| Nilson Bastian/Câmara dos Deputados
| Foto: Nilson Bastian/Câmara dos Deputados

A sessão histórica para a votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) começou às 8h55m desta sexta-feira (15), com a fala dos autores do pedido de impeachment e a defesa da presidente, e vai até domingo (17), quando ocorrerá a votação. Por causa da votação, a sexta-feira amanheceu com uma série de protestos pelo país, o que deve ocorrer ao longo de todo o fim de semana. Acompanhe em tempo real as informações:

André Gonçalves
André GonçalvesEditor de República

Petista na manifestação

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) é o único presente na manifestação pró-impeachment. Ele é bastante assediado para fotos. As informações são da correspondente em Brasília, Catarina Scortecci
André Gonçalves
André GonçalvesEditor de República

Seis sessões de revista

Pelo menos seis fileiras de policiais fazem revistas. "Desse jeito é melhor nem fechar a bolsa. Tem que abrir o tempo todo", reclamou manifestante. Policiais ficaram em dúvida se podiam liberar os instrumentos musicais, mas acabaram permitindo. As informações são da correspondente da Gazeta do Povo em Brasília, Catarina Scortecci.
André Gonçalves
André GonçalvesEditor de República

Requião fala em debandada de Brasília

O senador Roberto Requião (PMDB), que é contra o impeachment, acaba de publicar informação no Twitter sobre possível operação de "abandono" de Brasília para fugir da votação de amanhã. "Com a desmoralização do impeachment deputados deixam Brasilia para regressar na próxima terça feira", diz o texto. A oposição nega o movimento.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Deputados ficam sem “hora extra” por sessões

Os deputados federais não vão receber a mais pelas sessões extraordinárias marcadas para este fim de semana de votação do impeachment. De acordo com a assessoria da Câmara, também não é certo como o conjunto de servidores envolvidos nas sessões serão compensados – por hora extra ou banco de horas.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Aliel diz que quem tem coragem vota contra

Aliel Machado diz que “linha de sucessão” não tem condições morais de assumir. “Quem tem coragem não vota a favor. Tem que ter coragem hoje de votar contra, quem tem coragem vem aqui de cara limpa, de quem nunca teve processo na justiça, como eu não tenho, e vota contra.” Ele diz ainda que esse é o momento de convocar o povo para tomar a decisão, defendendo nova eleição para “trazer legitimidade para o processo.”
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Deputado paranaense com a palavra

Após Deputado João Derly, deputado Aliel Machado, de Ponta Grossa, segue com os 30 minutos restantes de seu partido REDE.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Nada de telão

A Câmara dos Deputados desistiu do "telão" que seria instalado em frente ao Congresso Nacional. Conforme antecipado aqui na Gazeta do Povo, quando os funcionários da Casa foram definir um local para o telão - preferencialmente no centro do gramado, a equipe responsável pelo esquema de segurança viu problemas. O local do telão atrapalharia o cordão de segurança montado. Outros telões, contudo, serão instalados, mas a pedido dos movimentos pró-impeachment, que devem custear o serviço.
André Gonçalves
André GonçalvesEditor de República

Deputado-judoca

O gaúcho João Derly abre os discursos do tempo destinado à Rede Sustentabilidade. Ele é ex-judoca. Foi campeão mundial meio-leve, em 2005 e 2007.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Co-responsáveis

Primeiro representante da Rede a falar, João Derly disse que o governo Temer não é a solução esperada para o país, porque ele e seu partido são co-responsáveis pela situação do país.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Rede

A Rede terá, a partir de agora, uma hora para apresentar seu posicionamento.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Placar

Leonardo Quintão (PMDB) começou seu pronunciamento falando sobre o placar do impeachment. Segundo ele, são 367 votos a favor e 129 votos contra.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Prorrogação

A sessão foi prorrogada por mais uma hora. Agora, faz quase 29 horas que os deputados defendem suas posições com relação ao impeachment
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Inconstitucional

O deputado Paulo Teixeira (PT) chamou o impeachment de inconstitucional, porque a Constituição prevê que o impedimento de um Presidente da República deve acontecer devido a um atentado à Constituição, o que, segundo ele, não aconteceu.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Monarquia disfarçada

É assim que o deputado Carlos Gomes (PRB) define o governo brasileiro. Segundo ele, se governos estaduais ou municipais fossem acusados do mesmo crime que o governo federal, eles seriam julgados por isso, então o mesmo deve ser aplicado ao governo federal.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Divisão

Assim como mostra o placar do impeachment, os deputados do PROS estão divididos sobre o tema. Ronaldo Fonseca disse que aqueles que votarem contra serão os judas do Congresso Nacional, traindo a população. Eros Biondini e Felipe Bornier também se pronunciaram a favor do processo. Odorico Monteiro, no entanto, disse que votaria contra e que o que o país precisa é uma agenda nacional que aponte para o diálogo e para que o país possa voltar a crescer e distribuir renda.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

"TPV"

Líder do Solidariedade, Paulinho da Força (SP) afirma que os parlamentares estão todos de "TPV", "tensão pré-votação". Ao contrário do que se via na até a manhã de ontem, opositores circulam hoje menos festivos pelo Salão Verde.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Placar do movimento pró-impeachment

Em frente ao Congresso Nacional, o movimento Vem Pra Rua, que defende o impeachment da presidente Dilma, instalou três "placares". Ali, consta que a oposição já teria 421 votos, além de 18 indecisos e apenas cinco contra o impeachment. Vendedores de água que ficam ao lado do placar não sabem dizer quem é o responsável pela atualização dos números. "Volta e meia vem um velhinho aqui, com a bandeira do Brasil nas costas, e muda os números", contam os vendedores. No Salão Verde, opositores sustentam que já têm mais de 342 votos, número mínimo necessário para aprovar o impeachment na Casa, mas longe dos 421 registrados lá fora.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Reflexão

O deputado Felipe Bornier (PROS) pediu aos deputados que reflitam sobre o tipo de país que eles querem. “A gente tem que dar exemplo”, disse.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Fim da vergonha

O deputado Major Olímpio (SD) disse que esse é o momento de acabar com a vergonha que acontece no país.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Comércio

Do lado de fora, os comerciantes já estão a postos com produtos para quem for acompanhar a votação na Esplanada dos Ministérios. A camiseta com os dizeres "Eu apoio a Lava Jato", com a figura do "pixuleco" está custando R$ 25.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Cidade da Lava-Jato

Ducci aproveitou o pronunciamento para dizer que vem da “cidade da Operação Lava-Jato”, que é motivo de orgulho para os brasileiros.
André Gonçalves
André GonçalvesEditor de República

Tucanos respaldam Mara Gabrilli

O discurso da deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP) foi um dos mais "apoiadas" pelos colegas na hora do voto. A tucana foi acompanhada por oito colegas na tribuna. No auge do discurso, disse que Dilma precisa "pedir desculpas" ao país.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Fraude

Luciano Ducci (PSB) subiu à tribuna para dizer que as pedaladas são fraude e que fraude é crime. Segundo ele, o PT cometeu também uma pedalada moral.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Acusações

A deputada Mara Gabrilli (PSDB) disse que, com a pedaladas, já há motivo suficiente para dar andamento ao processo de impeachment, mas um olhar mais aprofundado revela que a presidente e o PT cometeram muitos crimes, como o de improbidade, falsidade ideológica, obstrução à justiça, desobediência e extorção.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Flores no muro

Não se sabe de qual grupo partiu o gesto. Mas, logo no começo do "muro" instalado em frente ao Congresso Nacional para dividir os grupos contra e pró-impeachment, apareceram algumas flores na manhã de hoje...
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Takayama

Com um discurso inflamado, o paranaense Takayama (PSC) afirmou que Dilma está sendo rejeitada porque tenta interferir na independência do legislativo. O deputado disse falar por todos os parlamentares quando defende a necessidade de independência da casa.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

"Telão do Cunha"

Funcionários da Câmara dos Deputados e a Polícia Militar responsável pelo esquema de segurança em frente ao Congresso Nacional não estão se entendendo sobre a instalação de um telão, que, no domingo, transmitirá a votação dos parlamentares sobre o processo de impeachment. O presidente da Casa, Eduardo Cunha, é quem está providenciando os telões para o público acompanhar a votação - seria um telão principal, e outros sete distribuídos ao longo das vias em frente ao Congresso Nacional. O problema é que o local do telão principal, se for instalado em frente aos manifestantes, no centro, atrapalhará o esquema de segurança.
André Gonçalves
André GonçalvesEditor de República

Hauly grita sobre anulação das emendas parlam

O deputado paranaense Luiz Carlos Hauly (PSDB) gritou para colegas no Salão Verde que a Justiça havia determinado a suspensão das emendas parlamentares acertadas pelo governo nas últimas semanas - e apontadas como moeda de troca para votar a favor do impeachment. Logo depois do tumulto, admitiu que a informação não estava confirmada. "É mais para colocar pressão mesmo", disse o deputado.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Faixas e gritos

Com o fim do discurso de Erundina, os deputados abrem uma faixa que diz "Fora Eduardo Cunha" no plenário. Outros gritam "fora PT", enquanto a Mesa pede silêncio para a sessão possa ser continuada.
André Gonçalves
André GonçalvesEditor de República

Rubens Bueno briga com padre

Líder do PPS, o deputado paranaense Rubens Bueno brigou em plenário durante seu discurso, às 7h40, com o deputado Padre João (PT-MG). "O senhor poderia estar no altar rezando, e não aqui mentindo! O senhor se comporte! O senhor se comporte!", disse o parlamentar. Em coletiva há pouco no Salão Verde, jornalistas perguntaram se ele não estava com medo de ir para o inferno depois da discussão. "Por esse aí, não", disse Bueno.
André Gonçalves
André GonçalvesEditor de República

Paranaenses em peso no Salão Verde

Enquanto os discursos do PSOL acontecem no plenário, cinco deputados paranaenses circulam por um Salão Verde tomado por jornalistas. Do lado a favor do impeachment, Luiz Carlos Hauly (PSDB), Nelson Meurer (PP), Rubens Bueno (PPS) e Nelson Padovani (PSDB). Contra, Aliel Machado (Rede).
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Cartas marcadas

Erundina chama o processo de impeachment de um jogo de cartas marcadas e diz que a condução do processo por um deputado que é réu de um processo no STF por corrupção e lavagem de dinheiro desmoraliza a Câmara dos Deputados.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Verdade

A deputada Luiza Erundina começa seu pronunciamento questionando por que o presidente da Mesa, Eduardo Cunha, se ausentou durante os discursos do PSOL. “A verdade dói”, disse ela.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Crise moral

Para explicar a crise moral por que passa o país, o deputado Edmilson Rodrigues lembrou diversos escândalos de corrupção ligados a diferentes políticos e partidos, como o mensalão do PSDB, que já condenou Eduardo Azeredo a 20 anos de prisão, mas ainda não prendeu ninguém.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Telão

