i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
legislativo

Câmara afrouxa lei e permite políticos no comando de estatais

Deputados aprovaram a chamada Lei de Responsabilidade das Estatais flexibilizando o projeto original que proibia filiados a partidos serem indicados para direção das empresas públicas

    • Folhapress Web
    • 15/06/2016 08:25
    Plenário da Câmara: deputados dobraram o porcentual de dinheiro que as estatais podem investir em propaganda. | Luís Macedo/Câmara dos Deputados
    Plenário da Câmara: deputados dobraram o porcentual de dinheiro que as estatais podem investir em propaganda.| Foto: Luís Macedo/Câmara dos Deputados

    O plenário da Câmara dos Deputados aprovou na madrugada desta quarta-feira (15) o projeto de lei que estabelece novas regras de administração das empresas estatais com o objetivo, segundo seus defensores, de aperfeiçoar a gestão e a transparência de empresas públicas e sociedades de economia mista. Mas os deputados afrouxaram as regras para permitir que políticos possam ocupar cargos de direção nas empresas públicas, o que era proibido pelo projeto original. A votação da chamada Lei de Responsabilidade das Estatais foi simbólica, sem registro nominal de votos. Como foi modificado, o texto volta para nova análise no Senado.

    Os deputados derrubaram a proibição do texto do Senado de que pessoas com atuação em direção partidária ou que tenham participado de eleições nos 36 meses anteriores (3 anos) pudessem ser indicados para o conselho de administração e diretorias das estatais.

    Experiência comprovada

    O governo de Michel Temer trabalhava ainda para alterar a determinação de que, no mínimo, 25% dos membros do conselho de administração das estatais sejam independentes, ou seja, que não tenham vínculo com a empresa ou com a sociedade de economia mista. Esse índice caiu para 20%.

    O projeto também determina que os presidentes dos conselhos de administração e diretores das empresas devem comprovar experiência profissional mínima de 10 anos no setor de atuação da empresa ou experiência mínima de quatro anos em cargos de direção ou chefia superior. O texto da Câmara abre a possibilidade de profissionais liberais também ocuparem esses cargos, mediante tempo mínimo de atuação.

    Mais propaganda

    O texto da Câmara amplia ainda a possibilidade de publicidade e patrocínio das empresas públicas e da sociedade de economia mista, de 0,5% da receita operacional bruta do exercício anterior para 1%.

    As normas definidas pelo projeto deverão ser aplicadas a toda e qualquer empresa pública e sociedade de economia mista da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios com receita operacional superior a R$ 90 milhões.

    Sem nomeações

    Temer chegou a dizer que não faria mais nenhuma nomeação para as estatais até a aprovação do projeto. No último dia 9, porém, o aliado do ministro Gilberto Kassab (Comunicações) e presidente nacional em exercício do PSD, Guilherme Campos, foi nomeado para a presidência dos Correios. Campos não integra o quadro de funcionários da empresa. O Palácio do Planalto afirmou que o presidente interino não descumpriu a promessa pois assinou a nomeação no mês anterior.

    Críticas da oposição

    A Lei de Responsabilidade das Estatais foi classificada pelos partidos de oposição como o ponto de partida para a privatização dessas empresas.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.