i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
contas públicas

Brasil gasta 1,3% do PIB para bancar o Poder Judiciário

  • PorChico Marés
  • 15/02/2016 21:15
Estátua “A Justiça” em frente ao STF, em Brasília. | Wilson Pedrosa/Estadão Conteúdo
Estátua “A Justiça” em frente ao STF, em Brasília.| Foto: Wilson Pedrosa/Estadão Conteúdo

Um estudo de 2015 do cientista político Luciano da Ros mostrou que o custo do sistema jurídico do Brasil está fora de comparação com o de outras democracias. Ao todo, o país gasta 1,8% do seu Produto Interno Bruto (PIB) para bancar o Poder Judiciário, o Ministério Público, a Defensoria Pública, a Advocacia Geral da União e as procuradorias estaduais – enquanto em países europeus esse gasto não passa dos 0,4% do PIB.

INFOGRÁFICO: Rendimentos no TJ-PR em 2015

INFOGRÁFICO: Rendimentos no MP-PR em 2015

A maior parte desse dinheiro vai para o Judiciário. Ao todo, isso custa 1,3% do PIB do país. Segunda colocada entre os países comparados por Da Ros, a Venezuela gasta 0,34% com a Justiça, enquanto Espanha, Argentina, EUA, Inglaterra e Itália têm despesas de menos de 0,2%.

TJ e MP pagam supersalários que superam em 20% o teto previsto em lei

Leia a matéria completa

O número de juízes no país, porém, é considerado mediano – 8,2 para cada 100 mil habitantes, contra mais de dez na maioria dos países pesquisados. Por outro lado, a Justiça conta com 205 funcionários, incluindo assessores jurídicos e outros cargos de apoio aos magistrados, para cada 100 mil habitantes, contra menos de cem nos países europeus. Situação similar é vista no Ministério Público. Nos países pesquisados onde há um órgão correspondente com orçamento próprio (Itália, Portugal, Alemanha e Espanha), seus gastos não passam de 0,1% do PIB – contra 0,34% no Brasil.

Da Ros, que é professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), diz no estudo que, ainda que a desigualdade e a necessidade de um sistema jurídico sólido em um país que viveu anos sob uma ditadura sejam fatores importantes para o “encarecimento” da Justiça, a comparação com os vizinhos latino-americanos, que passaram por situação similar de regimes autoritários, mostra que o custo do Judiciário brasileiro é desproporcional.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.