Enquanto os deputados discursam na Câmara, o primeiro telão é montado na Esplanada dos Ministérios.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Repressão

O deputado Jean Wyllys elogiou políticas do governo do PT e disse que mais só não foi feito por causa daqueles que agora viram as costas para o governo, como “ratos que abandonam um navio”. Para Wyllys, um governo liderado por Michel Temer é um risco para as povo indígenas, negros, LGBT, sem terra, etc., porque eles devem sofrer uma repressão violenta. A prova disso, segundo ele, são os projetos de lei que tramitam no Congresso e o áudio vazado por Temer à imprensa.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Hipocrisia

O deputado Ivan Valente abriu os pronunciamentos do partido dizendo que quem é contra o impeachment não é a favor da corrupção. “O PSOL é a favor de investigar todos, doa a quem doer”. Valente disse ainda que é cínico e hipócrita o deputado Eduardo Cunha conduzir o impeachment.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

PSOL

Parlamentares do partido terão uma hora para fazer seus pronunciamentos.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Farsa

O deputado Wadih Damous chamou o processo de impeachment de farsa e citou uma matéria do New York Times que diz que a presidente é honesta e está sendo julgada por pessoas que estão sendo acusadas de corrupção. Damous citou o juiz Sérgio Moro, que teria dito que tirar Dilma da presidência não resolveria o problema de corrupção do país.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Primeira hora

Segunda sessão completa sua primeira hora. Ao todo, porém, os deputados estão há 26 horas fazendo pronunciamentos sobre o impeachment.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Outra forma

“Por acredita que a politica pode ser feita de outra forma, voto sim”, disse o deputado João Paulo Kleinubing (PSD).
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Collor

Diversos deputados fazem referência ao impeachment de Collor durante os pronunciamentos. Lucas Vergílio (SD) disse que o momento hoje é semelhante àquele do impedimento de Collor, porque a situação do país está insustentável e não há governabilidade. Além das pedalas, a corrupção, o fechamento de empresas, o desemprego, a situação da Petrobras, etc. justificam o impeachment.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Governo Temer

a deputada Cristiane Brasil disse que a votação é a mais importante dessa legislatura, que o impeachment deve ser um marco para o início de novas práticas na política brasileira e que o governo Temer seria a oportunidade para reunir e pacificar o país.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Comparação

Delegado Edson Moreira (PR) comparou Dilma a criminosos como sequestradores e ladrões que ele prendeu durante a vida. “Todos os criminosos falavam que eram honestos”, disse. Para quem defende a presidente, o recado de Moreira é: “Quem compactua com ladrão também é. Quem defende ladrão, também é ladrão”.
André Gonçalves
André GonçalvesEditor de República

Gramado vazio

O gramado na frente do Congresso continua vazio no segundo dia de debates no plenário da Câmara sobre o impeachment. Várias vias de acesso ao edifício continuam fechadas.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Graves consequências

Os deputados do PV Uldurico Júnior e Evandro Gussi se colocam a favor do impeachment. Para Uldurico Júnior, o PT resolveu jogar sua história no lixo e se transformou naquilo que eles sempre combateram. Evandro Gussi diz que a bancada do partido está convencida de que Dilma cometeu crimes e que tais práticas geraram graves consequências à economia.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Reformas

Primeiro deputado a falar na segunda sessão, Evair de Melo (PV) disse que, além do impeachment, o país precisa de reformas fundamentais, tanto políticas quanto sociais, para a reimplantação de um processo de desenvolvimento.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Segunda sessão

Com quase 25 horas de duração, a primeira sessão deliberativa extraordinária foi encerrada. A segunda sessão começa em seguida, com a presença de 224 deputados.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Crise de confiança

Antes de declarar que vai votar a favor do impeachment, o deputado Roberto de Lucena (PV) disse que a política brasileira passa por uma crise de modelo e de confiança. Segundo ele, a sociedade não identifica um nome ou projeto política que a faça sentir segura.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Combate à corrupção

Pimenta afirmou que o combate à corrupção é expressivo no governo do PT e que o partido é contra o combate seletivo. Ele ainda defendeu seus colegas que votam contra o impeachment afirmando que eles não vendem votos.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Conspirador

Usando uma faixa que diz “Não ao golpe” e “Fora Cunha”, o parlamentar Paulo Pimenta (PT) disse que o vice-presidente, Michel Temer, está revelando seu lado conspirador. Pimenta faz referência a quatro tuítes que o vice teria publicado nesta manhã anunciando medidas ao país.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Justiça

Para a deputada Mariana Carvalho (PSDB), aprovar o impeachment seria fazer justiça pelo povo brasileiro. Ela pede à população que fique atenta aos atos dos deputados que elegeram nas últimas eleições porque “muitos estão sendo comprados”.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Cereja do bolo

O deputado Max Filho (PSDB) disse que o governo Dilma é corrupto e que as pedaladas fiscais são apenas “a cereja do bolo”. O parlamentar afirmou ainda esperar que o impeachment possa restaurar a confiança do povo brasileiro nas instituições.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

24 horas

Sessão da Câmara já completou 24 horas! E os discursos continuam...
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Voto declarado

O deputado paranaense Osmar Serraglio (PMDB) encerra o discurso declarando o voto a favor do afastamento de Dilma.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Curitiba

Serraglio cita a República de Curitiba - expressão cunhada pelo ex-presidente Lula para caracterizar a investigação da Lava Jato.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Serraglio

O deputado Osmar Serraglio (PMDB) começou a discursar instantes atrás. Ele é sétimo paranaense a falar na sessão da Câmara.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Economia

A crise econômica e a inflação são citadas pelos deputados como motivos para justificar o afastamento de Dilma.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Pilatos

O deputado Givaldo Carimbão (PHS-AL) disse que não pode agir como Pôncio Pilatos e lavar as mãos, como se nada pudesse fazer para evitar a "crucificação".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Paranaenses

Até o momento, seis deputados paranaenses já discursaram na longa sessão da Câmara: Alex Canziani (PTB), Fernando Francischini (SD), Sergio Souza (PMDB), Diego Garcia (PHS), Evandro Roman (PSD) e Dilceu Sperafico (PP). Leia mais em https://bitly.com/1ShyKYx
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Orgulho

Em discursos, deputados citam família e "orgulho do Paraná". Leia em https://bitly.com/1ShyKYx
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Dividido

PHS vota dividido. Enquanto o deputado Marcelo Aro, de Minas Gerais, acabou de declarar que é a favor do afastamento de Dilma, o líder do partido na Câmara, Givaldo Carimbão, de Alagoas, afirma que não vai se deixar levar pela pressão da maioria.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Filosofia

