nereu descobriu que poderia deixar o escritório e trabalhar em um espaço em meio aos pássaros nativos, à mata atlântica e ao mangue.

Pouco depois de se dedicar ao sítio, o empresário começou a criar ostras de forma artesanal e descobriu a verdadeira paixão. “Comecei vendendo para alguns turistas e moradores, e depois de alguns pedidos passei a cozinhar as ostras por aqui mesmo. A paixão foi crescendo”, explica. “Posso dizer que nos últimos dez anos li muito mais sobre ostras do que sobre Direito.”

Hoje, o Sítio Sambaqui atua na produção de ostras totalmente artesanais e faz parte do projeto Cultimar − em parceria com a Universidade Federal do Paraná (UFPR) −, que colhe amostras da carne de ostra todos os meses para atestar sua qualidade. Por ano, Nereu cultiva cerca de três mil dúzias de ostras. Já chegou a produzir muito mais – cerca de 7 mil dúzias, mas, como a produção é artesanal, em anos como este de muita chuva, o número é menor. “Quando se depende da natureza, temos que viver com o que ela nos dá”, comenta.

Depois que o Centro de Produção e Propagação de Organismos Marinhos (CPPOM), que atuava no desenvolvimento da maricultura e da pesquisa, parou de fornecer as sementes, Nereu e outros produtores passaram a deixar de lado o pensamento de produção em larga escala e decidiram atuar de uma forma diferente e fortalecer a culinária regional caiçara. “Tudo o que utilizamos aqui vem de um raio de 40 quilômetros para desenvolver as comunidades locais.”

Para evitar o impacto ambiental gerado pelo turismo, há no local estações de tratamento de efluentes que impendem a contaminação da água do solo. A utilização da concha das ostras na última etapa da filtragem do esgoto colabora para que os dejetos poluam menos a natureza.

Culinária

Além de se dedicar ao cultivo das ostras, Nereu também se especializou na arte de prepará-las, formando-se chef de cozinha. Hoje, no Sítio Sambaqui, são servidos mais de 20 combinações da especiaria. A da casa é chamada de Sambaqui e leva queijo parmesão, tomate e cebola.

Uma das mais pedidas é a Cabaraquara, que é coberta com creme de queijo e pimenta dedo de moça. O prato com meia dúzia é vendido em média por R$ 35, dependendo do sabor escolhido.

Serviço

Onde fica

O Sítio Sambaqui fica na estrada Cabaraquara, sem número, em Guaratuba. Para chegar, é só seguir a estrada que fica atrás da travessia do Ferryboat, do lado de Matinhos. Durante a temporada, o sítio e o restaurante funcionam todos os dias, do meio-dia às 21 horas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.