i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
câmara

À espera da denúncia no STF, Cunha aponta acordo para enfraquecê-lo

Segundo aliados do presidente da Câmara, texto questiona ausência de Renan nas denúncias a serem feitas no Supremo

    • brasília
    • Agência O Globo
    • 20/08/2015 12:07
    Eduardo Cunha volta a apontar perseguição por parte do governo federal. | Ueslei Marcelino/Reuters
    Eduardo Cunha volta a apontar perseguição por parte do governo federal.| Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

    Em reuniões e consultas por telefone na noite de quarta-feira (19) com aliados da base e oposição, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), redigiu uma nota que deverá divulgar após o anúncio do procurador-geral Rodrigo Janot, no qual denunciará o parlamentar ao Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção e lavagem de dinheiro. Cunha decidiu não sair atirando ontem porque quer esperar para ver o conteúdo do despacho de Janot, mas na nota rabiscada a muitas mãos, ele levanta a suspeita de um possível ‘acordão’, por deixar de fora senadores petistas envolvidos no esquema de desvios da Petrobras.

    Paranaense cria saia justa para Eduardo Cunha: condecorar o “algoz” Sergio Moro

    Leia a matéria completa

    Na CPI da Petrobras, deputado do PSol pede afastamento de Eduardo Cunha

    Leia a matéria completa

    Nas conversas que originaram a nota, Cunha questionou principalmente o fato de o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) ficar de fora das denúncias. Com os aliados, argumentou que a situação de Renan é a mesma que a sua, porque também é acusado de receber propina através do deputado Aníbal Gomes, mas não tem provas de onde está o dinheiro.

    “Se os petistas e Renan não entrarem nas denúncias, vai ficar claro que houve um acordão para me enfraquecer. É muito estranho esse direcionamento pra mim, nessa primeira leva de denúncias. E Janot vai começar a ser questionado, porque depende do Senado e do governo para ter sua recondução aprovada no Senado”, disse Cunha na reunião de quarta.

    Segundo deputados presentes na reunião, se comentou o fato de o Planalto estar comemorando a denúncia contra Cunha e seu enfraquecimento, esperando que , daqui para frente, frágil, ele decida recuar, negociar e recolher as armas, seguindo a estratégia de Renan.

    “O cara tá com água pelo nariz vai negociar o quê? E o que o governo tem para entregar? Não contem com isso. Se vier uma denúncia só baseada em denúncias de delatores, ele vai crescer pra cima”, disse um dos aliados de Cunha.

    Das reuniões e conversas por telefone com Cunha para redigir a nota participaram o líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ), o líder do PSD, Rogério Rosso (DF), e os deputados Nilson Leitão (PSDB-MT), Fábio Garcia, José Carlos Aleluia (DEM-BA), Manoel Júnior (PMDB), Hildo Rocha, André Moura, Mauro Pereira.

    Os líderes do Democratas, Mendonça Filho (PE); e do PSDB, Carlos Sampaio (SP), foram consultados por telefone, e aconselharam que Cunha tenha uma reação mais ponderada. Mas há outro grupo, dos chamados “pitbulls”, que defendem que ele “parta pra cima”.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.