Até a Caverna de Platão é citada em discursos na Câmara. Quem cita que o governo está "projetando sombras" que criam ilusões é o deputado Marcelo Aro (PHS-MG)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Sessão completa agora 23 horas de duração
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Notas da presidente Dilma estão todas em vermelho", diz Rubens Bueno, referindo-se a índices econômicos e de aprovação
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Bueno diz que a maioria dos brasileiros quer a saída de Dilma. "A presidente promoveu o mau geral do povo brasileiro."
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Rubens Bueno mostra a Constituição e defende pedido de impeachment feito por juristas
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"O senhor se comporte", diz Rubens Bueno a deputado petista enquanto discursa
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Agora é a vez do paranaense Rubens Bueno (PPS)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputada Eliziane diz que programas sociais do governo sofreram cortes do orçamento
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Eliziane Gama (PPS): "O que a presidente faz é criar tática para menosprezar a Lei de Responsabilidade Fiscal"
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"A presidente quebrou esse país", diz Arthur Oliveira (PPS), ao defender o impeachment
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
PPS é o 16º partido a falar na sessão, que já dura 22 horas. [https://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/especiais/placar-do-impeachment/#camara Veja qual é o posicionamento do partido no placar do impeachment]
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Mais um deputado fala pelo PPS: Arnaldo Jordy (PA). Segundo ele, o país está "largado a própria sorte".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Agora é a vez do deputado Arnaldo Jardim (PPS-SP), que fala sobre uma agenda de reformas estruturais ao país
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O balanço da Câmara é que a sessão de sexta-feira teve clima tranquilo e pacífico na maior parte do tempo
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Sessão completa 22 horas de duração
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Segundo a Agência Câmara, líderes da oposição vão tentar encurtar os discursos para garantir o início da votação na tarde de domingo
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Temos um vice que é traidor", diz Padre João (PT-MG)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Padre João vai usar tempo da liderança para falar pelo PT
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Aquele que disser 'não' está mostrando que não tem compromisso com esse país", defende André Moura (PSC-SE)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Taxa de desemprego volta a ser lembrada, dessa vez pelo deputado André Moura (PSC-SE)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Dilma Rousseff: tchau, querida", diz Eduardo Bolsonaro (PSC-SP)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
[https://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/especiais/placar-do-impeachment/#camara Placar do impeachment]
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Feliciano relata ter sofrido bullying por questões políticas e diz que isso repercutiu na sua família. Ele falou sobre o assunto ao se referir sobre o impacto que a decisão de cada deputado irá causar a vida de cada um
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Judas recebeu dinheiro, mas não pôde usar esse dinheiro", diz Feliciano
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
14 partidos já discursaram na sessão
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Colocaram pobres contra ricos. Dividiram nosso país. Tanto que temos hoje um muro da vergonha Brasília", critica Feliciano, a favor do impeachment
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Agora é a vez de Marco Feliciano (PSC-SP)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Bolsonaro cita trechos da biografia de Mujica, ex-presidente do Uruguai, no seu discurso
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Tem muita gente aqui para fazer mais que o diabo para o PT não sair do poder", diz Bolsonaro
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Jair Bolsonaro (PSC-RJ) fala agora no plenário
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputados gritam "Não vai ter golpe", após fala de deputada do PCdoB
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Cunha é o o instrumento de manobra do vice Michel Temer", diz o deputado Rubens Pereira Júnior
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Existe um conluio entre Michel Temer e Eduardo Cunha, diz o deputado Rubens Pereira Júnior
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"A oposição não acertou sequer ao fazer um pedido de impeachment", diz Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA), criticando o texto
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"O que vem com Eduardo Cunha no poder é o enfraquecimento da democracia', diz Orlando Silva
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"O pedido de impeachment foi acolhido por vingança, por um chantagista", diz Orlando Silva (PCdoB-SP)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Orlando Silva (PCdoB-SP) destaca atos em favor do governo Dilma
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Dilma sairá ao fim do mandato, diz Jandira Feghalli, contrária ao impeachment
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O 2º secretário da Câmara, deputado Felipe Bornier (Pros-RJ), preside a sessão no lugar de Eduardo Cunha (PMDB-RJ)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Mais da metade dos partidos já se pronunciou na sessão, que já dura 20 horas.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Jandira Feghali (PCdoB-RJ) fala neste momento
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Sessão é reaberta com a presença de 93 deputados
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Plenário está sendo limpo neste momento
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Uma nova sessão será reiniciada
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
PTN se apresenta dividido em relação ao impeachment, destaca a Agência Câmara
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Impeachment geraria governo ilegítimo", diz Luciana Santos (PCdoB-PE)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputada Luciana Santos (PCdoB-PE) diz que Cunha é réu em sete processos no STF. Ela se posiciona contra o impeachment
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Chega a vez do PCdoB, o 14º partido a discursar na sessão
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Voto sim pelo impeachment", diz deputado Carlos Henrique Gaguin (PTN-TO)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Não ao golpe. Viva a presidente Dilma, viva o Brasil", encerra Bacelar (PTN-BA)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputado Bacelar (PTN-BA) fala neste momento. Não há previsão para o encerramento dos debates
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Cada legenda pode falar por até uma hora e, até agora, dez usaram a palavra: PMDB, PT, PSDB, PP, PR, PSD, PSB, DEM, PRB, PDT e SD. A informação é da Agência Câmara
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Chega a vez do 13º partido a falar no plenário da Câmara: o PTN
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Se manifestam contrários quando o governador não é vinculado ao PT", diz Francischini sobre sindicatos
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Francischini critica a segurança pública no país e a situação da saúde
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Golpe é a CUT usar contribuição sindical para bancar pão com mortadela", diz Francischini
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Para que investir em um porto em Cuba?", questiona Francischini sobre empréstimo do BNDES
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Francishini (SD-PR) fala na tribuna e rebate a tese de que impeachment é golpe
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Wladimir Costa (SD-PA) se amarra na bandeira do Pará, canta o hino do estado e solta serpentinas
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputado Wladimir Costa (SD-PA) diz que é covardia a atitude dos indecisos e tece duras críticas a Dilma
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputado Wladimir Costa (SD-PA) tenta convencer os indecisos a votar pelo impeachment e faz duras críticas a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputado Carlos Manato (SD-ES) diz que golpe foi o estelionato eleitoral feito pelo governo nas eleições
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O próximo paranaense a falar será o deputado Fernando Francischini (SD)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Sessão é prorrogada por mais uma hora.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Solução da crise é ter um projeto ao país", diz deputado Weverton Rocha (PDT-MA). Ele diz que o partido irá ajudar o governo neste momento de crise
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Neste momento o deputado Weverton Rocha (PDT-MA) segue na tribuna e, assim como seu colega, cita Getúlio Vargas
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Os dez partidos que já usaram a palavra na sessão: PMDB, PT, PSDB, PP, PR, PSD, PSB, DEM, PRB e PDT.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
141 deputados já falaram desde o início da sessão que dura mais de 17 horas
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Praticamente a metade dos 513 deputados se inscreveu para falar a favor ou contra o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff. As inscrições foram feitas no início da sessão da Câmara, no horário das 9 h às 11 h, e se inscreveram 249 deputados, sendo que para falar a favor foram 170 e para encaminhar contra a aprovação do impeachment foram 79 deputados. As informações são da Agência Brasil
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputado Weverton Rocha (PDT-MA) fala neste momento na tribuna contra o impeachment de Dilma
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputado Damião Feliciano (PDT-PB) diz que vota não no impeachment
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputado Afonso Motta (PDT-RS) discursa a favor do governo Dilma.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O discurso do paranaense Alex Canziani
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Sessão completa 17 horas. Neste tempo, vários deputados subiram à tribuna com bandeiras, Constituição e com faixa verde e amarela no paletó
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Dez partidos, de 25, já usaram seu tempo na sessão do impeachment
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputado Sóstenes (DEM-RJ), a favor do impeachment, chama a atenção que no momento só há um deputado petista na sessão
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Até a vitória", diz paranaense Canziani, que irá votar pelo impeachment no domingo
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Paranaense Canziani elogia parecer do relator pelo impeachment de Dilma
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Canziani destaca a crise econômica no início da sua fala: "É o momento de darmos um basta", diz.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Paranaense Alex Canziani (PTB) discursa agora na sessão
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Nove partidos já usaram seu tempo na sessão, que dura mais de 16 horas
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
[https://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/especiais/placar-do-impeachment/#camara Veja qual o posicionamento dos deputados do PTB, que falam agora na tribuna da Câmara]
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputados do PTB falam agora na sessão
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Desemprego e ação de Lula nos bastidores são temas recorrentes nas falas dos deputados
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputada diz que Dilma não a representa
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Impeachment já. Viva o Brasil", diz deputado Carlos Marun (PMDB-MS) ao encerrar sua fala, aplaudido por colegas
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Aqueles que estão indecisos pensem no povo brasileiro", diz deputado Mauro Pereira (PMDB-RS)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Agência Câmara informa que 9,5 mil policiais militares se revezarão até domingo (17) na Esplanada dos Ministérios para garantir a segurança dos manifestantes pró e contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Sessão da análise do impeachment já dura mais de 16 horas.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Nove partidos já usaram seu tempo na sessão.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Com a Constituição na mão, deputado Domingos Sávio (PSDB-MG) pede a saída de Dilma
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Ninguém está acima da lei, diz o deputado Rodrigo Martins (PSB)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputado Rodrigo Martins (PSB) pede a saída de Eduardo Cunha da presidência da Câmara
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Dilma não me representa", diz a deputada Shéridan (PSDB-RR)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
PRB é o próximo partido a ocupar a tribuna
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Não vamos mais pagar a conta deste desgoverno", diz o deputado Ezequiel Teixeira (PTN-RJ), defendendo o impeachment
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Governo está afundado em corrupção", diz o deputado Rodrigo Garcia (DEM)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
100% da bancada do PSC vota pelo impeachment, diz o deputado André Moura (PSC)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Eduardo Cunha volta a presidir a sessão da Câmara
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputado Mendonça Filho (DEM) conclama a população a ir às ruas e fala da má política feita em "quartos de hotéis", referindo-se a Lula
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputado Claudio Cajado (DEM) diz que. se Dilma escapar do impeachment, quem governará será Lula.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Placar

[https://www.gazetadopovo.com.br/vida-publica/especiais/placar-do-impeachment/#camara Veja como está o placar do impeachment]
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM): "Jamais pensei que passaria por um momento dessa natureza".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Por causa de um governo incompetente somos desacreditados internacionalmente", diz o deputado Marcos Soares (DEM)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"País foi traído na campanha presidencial de 2014", diz o deputado Claudio Cajado (DEM). que fala em "estelionato eleitoral"
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

"Crime de responsabilidade"

Deputado Claudio Cajado (DEM) defende que Dilma cometeu crime de responsabilidade
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Passado

Deputado Mandetta lembra do episódio em que Lula mencionou que no Congresso havia "300 picaretas"
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Balanço

Até agora, sete partidos já usaram seu tempo desde o início da sessão, pela manhã.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

DEM

Deputado Mandetta abre o tempo destinado ao DEM.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
A vez agora é de Índio da Costa (PSD-RJ).
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Meu voto é contra o golpe, sim, mas contra o golpe das pedaladas, da Lava Jato", finaliza Raquel.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Raquel Muniz (PSD-MG) começa seu pronunciamento falando sobre a luta à corrupção.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Além de Maria do Rosário, Carlos Zarattini (PT-SP) também falou pela liderança do Partido dos Trabalhadores.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Maria do Rosário (PT-RS) fala pela liderança do PT. A deputada está indignada pelo fato de o processo ser presidido por alguém que é réu da Lava Jato Cunha.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Diego Garcia (PHS-PR) é o primeiro desse bloco a se pronunciar.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Encerrado o tempo de fala do PSB. Agora, seis líderes falam.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Temos até domingo para unificar nossa nação, como torce para a seleção, como torce para sairmos dessa situação. Esse é o momento de buscar felicidade em cada brasileiro e darmos um basta naqueles que fazem da 'apologia do medo' um instrumento de política", diz o parlamentar cearense.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Forte pede pela "vitória da esperança sobre o medo".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Forte: "Esse governo é réu confesso. É réu quando a própria Caixa Econômica Federal precisou entrar na Justiça contra o Tesouro Nacional"
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Danilo Forte (PSB-CE) diz que o "Brasil precisa se reencontrar com sua paz".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Para Garcia, houve crime de responsabilidade e grave descumprimento à legislação brasileira, comprometendo o resultado fiscal do país.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Fabio Garcia (PSB-MT) inicia sua fala afirmando que é preciso "respeitar a vontade maior do povo brasileiro. Nesse domingo, a Câmara dos Deputados será chamada à sua responsabilidade constitucional de julgar o prosseguimento do processo de impeachment. Decidirá qual futuro queremos para o Brasil: uma mudança ou uma continuidade de um processo político de poder que levou o Brasil à crise mais grave de sua história".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Fortes afirma que o impeachment já tem "mais de 360 votos", dos 342 necessários para que o processo prossiga.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Deputado compara pedaladas fiscais a "doença"

Para Tadeu Alencar (PSB-PE), manobras deixaram a economia em um estado de "septicemia".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Quebraram a Petrobras. Quer coisa mais vergonhosa do que Pasadena? Agora, o Panamá", diz Fortes. "Se alguém mudou, foi o Lula. Saiu da periferia de São Paulo e foi para triplex no Guarujá".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O deputado piauiense diz que o partido [PT] que chama o impeachment de "golpe" é o mesmo que tentou destituir o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Fortes continua a alfinetar Cardozo: "o bom advogado sem uma boa causa não tem argumento".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Heráclito Fortes (PSB-PI) inicia sua fala criticando Cardozo por ter citado Ulysses Guimarães.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Nós representamos, sim, a população brasileira. Golpe foi o que os senhores fizeram com este país", afirma o deputado do PSB. "Quem julgará os senhores será a história".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Covarde", diz Flavinho sobre Lula, pelo fato de o ex-presidente se "esconder" em um hotel em Brasília. "Diferentemente do senhor, nesta Casa há pessoas com dignidade".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Flavinho: "Senhoras e senhores, não há golpe, há um rito constitucional. Nós vemos a irresponsabilidade da presidente Dilma e do ex-presidente Lula de incitar o ódio".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Flavinho (PSB-SP) é o segundo do partido a falar. "A Constituição nos respalda, o STF nos respalda", fala, a respeito do impeachment.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Não vamos desistir do Brasil", encerra Alencar, citando Eduardo Campos.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Tadeu Alencar é mais um parlamentar a citar a situação da Petrobras como "motivadora" para o processo de impeachment.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Alencar compara as pedaladas fiscais a doenças que foram "se deteriorando" e deixaram a situação econômica do país em "estado de septicemia".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Não é um governo que anime a sociedade, que lhe dê esperança", afirma Alencar a respeito do governo Dilma.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O tempo agora é do PSB. Tadeu Alencar (PSB-PE) é o primeiro a falar.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Mosquini: "Eu vou honrar o estado de Rondônia dizendo 'sim' ao impeachment. O Brasil precisa de um novo momento. Michel Temer não pediu para ser presidente, mas é a previsão".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
A vez agora é de Lucio Mosquini (PMDB-GO).
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Daniel Vilela (PMDB-GO), que discursa pela liderança do PMDB, afirma que o direito processual é claro: "havendo minimamente indícios de uma discussão, é preciso aprovar a admissibilidade".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Temos que julgar de acordo com a vontade da população, e a nossa população já tem um lado: o do impeachment", diz Souza.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Souza define a atual situação do governo como um "descontrole econômico atrelado à corrupção".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Sérgio Souza (PMDB-PR) inicia sua fala. "Nesta Casa o povo brasileiro deve se sentir representando. Ele está desacreditado dos políticos. Talvez esta seja a última chance de dar uma resposta à nossa população".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Benjamin Maranhão (SD-PB) fala pela liderança do Solidariedade. Maranhão afirma que a vitória do PT nas eleições de 2014 ocorreu às custas de mentiras.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

