i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Indicação

Carvalho diz que é Dilma quem escolhe os ministros

O ministro afirmou ainda que o governo buscará aproximação com todo o PDT

  • PorFolhapress
  • 01/05/2012 13:25

O ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) afirmou nesta terça-feira (1º), ao comentar o anúncio feito nesta segunda (30) do nome do deputado Brizola Neto (PDT) para o Ministério do Trabalho, que quem escolhe o ministro de Estado é a presidente Dilma Rousseff.

A pasta era comandada interinamente por Paulo Roberto Santos Pinto desde dezembro do ano passado, quando o ex-ministro Carlos Lupi deixou o cargo em meio a denúncias de irregularidades.O convite a Brizola Neto foi feito pessoalmente pela presidente, e sua indicação não era unanimidade no PDT. O deputado e Dilma se reuniram por mais de meia hora. Ele foi recebido no Planalto logo após reunião da presidente com o próprio Lupi, que é presidente do PDT, e o ministro Gilberto Carvalho.

"Quem escolhe o ministro de Estado é a presidente. O que ela fez foi informar o ex-ministro Lupi, presidente do PDT, essa decisão. Ela não fez uma consulta", disse Carvalho.

O ministro afirmou ainda que o governo buscará aproximação com todo o PDT. "Não acredito em racha [do PDT]. É uma bancada que nós respeitamos e faremos de tudo para que cada vez mais ela esteja próxima de nossa base." Carvalho reiterou que não houve estranhamento com Lupi. "Lupi não foi agressivo, pelo contrário, foi gentil."

IR e Bancos

O ministro disse que o governo aceitou fazer a discussão para isenção do IR (Imposto de Renda) sobre o lucro das empresas. "Está faltando só o entendimento em torno do método e da cifra. As centrais [sindicais] vão a Brasília na quinta para poder acertar isso. Esperamos até quinta poder resolver essa questão."

Carvalho também comentou a declaração de Dilma na segunda, feita durante pronunciamento em cadeia nacional de rádio e televisão, em que ela cobrou dos bancos privados a redução mais contundente das taxas de juros.

A presidente afirmou que não há como explicar os patamares praticados e que o setor financeiro "não tem como explicar essa lógica perversa aos brasileiros". "É inadmissível que o Brasil, que tem um dos sistemas financeiros mais sólidos e lucrativos, continue com um dos juros mais altos do mundo. Esses valores não podem continuar tão altos. O Brasil de hoje não justifica isso", disse Dilma."Há o empenho e a determinação da presidente em reduzir o custo do financiamento, mas não se trata de guerra contra ninguém", explicou o ministro.Carvalho participou nesta terça das comemorações do Primeiro de Maio em São Paulo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.