i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Senado

Bancada do PSDB também oficializa pedido de afastamento de Sarney

Líder tucano foi à tribuna para pedir licenciamento do presidente. Decisão foi adotada durante reunião nesta terça-feira

  • PorG1/Globo.com
  • 30/06/2009 16:09

Acompanhando a postura adotada pelo DEM nesta terça-feira (30), o líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM), anunciou a decisão da bancada de pedir oficialmente o afastamento do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).

"O PSDB considera inviável a permanência do presidente Sarney no comando da Casa. Por isso o partido pede o seu licenciamento", afirmou Virgílio, da tribuna.

Virgílio relatou que o presidente do PSDB, Sérgio Guerra (PE), conversou com Sarney na tarde desta terça. Segundo Virgílio, Guerra pediu a Sarney que se licenciasse da Casa durante o período das investigações. Sarney teria recusado o afastamento.

"Esta central de chantagem e intrigas que foi instalada no Senado precisa ser desmontada. Por isso o PSDB pede ao presidente Sarney, num gesto de grandeza, que se licencie da Casa. Pedimos o licenciamento. Não ainda a renúncia", discursou Virgílio.

Nesta segunda, Virgílio anunciou que havia pedido ao Conselho de Ética do Senado que investigasse Sarney por quebra de decoro parlamentar. Ele disse que esperava que seu partido apoiasse sua decisão.

Enfrentando forte pressão para se licenciar do cargo, Sarney chegou na Casa no final da tarde cercado por seguranças e sem dar declarações.

Entenda os escândalos que atingem o Senado desde 2007

No momento em que Sarney chegou ao Senado, o presidente do PSDB, Sérgio Guerra (PE), o líder do PMDB, Renan Calheiros (AL), e o líder do DEM, José Agripino Maia (RN), discutiam o futuro do presidente.

Além da decisão do DEM de apoiar a saída de Sarney, ainda que temporária, o PMDB também se reuniu na tarde desta terça para definir uma posição sobre o caso. Segundo Renan Calheiros, o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) vai usar a tribuna para anunciar as medidas que serão adotadas pela bancada.

Já o PT, que marcou reunião para as 19h, ainda não definiu uma posição sobre o caso. Líderes do partido como a senadora Ideli Salvatti (PT-SC) já usaram a tribuna para defender individualmente Sarney. Mas a posição da bancada ainda será discutida.

O senador Tião Viana (PT-AC) acredita que a disputa entre os petistas favoráveis e contrários ao licenciamento de Sarney será apertada. "A bancada está dividida. Vai ser difícil", avalia Viana.

Crise

Nos últimos dias o senador Sarney foi alvo de várias denúncias. Entre as acusações estão o fato de ter uma sobrinha trabalhando no gabinete do senador Delcidio Amaral (PT-MS), ter um neto no gabinete do senador Epitácio Cafeteira (PTB-MA) e que foi exonerado por boletim suplementar e um outro neto que opera empresa de crédito consignado no Senado.

Os escândalos no Senado envolvem ainda a publicação de 663 atos secretos, para a nomeação de funcionários, aumento de salários e criação de comissões, além de suspeitas de irregularidades em contratos milionários de serviços com empresas.

O caso já provocou a queda de dois diretores gerais (Agaciel Maia e Alexandre Gazineo) e de dois diretores de Recursos Humanos (José Carlos Zoghbi e Ralph Siqueira).

Para tentar amenizar a crise, Sarney anunciou auditoria na folha de pagamento do Senado e investigação da Polícia Federal sobre as denúncias de fraudes. Apesar disso, senadores continuaram insistindo pelo seu afastamento do cargo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.