"Turma do Lula"

Marcos Montes (PSD-MG) afirma que a presidente Dilma herdou os políticos corruptos do governo Lula.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Glauber Braga (PSOL-RJ) tem a palavra. O deputado acredita que levar o PMDB para as altas cúpulas do governo não é a solução. "Não ao 'acordão'", diz.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Do outro lado, deputados gritam "vai ter impeachment!".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Neste momento, é possível ouvir gritos de "não vai ter golpe!" na sessão.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Tenho uma filha de 7 anos que me liga toda noite e diz 'vota, papai, no impeachment da Dilma'", diz Pinato.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Quem fala agora é Fausto Pinato (PP-SP), que afirma que o impeachment está previsto na Constituição Federal, portanto não é golpe.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O deputado Ricardo Izar (PP-SP) reforça que é a favor do impeachment.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Torgan diz que "enganar o povo" já é um crime de responsabilidade.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Esse governo fez a classe média ficar pobre, e a pobre já está em estado de miséria. É preciso mudar. Ou se muda, ou vamos continuar no fundo do poço, nessa recessão terrível", diz Torgan.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Tem a palavra Moroni Torgan (DEM-CE), pela liderança da minoria.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Castro chama o governo Dilma de "gangue de delinquentes que saqueou o país".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O deputado Rodrigo de Castro (PSDB-MG) fala pela liderança da legenda. "Estou feliz em presenciar o início do fim da 'era PT'".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Tebaldi encerra sua fala reforçando que seu voto, assim como o do PSDB, será pela admissibilidade do impeachment.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Marco Tebaldi (PSDB-SC): "crimes não faltam a esse governo. Inflação alta, PIB em baixa, escândalos da Petrobras, negociação desastrada de Pasadena... Isso é crime".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Pequena confusão. Eduardo Cunha afirma que nenhum tempo de fala será prorrogado.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Montes encerra sua fala afirmando que a política é um instrumento para construir o bem, mas foi desvirtuada.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Para Montes, a presidente Dilma trouxe para seu governo a "turma do Lula", que continuou praticando a corrupção.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Eu não ataco o PT, eu ataco os elementos do PT que fizeram parte do governo Lula. Ali se criou uma organização criminosa", afirma Montes.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Montes é mais um deputado a afirmar que José Eduardo Cardozo, como advogado-geral da União, não poderia ter feito a defesa da presidente Dilma Rousseff.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Marcos Montes (PSD-MG) usa o tempo do partido para se pronunciar.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Rodrigues faz um discurso bastante inflamado: "o Brasil não vai perdoar. O homem que se vende por cargo é bandido, e bandido deve ser banido da vida pública". E sobre os parlamentares que pretendem faltar na sessão de domingo, diz que "o único atestado que será aceito será o de óbito".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O deputado catarinense afirma que cerca de 80% dos partidos são a favor do impeachment. "Não há uma bandeira partidária, mas a bandeira do Brasil", diz.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Rodrigues chama o PSOL, PT e PCdoB de "gangue". "Golpe é vender um sonho e entregar um pesadelo", diz o parlamentar.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
João Rodrigues (PSD-SC) inicia sua fala com a afirmação de que os parlamentares devem refletir pelo "presente, futuro e passado do país".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"São Paulo e o Brasil não suportam essa crise. É hora de dar um basta", diz Goulart.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Goulart afirma que o impeachment encerra um "ciclo falido e manchado pela corrupção e incompetência". Para o deputado, o governo do PT não priorizou o povo.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Goulart (PSD-SP) se pronuncia pelo partido.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O deputado paraense diz que, no Brasil, "traficantes podem se tornar empresários".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Éder Mauro critica as tentativas de denegrir a imagem de Sérgio Moro e chama o magistrado de "símbolo da Justiça no país".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Delegado Éder Mauro (PSD-PA) afirma que o governo do PT é um "câncer que destrói este país".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Eduardo Cunha (PMDB) e Henrique Fontana (PT) discutem após o deputado do PT apresentar questão de ordem sobre o cronograma da votação do próximo domingo (17).
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Cruvinel: "Falta a esse governo o essencial: capacidade".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Estou absolutamente convencido de que a senhora presidente da República cometeu crime de responsabilidade nas chamadas 'pedaladas fiscais'", diz Cruvinel.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Heuler Cruvinel (PSD-GO) diz que o partido agora trabalha para que o processo transcorra de forma organizada e que o resultado seja o melhor para o Brasil. O deputado é a favor do impeachment.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) diz que a função da AGU é defender a nação, e não a figura da presidente da República.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Sessão extraordinária é aberta. Cada partido tem uma hora para falar.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Quem tem a palavra agora é JHC (PSB-AL). A sessão será encerrada em seguida.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Cunha rejeita a questão de ordem.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Henrique Fontana (PT-RS) apresenta questão de ordem sobre o cronograma da votação do dia 17, que contempla tempo de fala para o relator Jovair Arantes, mas não para a defesa de Dilma. Para Fontana, Arantes atuaria como "parte processual imprópria".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Cristiane lê depoimentos de seus seguidores nas redes sociais que são a favor do impeachment. As mensagens pedem por um recomeço para o país.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Cristiane Brasil (PTB-RJ), favorável ao processo, pronuncia-se pela legenda.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"As eleições de 2014 foram um golpe na população brasileira. Por isso precisamos dizer 'sim' ao impeachment. Fora, PT! Fora, presidente Dilma", finaliza Baldi.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Manifestantes vão chegando...

Assim como ocorreu no início da noite de ontem (14), um grupo de manifestantes pró-impeachment começa a chegar no gramado em frente ao Congresso Nacional. O grupo ainda é pequeno.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Baldi é mais um deputado que fala a respeito dos altos índices de desemprego no Brasil atualmente.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

"Fechamento de questão"

Até aqui, o PP já tinha desembarcado da base aliada e também já tinha orientado a favor do impeachment. Mas, ainda não tinha "fechado questão", o que significa "enquadrar" dissidentes. Com a decisão desta sexta-feira, o Planalto perde mais 7 votos, número de dissidentes que restava na bancada de quase 50 parlamentares. O grupo majoritário quis aprovar o fechamento de questão depois de ver dissidentes negociando cargos com o governo federal, mesmo após o desembarque da base.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Alexandre Baldi (PTN-GO), que fala pela liderança do partido, afirma que "se assiste a um governo desgovernado".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Carmen Zanotto (PPS-SC) começa a se pronunciar afirmando que a corrupção não pode continuar pelo país.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
A deputada gaúcha requere que, caso o relator do impeachment faça uso da palavra no domingo, o advogado da presidente Dilma se pronuncie em seguida. Cunha, porém, afirma que continuará sendo seguido o mesmo rito do caso Collor.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Maria do Rosário (PT-RS) apresenta questão de ordem.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Paranaense votará a favor de impeachment

Embora considere o impeachment "injusto", o deputado federal pelo Paraná Nelson Meurer, do PP, confirmou agora há pouco à Gazeta do Povo que vai obedecer o seu partido e votar contra a presidente Dilma. Meurer e um campo minoritário da legenda insistiam no voto contrário ao impeachment, mas, em reunião da bancada do PP encerrada agora há pouco, ficou definido que o partido precisa "manter unidade". No caso de Meurer, as eleições municipais pesaram. "Como ficariam meus prefeitos, meus vices, vereadores? O prazo de troca partidária já acabou", justificou ele, em referência a eventual punição do partido, caso insistisse no voto favorável à presidente Dilma. Segundo ele, todos os dissidentes concordaram em trocar o voto. A bancada do PP, com cerca de 50 parlamentares, está entre as maiores da Câmara dos Deputados.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Nós não precisamos de 300 e poucos votos. A turma da oposição é que precisa", afirma Guimarães. "Estou seguro da vitória".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Cuidem do mensalão mineiro. Cuidem do merendão em São Paulo", aconselha Guimarães aos colegas.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Guimarães: "Falo para continuar defendendo a democracia e a legalidade democrática. Sem esses princípios não lograremos êxito no debate que estamos fazendo aqui".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
José Guimarães (PT-CE) fala como líder do governo na Casa.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Atenção: PP fecha questão

Os pepistas acabam de decidir pelo fechamento de questão a favor do impeachment. Todos os sete dissidentes da bancada formada por quase 50 parlamentares devem obedecer a posição oficial da sigla.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Encerrando o tempo do PR, Aelton Freitas pede pela rejeição do processo de impeachment.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Freitas afirma que, ao contrário do que ocorre no parlamentarismo, o sistema presidencialista não admite a retirada de um governante por mera impopularidade.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Para Freitas, a rua cheia não é sinônimo de derrubada de um presidente. "Fora dos pressupostos legais, todo processo de impeachment é inconstitucional".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Freitas: "em 1992, ao contrário do que acontece hoje, quase ninguém conhecia o inteiro teor das alegações que fundamentavam o pedido de impeachment do ex-presidente Collor".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Contrário ao impeachment, Freitas compara o atual processo de impeachment ao Golpe Militar de 1964.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Meurer

Em entrevista à Gazeta do Povo pela manhã, o deputado federal Nelson Meurer (PP-PR), que até então era contra o impeachment, disse que seguirá a posição do seu partido, caso haja "fechamento de questão".
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Pepistas reunidos

