030639

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida Pública
  3. Após confusão na Câmara, votação sobre terceirizações é adiada

Congresso

Após confusão na Câmara, votação sobre terceirizações é adiada

Em Brasília, um balanço preliminar divulgado pela Câmara informou nesta terça-feira (7) que o protesto teve oito feridos -três manifestantes, dois deputados, dois policiais e um visitante feridos

  • Folhapress
Atos contra a lei da terceirização foram organizadas por entidades sindicais em diversas capitais do país | Lucio Bernardo Jr./ Câmara dos
Atos contra a lei da terceirização foram organizadas por entidades sindicais em diversas capitais do país Lucio Bernardo Jr./ Câmara dos
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Após confronto entre manifestantes e a Polícia Legislativa em Brasília, a votação do projeto de lei que amplia a terceirização em empresas e órgãos públicos ficou para esta quarta-feira (8).

Atos contra a lei da terceirização foram organizadas por entidades sindicais em diversas capitais do país. Em Brasília, um balanço preliminar divulgado pela Câmara informou nesta terça-feira (7) que o protesto teve oito feridos -três manifestantes, dois deputados, dois policiais e um visitante feridos.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acusou os manifestantes de serem os responsáveis pelo confronto e disse ter fotos e vídeos de congressistas incitando a multidão contra a polícia. “Parlamentares que incitaram a multidão a invadir ou agredir foram devidamente fotografados, filmados, e serão remetidos à Corregedoria. E haverá sanções. (...) Que vai ter sanção de suspensão, vai”, afirmou Cunha.

Para Wagner Freitas, presidente nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), a proposta não visa regulamentar a situação dos 12 milhões de trabalhadores terceirizados, mas terceirizar outros 40 milhões de trabalhadores.

Mudanças

Uma das principais bandeiras do empresariado, a proposta libera a terceirização da chamada atividade-fim -a produção de carros em uma montadora de veículos, por exemplo-, possibilidade hoje vetada por jurisprudência do TST (Tribunal Superior do Trabalho).

Hoje, a terceirização é permitida apenas para atividades-meio. Por exemplo, faxina, segurança e serviço de refeitório de uma fabricante de cosméticos.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE