i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Caso Bruno Strobel

Vigilante que matou jovem é condenado a 23 anos de prisão

Marlon Balen Janke que confessou o crime terá que cumprir a pena em regime fechado. O outro vigilante, Douglas Rodrigo Sampaio Rodrigues, foi condenado a 13 anos de reclusão

  • PorFelippe Aníbal, Fernanda Trisotto e Vitor Geron, com informações de Themys Cabral, Gabriel Azevedo e Isadora Rupp
  • 28/08/2010 16:37
Janke entre o outro réu Douglas Rodrigues e o advogado Nilton Ribeiro: confissão e pedido de perdão | Priscila Forone/Gazeta do Povo
Janke entre o outro réu Douglas Rodrigues e o advogado Nilton Ribeiro: confissão e pedido de perdão| Foto: Priscila Forone/Gazeta do Povo
  • Cerca de 60 pessoas entre familiares e amigos de Bruno e dos dois réus acompanham o julgamento
  • Bruno Strobel foi encontrado morto em um matagal na região metropolitana em outubro de 2007

O vigilante Marlon Balen Janke, de 33 anos, foi condenado neste sábado (28) a 23 anos de prisão em regime fechado pelo assassinato do estudante Bruno Strobel Coelho. O outro réu no processo e também vigilante, Douglas Rodrigo Sampaio Rodrigues, 29, terá que cumprir 13 anos de reclusão. A decisão foi proferida pela juíza Inês Marchalek Zarpelon às 19h20. Entre os jurados, a decisão foi apertada. Foram quatro votos pela condenação contra três contrários.

Janke foi condenado por homicídio (16 anos de prisão), tortura mediante sequestro (três anos e seis meses), ocultação de cadáver (um ano e meio) e formação de quadrilha (dois anos), totalizando os 23 anos. Rodrigues recebeu a pena por homicídio (12 anos) e ocultação de cadáver (um ano), em um total de 13 anos. Os dois podem recorrer da decisão.

Pelo menos 60 pessoas acompanharam, neste sábado (28), o segundo dia do julgamento dos vigilantes acusados no caso. Os réus foram ouvidos na noite de sexta-feira (27) e a audiência foi retomada às 8h deste sábado para a argumentação dos assistentes de acusação e dos advogados defesa. O julgamento recomeçou com a acusação do promotor de Justiça Marcelo Balzer Correia e o assistente Adriano Bretas. Eles defenderam a tese de que Bruno foi morto em Almirante Tamandaré.

Após a acusação, foi a vez de Nilton Ribeiro, advogado de defesa de Janke, argumentar em defesa do réu. Na sexta-feira, o vigilante confessou o crime e chegou a pedir desculpas para a família de Bruno. Ribeiro defendeu que Bruno era pichador e que amigos do garoto teriam confessado que ele bebia e usava drogas. O advogado fez questão de mostrar que seu cliente era um trabalhador e o tiro foi acidental.

Segundo Ribeiro, o crime só mobilizou tanto a opinião pública porque Bruno é rico, enquanto Janke é um humilde trabalhador. O advogado lembrou que o vigilante confessou o crime e deve ser punido por isso, mas é contra a condenação por formação de quadrilha e tortura. Depois foi a vez de Cláudio Dalledone Júnior, que defende o outro réu, Douglas Rodrigo Sampaio Rodrigues, 29, expor seus argumentos. Dalledone defendeu a tese de que Bruno teria sido morto ainda em Curitiba.

Após uma pausa para o almoço, o julgamento foi retomado às 14h15. Foram duas horas de réplica para Bretas e mais duas horas de tréplica para os advogados de defesa. Familiares de Bruno, Janke e Rodrigues estiveram no Tribunal do Júri, em Curitiba, acompanhando o julgamento que durou dois dias.Primeiro dia

No primeiro dia do julgamento, defesa e acusação dispensaram sete testemunhas e apenas três pessoas foram ouvidas: Fernando Bida, ex-funcionário da Centronic – empresa em que os vigilantes acusados de matar Bruno trabalhavam; João Soares, presidente do Sindicato dos Vigilantes; e Adir Alves, que localizou o corpo de Bruno.

Terminada a tomada de depoimento das testemunhas, foram lidas cinco peças dos autos, o que retardou o depoimento dos réus. Em juízo, Janke negou que o crime tenha sido planejado e sustentou que o homicídio foi cometido de forma acidental. O agente de segurança também se disse arrependido de ter cometido matado o estudante. Depois, foi a vez de Rodrigues depor.

Os réus são julgados por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. Além destes crimes, Janke também responde por formação de quadrilha e tortura mediante a sequestro.

O crime

De acordo com as investigações, Strobel foi flagrado por Janke, pichando o muro de uma clínica no bairro Alto da Glória, na capital. O jovem teria sido rendido pelo vigilante e levado á sede da Centronic, onde teria sido espancado. O corpo do rapaz foi encontrado uma semana depois, na Rodovia dos Minérios, em Almirante Tamandaré, com dois tiros na cabeça. Rodrigues teria participado do crime.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.