A bancada do Partido Progressista (PP) está novamente reunida neste momento para tratar do impeachment contra a presidente Dilma. A reunião é a portas fechadas e, na pauta, está a possibilidade de o partido "fechar questão" a favor do impeachment. O PP já havia aprovado o desembarque da base aliada, orientando o voto a favor do impeachment. Mas, até então, os parlamentares estavam liberados para votarem de acordo com suas posições individuais. Se "fechar questão", o PP passa a obrigar todos os parlamentares a votarem a favor do impeachment. Em eventual desobediência, pode ter punição.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Aelton Freitas (PR-MG) tem a palavra pelo partido.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Laerte Bessa diz que Dilma é "bandida", e é "questão de honra" tirar o PT do poder.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Michel Temer é uma pessoa de bem, honesta. Jamais ouvi falar alguma coisa que desabonasse a sua conduta". Para Bessa, Temer é o homem certo para comandar o país e tirá-lo da crise.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Laerte Bessa (PR-DF) é o próximo do PR a se pronunciar.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Bilac Pinto: "Golpe é tentar mascarar a realidade das finanças públicas, das empresas. Golpe, acima de tudo, é fazer com que 10 milhões de desempregados fiquem passando fome em suas casas. O PT, com seu sistema de propaganda, tenta vender a ideia perversa de que tudo e todo mundo é igual".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Bilac Pinto (PR-MG), que já declarou ser favorável ao impeachment, começa seu pronunciamento. "Nosso país está instigado em divisões. Pobres contra ricos. Nordestinos contra sulistas. Brancos contra negros".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Sabino afirma que, no momento, ministérios não são negociados por capacidade, mas pela quantidade de votos contrários ao impeachment que podem render.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Nesses anos, vimos que o PT perdeu a sua essência. O que sempre foi errado, quando o PT assumiu o governo passou a ser correto. Corrupção e roubalheira marcaram muito mais do que as ações que podem ter sido boas", diz Sabino.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Cabo Sabino (PR-CE) tem agora a fala. "No domingo seremos juízes, julgadores, e não apenas legisladores". Para Sabino, é preciso julgar com consciência, sem influência da bandeira partidária.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Quintella finaliza afirmando que vota sim pela admissibilidade do processo de impeachment para que o Brasil não chegue ao "caos social".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Nós aqui nos tornamos juízes. Temos que votar de acordo com a nossa consciência, com o nosso convencimento", diz Quintella, que está convencido de que a presidente cometeu crime de responsabilidade.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O primeiro a falar pelo PR é Maurício Quintella Lessa (PR-AL).
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Sessim: "se o processo contra o ex-presidente Collor representava muito para a história, o de agora carrega o peso de ser contra a primeira mulher presidente. Não há em mim nenhuma alegria, mas a vida do político só admite alegria com responsabilidade"
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Simão Sessim (PP-RJ) fala pela liderança do partido.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Covatti Filho (PP-RS) inicia seu pronunciamento afirmando que tem orgulho do posicionamento de sua legenda, que é a favor da saída da presidente Dilma Rousseff.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"A resistência veio para dizer que este impeachment não passará!", finaliza Pereira Júnior.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA) compara o atual processo de impeachment contra o de Collor, afirmando que, diferentemente do que ocorreu em 1992, agora não há fortes indícios de crime. "Aquela votação unia o Brasil. Agora, qualquer que seja o resultado, infelizmente o Brasil estará dividido, a começar pela Esplanada dos Ministérios com esse muro".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Evair de Melo (PV-ES), que fala a favor do impeachment, diz que "a política não morreu, o que está morrendo é a velha política". Como outros deputados, Melo elogia o juiz Sérgio Moro. Para o parlamentar, Moro trabalha para um país melhor.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Para Papa, o Brasil passa por uma crise "econômica e moral".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
João Paulo Papa (PSDB - SP): "está em curso uma ação deliberada de colocar brasileiros contra brasileiros. Sentimos nas ruas, no trabalho e até nessa Casa. O atual governo trabalha para dividir o povo".
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Salão Verde esvaziado

A sessão plenária da Câmara dos Deputados iniciada às 9 horas de hoje deve seguir até de madrugada, ao menos. Mas isso não significa "casa cheia" permanentemente. Após uma manhã agitada em função da presença do advogado Miguel Reale Junior e do advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, o período da tarde já registrou esvaziamento. No Salão Verde ao lado do plenário, poucos políticos circulam por lá.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Alvaro Dias: "Impeachment é fato consumado"

Circulando pelo Salão Verde ao lado do plenário da Câmara dos Deputados, o senador Alvaro Dias (PV-PR) dá o impeachment da presidente Dilma como "fato consumado". Segundo ele, a petista não tem munição para reverter a situação. "Perdeu credibilidade a ponto de parlamentares até mais afeitos a barganhas não acreditarem nas promessas que partiam do Palácio do Planalto", atacou ele. O senador paranaense disse que cogita voltar para visitar a Casa vizinha na hora da votação, domingo. Se o processo de impeachment passar na Câmara dos Deputados, ele ainda segue para o plenário do Senado, onde enfrenta duas votações. Primeiro, o Senado vai avaliar se recebe ou não a recomendação da Câmara Federal. Se houver maioria simples, o Senado passa a analisar o caso e a presidente Dilma é afastada por 180 dias. Depois, o Senado julga se houve ou não crime de responsabilidade. Se dois terços da Casa entender que sim, a presidente Dilma perde o mandato.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Nilson Pinto (PSDB - PA): "votarei como milhões de brasileiros, que não aceitam a mentira e a corrupção, que se tornou marca desse governo. A presidente se elegeu mentindo deliberadamente para milhões de brasileiros, enganando a população".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Eduardo Cunha afirma que a sessão não será interrompida caso a presidente Dilma faça um pronunciamento.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Fonseca afirma que está convencido de que houve crime de responsabilidade por parte de Dilma. "Se houve crime, o impeachment não é golpe. Estou aqui sem ódio e sem revanchismo, para votar pelo impeachment. Lamentavelmente a presidente, talvez por possuir uma assessoria incompetente, cometeu crime".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Pela liderança do partido, Ronaldo Fonseca (PROS-DF) tem a palavra.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Quem não deve, não teme. Eu não precisei de um ministério para fugir da Justiça. Não existe ninguém acima da lei", diz Goergen, sobre o ex-presidente Lula.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Goergen afirma que o "sim" ou "não" dos deputados no domingo terá o poder de mudar o rumo do Brasil. Também chama de "covardes" os que não comparecerem.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Para Goergen, as pedaladas fiscais são motivo suficiente para sustentar um processo.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Quem fala agora pelo PP é Jerônimo Goergen (PP-RS).
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Protestos no PR

Paraná volta a ter interdição em rodovias por causa de protesto. Segundo PRE, ato agora ocorre na PRC-280, entre Marmeleiro e Renascença, nas proximidades de Francisco Beltrão, na região Sudoeste. O km interditado no local é o 253.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Lopes afirma que é preciso punir, sim, a presidência da República pelos crimes cometidos, mas que tal punição não pode ser utilizada como mera vingança ou retaliação. Ainda, refere-se ao juiz Sérgio Moro como "herói".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Julio Lopes (PP-RJ) é o quarto deputado do PP a se pronunciar.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"A sociedade brasileira tem que ter cuidado, para que domingo possamos fazer nesse país a faxina necessária", afirma o deputado gaúcho.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Heinze: "Lula e Dilma enterraram o país".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Luis Carlos Heinze (PP-RS) inicia sua fala parabenizando o relator do processo. Para Heinze, Jovair Arantes obteve uma vitória de "10 a 0" no STF ontem.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Para o deputado capixaba, "é preciso começar com a maior urgência a revolução ética que a população está pedindo nas ruas".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Vicente: "Meias verdades viraram moda. Não saber o que se passa diante de seu nariz virou prática de governo".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Vicente reforça que o PP está fechado com o impeachment. "Votaremos pelo Brasil e pelo Espírito Santo".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O deputado Marcus Vicente (PP-ES) diz que o que está sendo realizado hoje é um ato de democracia plena, uma vez que a função primordial do Legislativo seria fiscalizar o Executivo.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Esperidião Amin (PP-SC) aproveita sua fala para homenagear Santa Catarina, onde já foi governador. O deputado também citou Shakespeare em sua fala e afirmou que hoje hoje vivemos a 'desgraça da corrupção' no Brasil.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Henrique Fontana (PT-RS) diz que o povo brasileiro não é um povo do ódio e intolerância, mas quer soluções para os problemas do país. "O grande debate que realizamos hoje não é um debate do governo contra a oposição, mas sim sobre a democracia brasileira, que está cada vez mais atacada desde o momento em que a oposição decidiu desrespeitar o resultado das eleições".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O deputado Caio Narcio (PSDB-MG) questiona porque não há presença de pessoas, contra ou a favor do impeachment, nas galerias da casa. A explicação é que, por questão de segurança, optou-se por uma capacidade reduzida dentro da casa - apenas os parlamentares e um número reduzido de assessores e jornalistas.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Contabilidade

Com dificuldade de contabilizar os 172 votos para barrar o impeachment no plenário da Câmara, o Palácio do Planalto aposta agora em ausências e abstenções de deputados no domingo (17) para tentar salvar o mandato de Dilma Rousseff. Entenda.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Alceu Moreira (PMDB-RS) diz que o Palácio do Planalto virou um lugar de comício e critica o fato de 'ninguém saber de nada' sobre a refinaria de Passadena e outros desvios de verba. "Estelionato eleitoral, era tudo mentira", diz.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Rafael Motta (PSB-RN) diz que precisamos de um resgate social, ético e econômico.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Sessões longas

Na sessão plenária de hoje, representantes dos 25 partidos se dividem para falar dentro do tempo da legenda. Amanhã é diferente. Os deputados federais poderão fazer pronunciamentos individuais, de até 3 minutos cada. Como 249 se inscreveram para discursar na sessão de amanhã, que começa às 14 horas, os trabalhos devem entrar na madrugada. Ainda assim, parlamentares podem ficar de fora.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Marco Feliciano (PSC-SC) diz que depois de anos a nação brasileira conseguiu ficar politizada. "São 13 anos vendo o nosso país arrefecer, cair em descrédito", lamentou. Ele diz que o governo novo, que vai renascer o país, terá o seu apoio.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

No sábado, 14 paranaenses inscritos

249 deputados federais se inscreveram para falar na sessão plenária de amanhã (16): 170 falarão a favor do impeachment e 79 contra. Dos 30 parlamentares da bancada do Paraná, 14 se inscreveram - 11 para defender o impeachment. São eles, na ordem de inscrição: Luiz Carlos Hauly (PSDB), Sandro Alex (PSD), Takayama (PSC), Paulo Martins (PSDB), Evandro Roman (PSD), Luciano Ducci (PSB), Alex Canziani (PTB), Diego Garcia (PHS), Fernando Francischini (SD), Alfredo Kaefer (PSL) e Marcelo Belinati (PP). Os três paranaenses que falarão contra o impeachment são Ênio Verri (PT), Zeca Dirceu (PT) e Aliel Machado (Rede).
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O deputado Augusto Carvalho (SD-DF) fez duras críticas ao advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo. Ele disse que Cardozo transformou a AGU em uma "usina de chicanas" a serviço de Dilma.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Em sua fala, José Carlos Aleluia (DEM-BA) destaca a importância dos movimentos de rua, como o Movimento Brasil Livre (MBL). O deputado acredita que, se não fosse o esforço deles, o processo de impeachment não teria chegado a esse ponto.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Partidos pressionam

