Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Sem o apoio oficial da maior parte dos partidos nem do Palácio do Planalto, os deputados federais Aldo Rebelo (PCdoB-SP) e Ciro Nogueira (PP-PI), que disputam a presidência da Câmara, trabalham juntos para reverter a vantagem do peemedebista Michel Temer (SP) – apontado como favorito e o nome escolhido pelo governo federal. Aldo e Ciro, reunidos durante quase todo o dia de ontem, agendaram encontros com líderes de partidos políticos que estarão em Brasília durante o período de recesso, que vai até o fim deste mês.

No encontro, os dois deputados avaliaram a possibilidade de o PDT trocar o apoio ao candidato do PCdoB por Temer. Na segunda-feira, Temer disse que o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, uma das principais lideranças pedetistas, indicou que a sigla deverá ficar ao seu lado. "O que acontece com o PDT ocorreu em todos os partidos que apoiaram Temer. Não foi uma decisão das bancadas, foi uma decisão de cúpula. Nós temos consciência que na hora da votação esse apoio não vai se refletir em votos’’, disse Ciro.

Os dois deputados reavaliaram o cenário e afirmam que o desenrolar da briga pela sucessão no Senado terá impacto direto na batalha pelo comando da Câmara. "O PT não vai abrir mão das duas Casas. Agora, o que não sabemos é se uma eventual traição dos petistas vai beneficiar a campanha do Aldo ou a minha’’, afirmou o deputado do PP. Em meio às articulações, Ciro e Aldo continuam acreditando que a eleição para a presidência da Câmara, marcada para 2 de fevereiro, será decidida em segundo turno. Nos bastidores, os dois deputados trabalham para obter 108 votos de parlamentares do PP, PC do B, PSB, PRB e PMN.

Temer, por enquanto, é o favorito. Ele montou um "blocão", que conta com o apoio do governo federal e dos três principais partidos de oposição – PSDB, DEM e PPS. Para atrair essas legendas, Temer vem fazendo o loteamento dos 11 cargos da Mesa Executiva. O PT ficará com a primeira vice-presidência, o DEM com a segunda vice (que tem a tutela da corregedoria-geral da Câmara) e o PSDB, com a primeira secretaria (responsável pelas licitações da Casa).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]