Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Corregedoria da Polícia Militar do estado já indiciou 703 praças pelo crime de revolta | Tânia Rêgo/Agência Brasil/
Corregedoria da Polícia Militar do estado já indiciou 703 praças pelo crime de revolta| Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil/

O Palácio do Planalto mobilizará sua base aliada no Congresso para vetar qualquer projeto de lei para anistiar os policiais militares do Espírito Santo que estão em greve há oito dias. A afirmação foi feita neste sábado (11) pelo ministro da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy, responsável pela articulação política do governo.

A corregedoria da Polícia Militar do estado já indiciou 703 praças pelo crime de revolta (quando há insubordinação em conjunto e armada) e, caso eles sejam condenados nos tribunais militares, apenas uma lei de anistia aprovada pelo Congresso poderia livrá-los da punição.

PMs do Espírito Santo continuam em greve e número de mortos sobe para 137

Apenas um grupo de policiais cumpriu o acordo feito com o governo na sexta e voltou a fazer patrulhamento ostensivo no fim da tarde deste sábado

Leia a matéria completa

“Aqueles que porventura imaginam que terão qualquer tipo de iniciativa na linha de anistia no Congresso, deixo claro que não haverá a menor possibilidade de apoio da base política do presidente Michel Temer. É importante deixar isso claro, pois há movimentações iludindo pessoas que estão em greve como se fosse escapar de uma penalização”, disse Imbassahy na saída da reunião que discutiu a crise de segurança no estado no Palácio Anchieta, sede do governo capixaba.

Em junho do ano passado, o presidente Michel Temer promulgou a Lei 13.293, aprovada por ampla maioria no Congresso, que anistiava policiais e bombeiros que haviam participado de movimentos grevistas por melhores salários em de 19 estados. Desta vez, a orientação do Planalto será vetar qualquer anistia, em razão da gravidade e proporção que tomou a paralisação dos PMs no Espírito Santo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]