Na reta final da votação do processo de impeachment, políticos admitem nos bastidores que as posições oficiais dos partidos têm pesado, especialmente pela ameaça de punição. Em ano eleitoral, o apoio do partido é crucial. Nas eleições de outubro próximo, quando doações de empresas a candidatos não serão mais permitidas, os políticos certamente contarão com o fundo partidário para fechar a conta da campanha eleitoral.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O deputado Nilson Leitão (PSDB-MT) afirma que Dilma mentiu e que os bancos públicos não podem bancar a 'festança' do PT.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Bruno Araújo (PSDB-PE) afirma que mesmo os mais céticos não tinham ideia do que ocorria no 'submundo do governo'. "A situação era pior do que se imaginava", diz.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Sem articulações

Apesar de ser contrário ao impeachment, o líder do Psol, deputado federal Chico Alencar (RJ), afirmou que não está participando das articulações de bastidores para atrair votos favoráveis à presidente Dilma. Ele disse apenas que "falou uma palavra" ao paranaense Aliel Machado (Rede Sustentabilidade), que estava indeciso sobre o voto. "A única coisa que fiz foi falar para ele o seguinte: não se afaste do campo progressista. E depois a gente viu que ele fez um voto muito franco e emocionado", disse Chico Alencar, em referência à posição do paranaense na comissão especial do impeachment, contrária ao parecer que recomendou a admissibilidade do pedido de impeachment.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Estradas liberadas

Chegou a nove o número de rodovias com registro de interdição nesta sexta-feira (15) em atos pró-governo realizados no Paraná. A maioria deles foi liderado por integrantes do Movimento Sem-Terra (MST). As seis manifestações realizadas em rodovias federais do estado foram encerradas por volta das 14h. Os três protestos em rodovias estaduais também foram finalizados próximo a este horário. Por isso, segundo PRF e PRE, não há mais interdições no momento.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Só no domingo

Ainda tem parlamentares que só vão declarar publicamente o voto ao microfone, no domingo. É o caso do deputado federal pelo Paraná João Arruda (PMDB). Ligado ao grupo do senador Roberto Requião (PMDB-PR), que não defende o impeachment, Arruda tem dito que a pressão partidária cresceu nos últimos dias e que "a posição do partido pesa". Ainda assim, repetiu ele, só vai declarar o voto no domingo.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) afirma que o processo de impeachment se deve apenas à incompetência do governo federal.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Reação da oposição

Deputados do Solidariedade, que estiveram nesta sexta-feira (15), com o vice-presidente Michel Temer no Palácio Jaburu, anunciaram que entrarão com uma ação civil pública no Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir que a presidente Dilma Rousseff faça pronunciamento em rede nacional de TV, previsto para esta noite.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Jutahy Junior (PSDB-BA) diz que o sonho que o PT vendeu nas eleições transformou-se em um escandaloso 'estelionato eleitoral'.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Carlos Sampaio (PSDB-SP) faz duras críticas ao governo, que classifica de 'desonesto'.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Glauber Braga (PSOL-RJ) fala que o PMDB quer levar o partido para a cúpula de todos os cargos: presidência da Câmara, Senado e presidência da República.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Pedido negado

Em sua fala, o ministro José Eduardo Cardozo, da Advocacia Geral da União, pediu para que a defesa da presidente Dilma pudesse se manifestar mais uma vez, após a leitura do relatório, no domingo. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) negou o pedido.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Pastor Eurico (PHS-PE) diz que Dilma também é vítima daquele movimento que está 'por trás' de tudo o que acontece no Brasil. Para o deputado, Dilma é a presidente, mas é marionete das pessoas que sucatearam o país.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Na sequência, é a vez do deputado Afonso Motta (PDT-RS), que lembra que seu partido é contrário ao pedido de impeachment. Ele também relembra momentos históricos da política brasileira, desde 1954 ao governo militar e a redemocratização do Brasil.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Mapeamento a todo momento

Tanto a oposição quanto aliados da presidente Dilma estão fazendo mapeamentos de votos dos deputados federais a todo momento. Segundo os dois grupos, há gente trabalhando permanentemente nisso.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Nova etapa

O primeiro deputado a falar na 'nova' sessão é Daniel Coelho (PSDB-PE). Ele diz que em 2011 começou o desrespeito ao orçamento e a Constituição e quanto dinheiro foi perdido desde então.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Esvaziamento do prédio principal

Enquanto a sessão corre no plenário da Câmara dos Deputados, nos corredores da Casa há uma rotina atípica. A partir de hoje, até o dia 21, servidores do Congresso Nacional não podem entrar no edifício principal, onde ficam os dois plenários - da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. Por lá, só circulam políticos e jornalistas. As galerias dos plenários também estão fechadas ao público externo.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Protesto na ala de gabinetes

A Polícia Legislativa registrou um pequeno incidente perto dos gabinetes dos deputados federais Sérgio Reis (PRB-SP) e Paulinho da Força (SD-SP). Uma pequena confusão teria começado a partir de uma aglomeração de servidores que seguravam cartazes contra o impeachment. Mais cedo, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, tinha reclamado de incidentes na Casa, sem entrar em detalhes.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Simbólico

O secretário Beto Mansur, que está presidindo a sessão agora, fez um encerramento da primeira etapa desta sessão na câmara, em que falaram os deputados do PMDB e PT, além de líderes dos partidos. Na sequência, ele já deu início à nova fase da sessão, que começou com a leitura de uma ata.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O deputado Jovair Arantes (PTB-GO), relator do processo de impeachment, está na tribuna para responder aos deputados petistas e dizer que foi escolhido relator por seus méritos, e não por indicação de Eduardo Cunha.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Movimento "nem, nem"

Aliados do Planalto reconhecem nos bastidores que a situação está difícil, mas garantem que o placar da oposição está "furado" e que nem todos os parlamentares que constam na lista de favoráveis ao impeachment vão de fato aparecer para votar no domingo. Eles alegam, ainda, que há um movimento que cresce na Câmara dos Deputados intitulado "nem, nem", e que pode ajudar a derrubar o impeachment. Parlamentares que não querem "nem" Dilma, "nem" Temer, estariam dispostos a registrar abstenção.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) diz que o dolo está do lado de quem acusa da presidente Dilma, que desrespeita os 54 milhões de brasileiros que votaram nela. Ele encerrou a participação do PT nessa sessão. Foram cinco deputados que falaram durante uma hora.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Trecho desbloqueado

Por volta das 13h30, foi liberado o trecho em São Miguel do Iguaçu, na BR-277, que estava bloqueado no km 704, com interdição total de pista na praça de pedágio. Aproximadamente 150 manifestantes do MST estavam no local.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Nas ruas

Veja fotos dos protestos contra o impeachment pelo país.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Antidemocrático

João Daniel (PT-SE) diz que o impeachment iria interromper a trajetória democrática do país.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Lula

Em vídeo, Lula diz que aprovação do impeachment vai agravar a crise no país.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

"Aumento no Bolsa Família"

Embora tenha negado ter tratado de cargos com Michel Temer na manhã de hoje, o deputado federal Paulinho da Força (SD) sustenta que o peemedebista já tem planos de "aumentar o Bolsa Família", "corroído pela inflação". "Não é verdade o que o PT fala, que o Temer vai acabar com o Bolsa Família, com o Pronatec, com o Minha Casa, Minha Vida. Pelo contrário", disse o aliado.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Dilma é honesta 2

'Dilma é uma pessoa que é limpa, que é honesta, que todo país conhece; a primeira mulher presidenta desse país', proclamou Benedita da Silva (PT-TJ). Para a deputada, irresponsabilidade é deixar tantas pessoas desempregadas por causa da crise política causada pelo processo de impeachment. Dilma avançou nas políticas sociais no país, disse, e tirá-la agora do governo seria um retrocesso.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Incidentes na ala de gabinetes

Em entrevista concedida agora há pouco no Salão Verde, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que houve "incidentes" em gabinetes. Ele negou detalhes à imprensa. Desde o começo da manhã, servidores reclamam da restrição de acesso em alguns espaços da Casa.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Café com Temer

Os 14 deputados federais do Solidariedade foram tomar café com Michel Temer (PMDB), vice-presidente da República, na manhã de hoje. Eles negam, contudo, que tenham ido tratar de cargos. "Isso é uma discussão que tem que ser feita só depois. Nós fomos só reafirmar a parceria. Aqueles que vão derrubar o governo Dilma têm obrigação de respaldar o governo Temer", disse o deputado federal Paulinho da Força.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Dilma é honesta

A oposição quer voltar ao poder por meio de uma conspiração, de um golpe, afirmou Paulo Teixeira (PT-SP). "Dilma é honesta, não foi citada na Operação Lava Jato, não cometeu crime de responsabilidade e menos ainda atentou contra a Constituição Federal; quem atenta contra a Constituição Federal é quem quer o impeachment".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Não vai ter golpe

Afonso Florence, líder do PT na Câmara, disse que não haverá 342 votos a favor do impeachment de Dilma. Os que defendem a cassação "não respeitam a vontade popular". Segundo ele, "o golpe não passará".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Voto

Aliado de Dilma, Picciani declara que bancada do PMDB é a favor do impeachment.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Deslize

Dilma, com certeza, não quis cometer um crime, acredita Altineu Côrtes (PMDB-RJ). É com tristeza que vou votar a favor do impeachment, porque o Brasil precisa andar. E a própria presidente já se declarou ser "carta fora do baralho".
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Em Brasília

O líder do Solidariedade, deputado federal Paulinho da Força (SD), acaba de anunciar no Salão Verde que o seu partido irá entrar às 14 horas com uma medida judicial para tentar impedir que a presidente Dilma faça pronunciamento na televisão. "Não queremos que ela use horário público para fazer propaganda de um governo que já acabou", atacou ele.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Sem saída

O país está "parado e regredindo" e precisa do impeachment para sair dessa situação, disse o deputado Júlio Cesar (PSD-PI).
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Protesto

Professores, juristas e membros do MP divulgam manifestos contra impeachment
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Joaquim Passarinho (PSD-PA) diz que não é o impeachment que está dividindo o país, mas um governo ruim.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Evandro Gussi (PV-SP) elogiou a retórica de José Eduardo Cardozo, mas disse que é preciso que Dilma saia da presidência e que ela e o PT estão tentando enfraquecer o Congresso.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Recapitulando 2

Depois, foi a vez de José Eduardo Cardozo, da Advocacia Geral da União (AGU), falar em defesa da presidente. Desde então, deputados se revezam na tribuna para discursar.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Trecho desbloqueado

