Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Advogado-geral da União também fez discurso na Câmara | Alex Ferreira/Câmara dos Deputados
Advogado-geral da União também fez discurso na Câmara| Foto: Alex Ferreira/Câmara dos Deputados

Em tom inflamado, o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, mirou na manhã desta sexta-feira (15), em seu discurso de defesa de Dilma Rousseff, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que, segundo ele, promoveu um ato “nulo” e “viciado” ao autorizar a tramitação do impeachment.

“Esse processo de impeachment, se aprovado por essa Casa, provocará uma ruptura institucional e uma violência sem par. (...) Esse processo teve início em um ato viciado, um ato nulo, um ato do presidente da Casa, em retaliação ao fato de o PT ter negado votos contra a abertura ao seu processo de cassação pelo Conselho de Ética. Essa retaliação viciou esse ato”, discursou Cardozo, sob aplausos de petistas e governistas.

Câmara faz sessão para votar impeachment e protestos se espalham pelo país; acompanhe

Deputados são os “nossos libertadores”, diz autor de pedido de impeachment

Leia a matéria completa

Cunha preside na manhã desta sexta a sessão de votação do impeachment de Dilma, que será concluída no domingo (17).

Em dezembro, o peemedebista autorizou a tramitação do pedido após fracassar negociação de bastidor com o PT para assegurar votos contra seu processo de cassação. Cunha responde no Conselho de Ética por ter afirmado, em depoimento à CPI da Petrobras, não ter contas no exterior. Posteriormente vieram à tona documentos de contas vinculadas a ele na Suíça.

Segundo Cardozo, houve “chantagem explícita” nas motivações que levaram Cunha a autorizar o andamento do pedido.

“Chantagem só tem uma qualificação, desvio de poder. (...) A decisão foi tomada a partir de uma ameaça clara, se trata do uso de uma competência legal, viciada, ofensiva. É nula a abertura desse impeachment, houve uma violência a lei. Ameaça e retaliação não são fatores decisórios para afastar um presidente da República”, acrescentou Cardozo, em tom inflamado.

Golpe

O advogado-geral da União, que falou por 25 minutos, voltou a sinalizar que o governo pretende novamente recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) alegando cerceamento de defesa. Ele pediu a Cunha -e ainda não obteve resposta- direito a fazer nova manifestação em defesa do governo no domingo.

Cardozo repetiu os argumentos apresentados na comissão especial do impeachment de que Dilma não cometeu crime de responsabilidade ao liberar créditos suplementares sem autorização do Congresso e nas chamadas “pedaladas fiscais” -empréstimos de bancos federais para pagamento de despesas do Tesouro.

Cardozo pede para que defesa fale novamente após discurso do relator

Estadão Conteúdo

O ministro-chefe da Advocacia Geral da União (AGU) pediu nesta sexta-feira que a defesa da presidente Dilma Rousseff possa falar novamente no plenário da Câmara após o discurso do relator do processo de impeachment da petista, deputado Jovair Arantes (PTB-GO). “A defesa é sempre a última a falar”, defendeu no início de sua fala.

O advogado-geral chegou a ironizar um dos pontos do relatório contra Dilma, que cita conversa dela com o então secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, como indicativo de ciência da presidente de irregularidades. “Ó diálogo sinistro, capaz de violentar uma Constituição”, disse o ministro.

“Isso é golpe, é golpe”, repetiu Cardozo, afirmando que “a história jamais perdoará aqueles que romperam com a democracia”

O advogado-geral também replicou discurso do governo e do PT de que o vice-presidente Michel Temer (PMDB) não terá legitimidade caso assuma o poder.

“Qualquer governo que venha nascer de ruptura institucional não terá legitimidade para governar perante à sociedade. E mais cedo ou mais tarde isso será cobrado.”

Ao concluir, Cardozo gesticulava bastante, falando em voz alta.

“Eu quero concluir dizendo que é evidente que dentro desses fatos denunciados não há ilícito, não há dolo, e se essa Casa vier a seguir outro caminho, estará revelando um descompromisso profundo com a democracia. (...) Peço a rejeição da denúncia em nome da senhora presidenta da República, na defesa de seu mandado, na defesa do direito, na defesa da democracia, e na defesa do povo brasileiro, que merece respeito, que merece que seu voto seja respeitado.”

O fim da fala foi acompanhada de gritos de “não vai ter golpe”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]