i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Nas curvas da ferrovia Curitiba-Paranaguá

  • PorCelso Nascimento
  • 26/12/2016 23:01

Quando os irmãos engenheiros André e Antonio Rebouças projetaram a ferrovia Curitiba-Paranaguá não poderiam imaginar que, 130 anos depois, ela seria pomo da discórdia entre a empresa que atualmente explora o trecho e autoridades culturais e ambientais. Tudo por causa de uma obra simples que, se executada, poderá duplicar o tráfego, a velocidade dos trens e a capacidade de carga da velha ferrovia.

Trata-se de uma curva próxima à histórica ponte São João que precisa ser retificada. Com o raio ampliado, poderão ser usadas locomotivas mais modernas, mais possantes e mais rápidas – já compradas pela concessionária e atualmente operando no transporte de açúcar entre o interior de São Paulo e o Porto de Santos.

A autorização para a realização da obra foi requerida pela concessionária Rumo há um ano ao Conselho Estadual de Cultura, que não põe maiores obstáculos mas exige uma contrapartida: que a Rumo faça a restauração da Casa de Pedra, uma secular construção situada à beira da Estrada da Graciosa, em Quatro Barras. Abandonada há muitos anos, restaurá-la não custaria, talvez, mais do que alguns dias de operação da ferrovia modernizada numa extensão de apenas 120 metros.

Mas... como não há compromisso com a restauração da Casa da Pedra, também não sai autorização para a reengenharia da curva da ferrovia!

No tempo dos Rebouças, não havia tanta preocupação com meio ambiente ou com o patrimônio histórico. Rasgou-se a ferrovia em poucos anos (sem a participação da Odebrecht e, ao que se sabe, sem propinas!). E hoje a própria ferrovia virou patrimônio histórico e o meio ambiente segue forte e lindo, como atestam turistas do mundo inteiro que fazem a viagem. Agora, porém, a necessidade de corte de seis árvores no local da curva certamente demandará mais um custoso processo junto ao Ibama.

Isto não é novidade no Brasil. As obras do túnel rodoviário em Camboriú ficaram paradas por mais de ano porque ameaçavam uma espécie de perereca em extinção. Um trecho de 30 km da Régis Bittencourt, que liga Curitiba a São Paulo, não podia ser duplicado na altura da Serra do Cafezal porque papagaios habitavam o lugar, enquanto centenas de pessoas morriam em acidentes; com a estrada volta e meia fechada, impedia-se o tráfego de passageiros e cargas.

É evidente que medidas compensatórias precisam ser tomadas cada vez que a fauna, a flora e o patrimônio histórico ficarem sob ameaça. Não se quer a extinção de espécies de animais, nem que se destrua irremediavelmente a vegetação. Mas o bom senso deve levar os agentes privados e públicos a entender que mais importante é preservar vidas humanas; e que o desenvolvimento econômico, equilibrado entre os fatores, também não pode ser contido.

Assim, restaurar a Casa de Pedra e retificar a curva do São João são coisas possíveis, necessárias, não excludentes e benéficas para a sociedade. Em poucos anos, o transporte de mercadorias na ida-e-volta entre Curitiba e Paranaguá pode saltar de uma proporção de 20% em relação ao rodoviário para cerca de 50%. Barateia os fretes e torna os produtos de exportação (soja, milho e farelos, principalmente) mais competitivos.

Dia destes, quem levantou esta questão foi o deputado Sérgio Souza, da bancada paranaense na Câmara. Ele foi eleito relator da medida provisória baixada há dias por Temer que trata das concessões rodoviárias, ferroviárias e de aeroportos. Já tem engatilhadas várias emendas para facilitar a transposição de obstáculos como o da curva São João. Mas há também outras preocupações – bem mais cabeludas – dentre as quais a prorrogação (ou não) das concessões rodoviárias no Paraná, a expansão da malha ferroviária e a encantada construção do contorno ferroviário de Curitiba, tarefas hoje em dia mais difíceis do que aquela enfrentada pelos irmãos Rebouças há quase um século e meio.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.