Em Nova Laranjeiras, km 476 da BR-277, a pista foi liberada. Portanto, dos nove trechos bloqueados durante a manhã, quatro já foram liberados.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Em Brasília

A "guerra de números" continua no Salão Verde da Câmara dos Deputados, ao lado do plenário. O deputado federal Darcísio Perondi (PMDB-RS) disse que a oposição garante a vitória no domingo (17). "Nós temos 364 votos. Eles têm 127 e há 24 indecisos. Fazemos o placar todo dia. Às vezes ele aumenta, diminui. Mas isso bate mais ou menos com o placar da imprensa, que já apontou que a oposição tem mais do que os 342 necessários. E uma coisa é o político falar para a gente. Outra coisa é ele falar para a imprensa, que coloca lá a foto. Estamos muito animados", disse o peemedebista.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Recapitulando

A sessão na Câmara começou pouco antes das 9h. O primeiro a falar, foi Miguel Reale Júnior, um dos autores da denúncia contra a presidente Dilma Rousseff.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O deputado Bruno Covas (PSDB-SP) lembrou do caso Celso Daniel antes de afirmar que a presidente Dilma cometeu crime de responsabilidade fiscal, além das pedaladas.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Atualização Protestos PR

Paraná já chega ao registro de nove trechos interditados em manifestações contra o Impeachment. Três estão liberados. Veja quais ainda têm bloqueio: São Miguel do Iguaçu, na BR-277, km 704 (interdição total de pista na praça de pedágio); Jacarezinho, BR-153, km 01 (interdição total na praça de pedágio); Nova Laranjeiras, BR-277, no km 476 (interdição total); Cascavel, BR-277, no km 568 (cancelas liberadas); PRC-272, km 201, Mauá da Serra/ Ivaiporã; PR- 445, km1, Mauá da Serra/ Tamarana
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Em Brasília

Em entrevista agora há pouco no Salão Verde, o deputado federal Silvio Costa (PTdoB-PE) reafirmou que o governo federal "terá os votos necessários para barrar o impeachment". "Não vou discutir estratégia pela imprensa. A única coisa que eu posso dizer é que a oposição não terá 342 votos, ponto. Agora é evidente que eles vão dizer o tempo todo que eles têm. Mas o jogo só termina no apito final, quando começar o primeiro voto", disse ele, que encerrou a entrevista justificando que precisava "correr atrás de voto".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O deputado Antonio Imbassahy (PSDB-BA) está na tribuna e afirma que a presidente Dilma violou a constituição. "É necessário ressaltar que a presidente Dilma teve garantido o seu amplo direito de defesa e, apesar da insistência dos seus defensores, a legalidade do processo está ratificada pela suprema corte".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Professores, juristas e membros do MP divulgam manifestos contra impeachment.
André Gonçalves
André GonçalvesEditor de República

Acesso fechado ao Alvorada

Barreiras bloqueiam o acesso ao Palácio da Alvorada, nesta manhã. Residência presidencial é um dos principais pontos turísticos de Brasília.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Mudança

Agora, é a vez do PT usar sua hora na tribuna. O primeiro a falar é o deputado José Guimarães (CE), que diz que cada um dos deputados tem de ter um lado.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Em Brasília

Foram encerradas as inscrições individuais para discutir o pedido de impeachment contra a presidente Dilma na sessão de amanhã (16). Foram inscritos 79 deputados federais contrários ao afastamento da presidente do PT e 170 favoráveis. Os parlamentares inscritos terão três minutos, cada um, para falar. A estimativa é que a sessão siga entre 11 horas de sábado e 2 horas da madrugada de domingo. Ainda assim, há risco de parlamentares ficarem de fora. As informações são da Agência Câmara.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Em Brasília

Na entrevista que concedeu à imprensa na Câmara dos Deputados, o advogado geral da União, José Eduardo Cardozo, apontou pontos que considera positivos da decisão de ontem (14) do Supremo Tribunal Federal (STF), que negou por maioria as liminares buscadas pelo Planalto. Na visão de Cardozo, os ministros da Corte, durante o julgamento, sinalizaram que podem discutir o mérito do objeto do impeachment, ou seja, se os decretos e as pedaladas fiscais podem de fato ser qualificados como crime de responsabilidade. “O STF reconheceu a possibilidade de que situações de tipificação delituosa podem ser objeto de discussão no futuro. Eu achei isso muito importante”, disse Cardozo. “Eu vi que as notícias de hoje, talvez pelo avançado da hora do julgamento no STF ontem, não expressaram tudo que foi decidido. Embora o STF não tenha acolhido as liminares, a defesa teve importantes vitórias”, afirma ele.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputado Manoel Junior (PB) diz que a constituição determina que nos crimes de responsabilidade o presidente da república possa ser impedido. "O Brasil já o fez em passado recente", lembra.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
A deputada Soraya Santos (PMDB-RJ) condenou as "paralisações de transportes e arruaças". Ela disse que é momento de construir pontes, inclusive com as pessoas que pensam de forma diferente. Ela também parabenizou o deputado Jovair Rodrigues pelo "excelente relatório'.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Protesto no aeroporto de Brasília

Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Protestos no domingo

O domingo (17) será de protestos em todo o país, com manifestações contra e a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). No Paraná, sete cidades estão programando protestos. Saiba quais são.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O paranaense Osmar Serraglio (PMDB) diz que não houve atitude de vingança de Eduardo Cunha ao aceitar a denúncia que deu origem a esse processo de impeachment, mas sim benevolência, já que ele tinha recusado tantas outras.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

MST: atos em 9 estados

O MST informou na manhã desta sexta-feira (15) que iniciou protestos em nove Estados do país contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff. De acordo com nota publicada pela organização, nos Estados do Paraná, Alagoas, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Minas Gerais, Piauí, Pará, Sergipe e Distrito Federal já houve bloqueio de estradas e protestos em áreas urbanas. O lema das manifestações é "Golpe aqui não passa! Reforma Agrária Já!".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Reação

A presidente Dilma Rousseff (PT) fará um pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV a partir das 20h desta sexta-feira (15), para pedir apoio contra o seu processo de impeachment. As informações são da Folha de S. Paulo.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Depois de Picciani, Lelo Coimbra (PMDB-ES) começou a falar. Ele faz duras críticas ao governo. "A presidente Dilma arruinou a economia brasileira".
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Bastidores

A imprensa "monta acampamento" no Salão Verde, durante sessão da Câmara dos Deputados.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Protestos pelo Brasil

Bloqueios em rodovias por manifestantes pró-Dilma já foram registrados em quatro estados: Paraná, São Paulo, Bahia e Espírito Santo. Paraná segue com quatro trechos interditados: São Miguel do Iguaçu (BR 277, km 704); Jacarezinho (BR 153, km 01); Nova Laranjeiras, (BR 277, km 476); Cascavel (BR-277, km 569).
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Em Brasília

Gramado vazio em frente ao Congresso Nacional, espaço que deve ser ocupado a partir de sábado.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Picciani orientou a bancada do partido a votar a favor do impeachment, embora ele pessoalmente tenha afirmado que votará contra. Ele diz que faltou a grandeza tanto de governo quanto de oposição para se abrirem ao diálogo logo após as eleições. "O país não passa por um bom momento, mas cabe a nós agora encontrarmos propostas, caminhos e diálogo para chegarmos a dias melhores".
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Em Brasília

Em entrevista a jornalistas agora pela manhã, na Câmara dos Deputados, o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, negou "abatimento" de aliados: "Eu não vi isso. Pelo contrário. Há um clima muito positivo".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O primeiro partido a falar é o PMDB. O líder da bancada, deputado Leonardo Picciani (RJ) começa sua fala agradecendo a maturidade dos colegas de partido.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Partidos

A partir de agora, cada partido terá uma hora para falar. Caso desejem, os parlamentares podem se alternar na tribuna.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Protestos em São Paulo

Em São Paulo, uma série de protestos contra o impeachment de Dilma fechou vias e fez o trânsito bater recorde na manhã desta sexta-feira (15) em São Paulo. As informações são da agência Folhapress. Segundo Companhia de Engenharia de Tráfego, o índice recorde de congestionamento na capital paulista se deu às 9h, com 183 km de vias com lentidão. A marca anterior havia sido 177 km, em 11 de março, quando houve chuvas e alagamentos na cidade.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Inscrições encerradas

Cunha encerrou, às 11h, as inscrições dos deputados que querem falar no sábado, conforme estava previsto.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Trecho desbloqueado

Segundo concessionária, trecho do km 294 da BR-376, entre Curitiba e o interior do Paraná, foi liberado pelos manifestantes.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O paranaense Takayama (PSC) diz que se encantou com o discurso da esquerda, quando iniciou a sua vida política. "Sou a favor, hoje, do impeachment, por uma razão muito clara: não podemos conviver com o que está acontecendo, com um discurso do PT ao contrário do que está acontecendo".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O paranaense Sperafico cedeu espaço para o deputado Renato Molling (PP-RS), que afirmou que precisamos de partidos e políticos sérios. Ele ainda disse acreditar em Michel Temer para comandar o país. "Como é um homem de muito diálogo, tenho certeza que vai conseguir fazer isso".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Dilceu Sperafico (PP-PR) diz que precisamos de um novo governo que realmente olhe e se esforce para resolver os problemas do nosso país. "A nossa economia só vai tomar um novo rumo se nós tivermos um novo governo. O governo que está aí já não existe mais, só está se preocupando com a manutenção do poder e nós precisamos de solução para os nossos problemas".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Em Brasília

Cerca de 30 manifestantes da CUT, MST, Sindicato dos Rodoviários de Campinas recepcionam com gritos de guerra os deputados que desembarcam no aeroporto de Brasília. Entoam o coro de "não vai ter golpe" e fazem provocações ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Segundo os manifestantes, é um "esquenta" para o protesto em frente ao Congresso. Eles pretendem reunir até 100 mil pessoas no domingo. O acampamento já começou, no estacionamento do Estádio Nacional. As informações são de André Gonçalves.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Ronaldo Nogueira (PTB-RS) afirma que nenhum instrumento legítimo da justiça foi negado a presidente Dilma. "Devemos reafirmar a importância das nossas instituições na consolidação da nossa democracia".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Alex Manente (PPS-SP) diz que esse é um momento histórico, talvez o mais importante das últimas décadas, onde a Câmara poderá se posicionar sobre um assunto que há meses incomoda a população, que clama por mudanças.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Atualização Protestos PR

Segundo a PRF, já chega a seis os trechos de rodovias com bloqueio registrado nesta sexta por manifestantes pró-Dilma: 1-Curitiba (BR 277, quilômetro 100, já liberado); 2) Nova Laranjeiras (BR 277, quilômetro 476, interdição total); 3) Jacarezinho (BR 153, quilômetro 1, interdição total); 4) Cascavel (BR 277, quilômetro 568, cancelas abertas); 5) São Miguel do Iguaçu (BR 277, quilômetro 704, bloqueio total, alternado com liberações intermitentes); 6) Mauá da Serra (BR 376, quilômetro 295, interdição total).
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Ato falho

