i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
investigação

Advogado nega que Paulo Bernardo tenha sido citado na Lava Jato

  • PorKelli Kadanus e Rogerio Galindo
  • 21/10/2015 10:45
Paulo Bernardo: ex-ministro do Planejamento. | Josue Teixeira/Josue Teixeira
Paulo Bernardo: ex-ministro do Planejamento.| Foto: Josue Teixeira/Josue Teixeira

O advogado do ex-vereador petista Alexandre Romano, investigado pela Operação Lava Jato, nega que ele tenha implicado o ex-ministro Paulo Bernardo em recebimento de propinas. Antônio Figueiredo Basto, que defende Romano, afirmou à Gazeta do Povo que até o momento Romano deu apenas um depoimento à Polícia Federal e que não teria citado o ex-ministro.

A Folha de S.Paulo deu em manchete nessa edição de quarta-feira (21) reportagem afirmando que Romano, em delação premiada, teria citado Paulo Bernardo e o atual ministro da Previdência, Carlos Gabbas, como beneficiados por um esquema de propinas do ministério. A origem do dinheiro seria a empresa Consist, que fazia a gestão dos contratos de empréstimos de funcionários públicos.

À Gazeta do Povo, Figueiredo Basto negou a própria existência da delação. Romano foi preso em São Paulo e ficou detido em Curitiba, mas já foi solto. Segundo sua defesa, porém, a soltura dele não tem qualquer relação com uma possível delação.

Delator pediu ajuda a amigo de Lula para favorecer empresa de Eike Batista

Leia a matéria completa

De acordo com a Folha, a Consist repassava dinheiro para escritórios de advocacia que faziam a gestão desse “fundo”. A Gazeta do Povo já informou que o escritório de Curitiba citado é o de Guilherme Gonçalves, especializado em direito eleitoral e que atendeu campanha da senadora Gleisi Hoffmann (PT), esposa de Paulo Bernardo.

Paulo Bernardo, Gleisi e Guilherme Gonçalves já negara m as acusações em ocasiões anteriores. Em entrevista nesta quarta pela manhã, a senadora voltou a afirmar que não conhece Romano nem teve acesso a qualquer coisa que ele tenha dito à Polícia Federal ou ao Ministério Público.

Segundo Gleisi, ela apenas conhece Guilherme Gonçalves, que trabalhou em várias campanhas suas. A senadora diz que também considera errada a acusação de que Gonçalves teria pago contas dela ilegalmente. “O que ele pagou foram multas eleitorais porque perdeu prazos.” Gonçalves, segundo o Ministério Público Federal, Gonçalves também teria pago um motorista de Gleisi. A senadora diz que o motorista trabalhava para o escritório de Gonçalves, que apenas o emprestava para a senadora.

A reportagem enviou perguntas por e-mail para o ex-ministro Paulo Bernardo e aguarda as respostas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.