i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
PLANO DIRETOR

Vereadores aprovam veto a rodízio e pedágio urbano em Curitiba

Emenda votada nesta terça-feira (20) que proíbe esses dois mecanismos de controle de tráfego alega que eles não são eficientes

  • PorRaphael Marchiori
  • 20/10/2015 15:00
 | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

A Câmara de Curitiba aprovou, na manhã desta terça-feira (20), a proibição à implantação do pedágio urbano e do rodízio de placas de veículos. Os vetos foram apresentados em uma emenda aditiva ao Plano Diretor, que está em votação na Casa Legislativa desde o último dia 13. Até o momento, 117 modificações e inclusões ao texto enviado pelo Executivo já foram aprovadas. A votação seguiria na tarde de terça e se estenderia até esta quarta-feira (21).

O autor da emenda é o vereador Jonny Stica (PT). A argumentação é de que os dois mecanismos são ineficientes e não trazem avanços reais para a mobilidade urbana. Na justificava formal da proposta, o vereador diz que as medidas acabam “privilegiando o poder aquisitivo em detrimento de soluções para a mobilidade urbana”.

Com emendas, Plano Diretor de Curitiba avança em moradia e revitalização urbana

Instrumentos de gestão das cidades, como o IPTU progressivo, voltam à mesa de discussões. Resta saber como aplicá-los.

Leia a matéria completa

O capítulo II do texto original do plano enviado pelo Ippuc havia sido interpretado como uma autorização para implantação desses mecanismos na cidade, já que ele previa a adoção de procedimentos para restringir e controlar o acesso e a circulação e veículos motorizados em locais e horários predeterminados, além de estipular padrões de emissão de poluentes – também para locais e horários específicos. Agora, caso o plano seja promulgado pelo prefeito, essas medidas ficarão proibidas na cidade pelos próximos dez anos.

Outras emendas

Na votação da última segunda-feira (19), a Câmara havia aprovado mais uma emenda que, indiretamente, desestimula os deslocamentos dentro da cidade. De autoria de cinco vereadores, a proposta cria microcentros permitindo o adensamento por meio da compra de potencial construtivo, desde que a infraestrutura urbana esteja apta a suportar o aumento populacional. De acordo com o texto, as áreas a serem adensadas ainda deverão ser definidas pelo Ippuc e constar na próxima Lei de Zoneamento, Uso e Ocupação do solo. Os recursos obtidos com a medida deverão compor o Fundo Curitiba Mais Humana, proposta que visa investir o dinheiro obtido com a flexibilização urbanística em áreas carentes da cidade.

Já a emenda das vereadoras Professora Josete (PT) e Noemia Rocha (PMDB) aprovada pela Casa na última segunda prevê a identificação dos imóveis vazios ou subutilizados também por meio de denúncias da população. No texto original, apenas o Ippuc seria o responsável por levantar esse tipo de informação. Pela proposta da emenda aditiva, todas as informações deverão receber publicidade por parte da prefeitura.

Também foi aprovada pela Câmara Legislativa uma emenda que pretendem trazer uma aplicação imediata ao Plano Diretor. Pelo novo texto, as normas e os parâmetros urbanísticos previstos no instrumento passarão a vigorar desde sua promulgação ao invés de “a partir da aprovação das leis específicas”, como previa o texto original. Os vereadores também diminuíram de um ano para seis meses o prazo que a prefeitura terá para constituir comissão que irá propor as alterações necessárias para adequar a legislação vigente às diretrizes do Plano Diretor.

Trâmite

Após a primeira análise do Plano Diretor, que deve terminar nesta quarta-feira (21), o texto voltará a ser discutido em segundo turno -- deve vez já com as emendas incorporadas ao conteúdo geral. Depois, o plano segue para promulgação pelo prefeito Gustavo Fruet (PDT).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.