Deputado Paulo Foletto (PSB-ES) se equivocou durante a sua fala e afirmou que o "golpe está previsto na constituição", mas se corrigiu logo na sequência.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Paulo Foletto (PSB-ES) fez dez segundos de silêncio antes de começar a falar e disse que isso representa o silêncio na economia, que caminha para a morte; na saúde, que vitimiza tantos brasileiros; da educação, que não foi a pátria educadora prometida; da infraestrutura, que não tem dinheiro pra tapar buraco de estrada no próximo ano. "Esse é o silêncio a que o povo brasileiro não vai se submeter, porque não quer mais esse governo", diz.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O paranaense Diego Garcia (PHS) afirma que não tem dúvidas dos crimes do governo, mas tem a convicção do que vê quando visita o Paraná e observa as pessoas sofrendo e pagando a conta de tanta corrupção."Precisamos dar uma resposta a milhares de pessoas que anseiam e esperam a nossa posição neste domingo. Não tive meu voto comprado e meu voto não tem preço, mas tive consciência desde o primeiro momento que seria favorável a esse processo", diz.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA) diz que se tivesse o mínimo de critério, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) se declararia impedido de presidir a sessão e votar no processo, já que é grande beneficiário do 'golpe'.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputado Ivan Valente (PSOL-SP) diz que não há crime de responsabilidade fiscal, mas um grande álibi para expulsar a presidente para que os brasileiros paguem ainda mais. Ele também diz que 'ninguém gosta de Temer' e que está sendo feito um 'golpe institucional'.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputado Pauderney Avelino (DEM-AM) diz que precisamos reunir os brasileiros para que juntos possamos conseguir resolver a crise que o governo da presidente Dilma trouxe ao país.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
O deputado Augusto Coutinho (SD-PE) começa a falar. "O impeachment não é golpe, é uma obrigação republicana para afastar governantes que cometem crimes como a presidente Dilma cometeu", diz.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Deputado Weverton Rocha (PDT-MA) começa a falar. Ele propôs uma ação ao STF questionando a ordem de votação estabelecida por Eduardo Cunha. Ele afirma que a posição dos deputados que votarão contra o impeachment é de defesa da democracia e, embora delicada, é importante que marquem o posicionamento. "A solução para a crise econômica do país não é destituir um presidente democraticamente eleito", diz.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

História

Na sequência, o deputado Luiz Sérgio (PT-RJ) diz que "tudo passa, mas a história fica" e questiona os colegas sobre o lado em que cada um ficará. Ele lembra a votação de Dilma nas urnas e questiona se, aquele que não foi legitimado nas urnas, terá autoridade para comandar o país.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Vingança

Zé Geraldo afirma que Eduardo Cunha só aceitou a denúncia e instaurou o processo de impeachment contra a presidente Dilma como forma de vingança contra o PT, porque o partido não o apoiou quando ele foi denunciado ao Conselho de Ética da Casa.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Deputados começam a falar

O primeiro deputado a falar é Zé Geraldo (PT-PA). Ele diz que esse domingo deverá ser o pior domingo da sua vida, porque "estaremos em um processo de impeachment que além de ilegal, é imoral".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Fim da defesa

Cardozo encerrou seu discurso dizendo que não aceitar o impeachment é respeitar o estado democrático de direito e não forçar uma ruptura institucional desnecessária. Ao encerrar seu discurso, foram ouvidos gritos de "não vai ter golpe" no plenário.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Golpe?

"O impeachment é uma medida excepcionalíssima e só pode acontecer em casos graves. Meras questões contábeis, feitas por todos os governos, federal, estadual e municipal, e respaldada por órgãos técnicos, não pode ser usada como motivo para impeachment. Isso é golpe", diz Cardozo. Ele foi vaiado por parte dos presentes no plenário e Eduardo Cunha voltou a pedir ordem e afirmou que vai prorrogar o tempo de fala do ministro.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Cardozo questiona se, em um país em que há uma operação tão grande quanto a Lava Jato, em que muitos políticos são investigados e há pouca punição, teremos uma presidente afastada por questões contábeis que não teriam tanta relevância. A foto é de Alex Ferreira / Câmara dos Deputados.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Em Brasília

O deputado federal pelo Paraná Nelson Meurer, do PP, disse em entrevista à Gazeta do Povo agora há pouco no Salão Verde que, se o partido "fechar questão" sobre o voto a favor do impeachment, ele deverá mudar de posição. Até então, Meurer se colocava contra o impeachment. Ele afirma, contudo, que, sob ameaça de punição e às vésperas das eleições municipais, não há como não seguir a orientação partidária. O PP se reúne às 17 horas para deliberar se fecha questão ou se libera seus parlamentares para votarem da forma que preferirem.
Catarina Scortecci
Catarina ScortecciCorrespondente em Brasília

Em Brasília

Bom dia. Um esquema especial de segurança montado no Congresso Nacional restringiu o acesso até de funcionários da Casa a alguns espaços. O Salão Verde, por exemplo, ao lado do plenário da Câmara dos Deputados, está aberto apenas para a imprensa credenciada especialmente para a cobertura do processo de impeachment.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Cardozo reforça que não houve crime de responsabilidade, que só se configuraria com má fé, e questiona onde está o dolo. Ele também argumenta que não houve descumprimento das metas fiscais, que foram inclusive alteradas no período.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Protestos no PR 2

Em Cascavel, protesto ocorre no pedágio. Cancelas foram liberadas, segundo atestou a reportagem no local. Cerca de 500 manifestantes participam do ato.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Protestos no PR

Fora o protesto que bloqueou a 277 (interior) em Curitiba hoje cedo, atos ocorrem em ao menos outros três trechos de rodovias do estado: BR-153, km 1, em Jacarezinho; BR-277, km 569, em Cascavel; e em Nova Laranjeiras, no trevo de Quedas do Iguaçu, no km 476 da BR-277. Interdição total em todos os trechos.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Cardozo eleva o tom em sua defesa. "Ameaça, retaliação, não é fator decisório para afastar o presidente da república", afirmou.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Lembrança

Cardozo começou sua defesa citando Ulysses Guimarães: "Quando se tira o voto ao povo, o povo é expelido do centro para a periferia da história, perde o pão e a liberdade". Na sequência, ele afirmou que o relatório não sobrevive a uma simples análise e que o processo ainda é passível de anulação.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Esclarecimento

Antes de começar a defesa de Dilma, José Eduardo Cardozo faz um esclarecimento e lembra que o STF delimitou o objeto de discussão na Câmara: os créditos suplementares de 2015 e operações do Plano Safra de 2015. Ele lembra que o que será votado é o relatório e não a denúncia.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Ordem

Eduardo Cunha pede ordem no plenário. O presidente da casa pede que os deputados respeitem os oradores e se mantenham em silêncio. Também pede que ninguém fique atrás dos oradores enquanto eles falam.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Lei

Ao fim da fala de Reale Júnior, era possível ouvir deputados gritando que "ninguém está acima da lei".
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
"Vossas excelências são os libertadores dessa prisão em que vivemos. Senhores deputados, os senhores são os nossos libertadores". Essa foi a conclusão de Miguel Reale Júnior para o seu discurso. Ele ainda tinha 11 minutos para falar e voltou a discursar.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Em seu discurso, Reale Júnior diz que essas ações do governo prejudicaram a população mais pobre do Brasil.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Mais grave

Reale Júnior também questionou os deputados sobre qual crime seria mais grave: um presidente que "põe determinada quantia em seu bolso" ou um presidente que "por causa da ganância pelo poder" não vê limites para destruir a economia brasileira.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Contra Dilma

Em sua fala, Miguel Reale Júnior afirma que houve golpe, sim, em relação às pedaladas fiscais. "As pedaladas não se constituem em mero problema contábil. Isso foi um recurso usado maliciosamente para esconder da nação o estado falimentar do tesouro", disse.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Antes da discussão

Dois dos autores da denúncia contra Dilma, Miguel Reale Júnior e Janaína Paschoal, terão 25 minutos para expor o pedido de impeachment da presidente Dilma. Na sequência, é a vez da defesa de Dilma, que será feita pelo ministro da Advocacia Geral da União, José Eduardo Cardozo. Só então a discussão será repassada para os deputados. Cada legenda terá uma hora para expor seu ponto de vista. Em todas as sessões os líderes poderão usar da palavra de 3 a 10 minutos, de acordo com o tamanho das bancadas.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Como vai funcionar

Apesar de a fila de deputados já estar grande nesta sexta, a fala dos que nela estão só ocorrerá no sábado. Somente neste dia os 513 deputados terão a oportunidade de falar por três minutos de acordo com a ordem de inscrição feita nesta manhã. A lista será encerrada às 11h. Caso todos se inscrevam, serão mais de 25 horas de debates. Nesta sexta, participarão apenas os representantes indicados pelos 25 partidos.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Separação dos deputados

Os favoráveis ao impeachment entraram pela porta principal, enquanto os contrários ficaram na porta privativa dos deputados. Há uma lista de inscrição em cada local de acordo com a posição do deputado.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Primeiros a chegar

O primeiro deputado a chegar foi o petista Jorge Solla (BA). Ele diz que chegou às 6 horas da manhã e que fez o esforço para garantir a possibilidade de se expressar sobre o que chama de “golpe”. "Fui o primeiro a chegar porque quero garantir minha oportunidade de expressar minha posição contra o golpe. Vim cedo porque pode ser que parte dos oradores da lista não consiga falar", disse Solla. Vanderlei Macris (PSDB-SP) foi o primeiro oposicionista. Ele chegou às 6h45, quando já haviam sete governistas, e ouviu piadas dos adversários. "Eles ficaram brincando comigo que iam ganhar porque já estava 7 a 1 na fila", conta o tucano. (Informações Agência O Globo)
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Começou

Deputados já estão no plenário da Câmara e vão começar a discussão sobre o processo de impeachment.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

Salvador

Em Salvador, ao menos 2.700 ônibus urbanos não deixaram as garagens das empresas devido a um ato em apoio à presidente Dilma, nesta madrugada.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo

São Paulo

Em São Paulo, um grupo fechou a Rodovia dos Imigrantes, na chegada à cidade. Membros da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) se mobilizaram na Ponte das Bandeiras e, na Zona Sul, um grupo bloqueia os dois sentidos da avenida Cupecê, próximo à avenida Rodrigues Montemor, na região do Jabaquara.
Gazeta do Povo
Gazeta do PovoGazeta do Povo
Bom dia! Começamos agora a cobertura em tempo real da sessão da Câmara dos Deputados que dá início a votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). Nesta sexta-feira (15), também há protestos pró-Dilma em várias partes do país.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]