i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Nova doença

Zika passa de vírus inofensivo a caso de alerta

  • PorCaroline Olinda
  • 21/11/2015 14:00
Mosquito da dengue é o vetor do zika: chegada ao país com a Copa. | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Mosquito da dengue é o vetor do zika: chegada ao país com a Copa.| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

Aparentemente inofensivo, o vírus zika se tem revelado mais problemático do que o imaginado. Primo da dengue e da chikungunya, ele é o principal suspeito de ter causado o aumento no número de casos de bebês com microcefalia (má formação da cabeça) registrado em alguns estados do Nordeste – especialmente Pernambuco –, o que levou o Ministério da Saúde a colocar o país em alerta sanitário. Agora, pesquisadores e médicos estão empenhados em descobrir como o zika atua no organismo e as possíveis consequências.

Veja infográfico explicativo sobre o contágio

Leia mais sobre zika vírus

“Estamos aprendendo sobre o zika em tempo real. Como não foram muitos casos de surto, são raros os estudos sobre o vírus”, diz a virologista Cláudia Nunes dos Santos, chefe do Laboratório de Virologia Molecular da Fiocruz no Paraná. Foi o laboratório comandado por Cláudia que confirmou a presença do zika no Brasil em maio deste ano. O mais provável é que o vírus tenha chegado ao país em 214, trazido por turistas que vieram acompanhar a Copa.

Transmitido pelo mesmo vetor da dengue, encontrou no Brasil um lugar ideal para se espalhar. Um grande número de casos foi registrado no Nordeste, mas também há relatos em outras regiões. No Paraná, até agora, foram dois casos autóctones e outros cinco importados.

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde, em todas as situações foram tomadas providências para evitar que o doente se tornasse um foco para a transmissão do vírus. “Foram feitas ações de bloqueio, com busca ativa para a identificação e eliminação dos criadouros do mosquito ”, explica a chefe do Centro de Vigilância Ambiental da Secretaria de Saúde do Paraná, Ivana Lúcia Belmonte.

Limitações causadas por microcefalia dependem do grau da má formação

Embora ainda não seja definitivo, as investigações encabeçadas pelo Ministério da Saúde indicam que existe uma relação entre a contaminação da gestante pelo vírus zika e o aumento no número de casos de microcefalia registrado em estados do Nordeste neste ano.

Leia a matéria completa

Acabar com o mosquito

Esse bloqueio é a única forma de evitar que a pessoa infectada seja picada pelo mosquito transmissor e o vírus acabe se espalhando. Um problema com a estratégia, porém, é que a maior parte das pessoas que têm contato com o zika não apresenta sintomas. Ou seja, pode ser um foco de transmissão, mas não apresentar qualquer sinal que indique o risco.

Por isso, é tão importante combater o mosquito Aedes aegypti. “A principal ação ainda é o combate ao vetor. É muito importante que as pessoas verifiquem as suas casas e eliminem os pontos que podem servir de criadouro do mosquito”, diz Ivana.

As chuvas e o calor típicos do verão são ideias para a proliferação do mosquito. O último boletim de alerta Climático da Dengue do Laboratório de Climatologia da UFPR, referente a 8 a 14 de novembro, mostra que sete cidades estavam todas no Oeste e no Norte – tinham risco alto para a proliferação do mosquito.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.