i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
celso nascimento

“Herança Derosso” custa mais que sede nova da Câmara

  • PorCelso Nascimento
  • 06/05/2016 21:30

A Câmara Municipal de Curitiba começa a decidir a partir de segunda-feira (9), com votação definitiva já na quarta (11), o projeto da comissão executiva que devolve os R$ 54 milhões que os vereadores economizaram durante anos para construir um novo edifício-sede. A grana vai fazer bem para as combalidas finanças do prefeito Gustavo Fruet (PDT), mas o projeto original contém uma condicionante: para ter o dinheiro, o prefeito deve assinar compromisso de iniciar as obras do prédio em dois anos.

De olho na reeleição, porém, alguns vereadores apresentaram substitutivo que retira esta condição e torna o projeto mais palatável à opinião pública (e aos eleitores, claro), e pelo qual a Câmara desiste da nova sede e libera a prefeitura para gastar o dinheiro em saúde, educação, transportes, asfalto, segurança... De preferência em seus respectivos redutos eleitorais e em objetos definidos por eles.

A polêmica será decidida pelo voto nesta questão do prédio – que a comissão executiva considera essencial, já que as atuais instalações são inseguras (caso do centenário edifício da Barão do Rio Branco, onde funciona o plenário) ou são insalubres e insuficientes para abrigar as estruturas de gabinete dos 38 vereadores e das áreas administrativas.

Este, porém, na visão do presidente da Casa, Ailton Araújo (PSC), chega a ser um problema menor frente a todas as outras históricas distorções, grande parte delas herdada da longa presidência do ex-presidente João Cláudio Derosso, que ocupou o cargo por 15 sucessivos anos. Tais distorções, quando vistas no conjunto e a médio prazo, custam aos contribuintes mais que o prédio novo.

Professor conhecido pela disciplina rígida que impunha às escolas em que foi diretor, Araújo encontra dificuldades para “domar” alguns feudos internos da Câmara que facilitaram a criação de privilégios. Caso, por exemplo, dos inúmeros funcionários de carreira cujos salários chegariam a R$ 42 mil mensais se não fossem limitados pelo redutor que os impede de ganhar mais do que o subsídio de R$ 25 mil pago ao prefeito e não reajustado desde 2013.

Complacente 1

Conhecido consultor sobre gestão pública saiu-se com uma pérola, anos atrás, numa palestra a alguns governantes preocupados com a própria imagem. Dizia ele: “Quando um governo vai mal, a primeira medida do governante é culpar sua assessoria de imprensa, como se ela fosse um hímen complacente por onde podem passar, sem resistência, todas as culpas e erros cometidos pelo próprio gestor”.

Complacente 2

Esta lembrança tem uma motivação: na semana passada o governador Beto Richa exonerou o jornalista Paulino Viapiana, secretário de Comunicação Social. É o segundo a tomar o mesmo destino – antes dele, outro jornalista, Marcelo Cattani, em março de 2015, se demitiu quando a imagem de Richa já despencava em razão da crise com o professorado. Viapiana foi chamado a sucedê-lo na vã esperança de que pudesse operar o milagre da transubstanciação da espécie.

Complacente 3

Como a reconhecida competência de Viapiana foi insuficiente para fazer a mágica, Richa decidiu tentar uma terceira opção, entregando o comando da SECS ao comunicador Marcio Vilela, ex-presidente da Associação das Emissoras de Radiodifusão do Paraná. Meio-irmão de dona Arlete, mãe de Beto Richa, o “meio tio” é a nova bola da vez, talvez a penúltima.

Complacente 4

Caberá a ele apagar da memória coletiva dos paranaenses o registro de um evento trágico – a já histórica batalha do Centro Cívico. Em futuras eleições em que Richa se candidatar, as imagens da refrega, que fez 213 feridos, certamente tenderão a suplantar no imaginário popular qualquer propaganda sobre o êxito da recuperação das finanças estaduais – este sim um milagre que o governador deve a um santo que não sabe se comunicar – o São Mauro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.