i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Celso Nascimento

Os maiores devedores

  • Porcelso@gazetadopovo.com.br
  • 13/07/2010 21:01

A Secretaria da Fazenda entregou ontem à Assembleia a lista dos 150 maiores devedores de ICMS – teoricamente os que mais se beneficiarão se for aprovado o anteprojeto de lei que lhes permitirá abater suas dívidas dando títulos precatórios e não em dinheiro. Somados, os seus débitos chegam a quase R$ 2,5 bilhões, segundo confirma o deputado Douglas Fabrício, que recebeu o documento por ser o autor de um requerimento de informações sobre o assunto.

O anteprojeto está agora na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para exame, mas em razão do recesso legislativo, só poderá ser votado em plenário a partir de agosto. Desde já, porém, tem sido notável o esforço de alguns setores por sua aprovação – medida justa e necessária do ponto de vista empresarial, argumentam seus defensores, que desenvolvem poderoso lobby junto aos deputados.

Segundo os procuradores do estado, no entanto, trata-se de uma medida péssima para as finanças públicas e, além de tudo, desnecessária e inconstitucional. Se transformado em lei, o anteprojeto terá grande impacto negativo no orçamento, comprometendo projetos essenciais.

Os mesmos procuradores fazem uma revelação: graças à emenda constitucional aprovada no fim do ano passado, o governo do Paraná poderá se livrar de 60% de suas dívidas representadas por precatórios até o fim deste ano. Há, em poder da Fazenda estadual, cerca de R$ 160 milhões; outros R$ 150 milhões são administrados pelo Tribunal de Justiça. Com isso, cerca de R$ 300 milhões poderão ser utilizados para quitar 1.700 precatórios dos 3 mil existentes.

Olho vivo

Me chama 1

Havia deputados estaduais do PMDB ávidos por levar o partido a fazer aliança com o PSDB de Beto Richa. Seria a tábua de salvação para muitos parlamentares que viam seus mandatos naufragarem, alegando que, se o PMDB lançasse Orlando Pessuti como seu candidato a governador, decretaria a derrota de pelo menos a metade da atual bancada de 17 deputados. Destacaram-se na liderança do movimento que preferia a aliança com os tucanos os deputados Luiz Claudio Romanelli e Alexandre Curi. Contavam como apoio da maioria.

Me chama 2

Pessuti deixou de ser candidato e cedeu a vaga para que o PMDB compusesse chapa com o PDT de Osmar Dias. Anteontem, os dois partidos, mais o PT, fizeram a primeira reunião de trabalho para dar início à campanha, com a presença da chapa majoritária completa (Osmar, Gleisi e Requião) e de deputados de todos os partidos. Do PMDB lá estava Romanelli, mostrando-se convertido à tese de que seu partido fez a coisa certa, assim como a antiga maioria pró-Beto, que passou a jurar fidelidade ao arranjo que antes combatia.

Me chama 3

Foram notadas, porém, algumas ausências. Uma delas, mais marcante, foi a de Alexandre Curi. Outra, a de Caíto Quintana, líder do governo na Assembleia, que um dia teve como certa sua indicação para ser o vice de Osmar Dias. Uma terceira, a de Dobrandino da Silva, ex-presidente estadual do partido, já declarou apoio a Beto Richa. Não o preocupa a infidelidade partidária, pois decidiu não concorrer à reeleição. E também porque, estrategicamente, emplacou o filho Sâmis (ex-prefeito de Foz do Iguaçu) na chapa de candidatos a deputado estadual pelo PSDB.

Me chama 4

A lista de peemedebistas que, na reunião, tiveram oportunidade de mostrar que estavam enganados, é enorme. Quem demonstrou, aliás, entusiasmo maior do que os correligionários foi o ex-governador Roberto Requião, candidato ao Senado. Não faz muito tempo, ele se insinuava em favor de Beto Richa e combatia Osmar Dias e Pessuti. Anteontem, porém, mais sossegado e surpreendentemente lhano no trato, pôs-se à disposição para integrar as caravanas da campanha. "Me chama que eu vou", dizia ele, repetindo o velho refrão. Só não foi muito aplaudido porque muitos dos ali presentes acham que ele mais tira votos do que agrega.

Ele aqui

Uma das técnicas de convencimento para levar Osmar Dias a aceitar a companhia do PT foi prometer a ele que Lula viria fazer campanha no Paraná quantas vezes achassem necessário. Ontem Osmar Dias foi a Brasília cobrar a promessa e trouxe de lá resposta positiva: o presidente virá a Curitiba no próximo dia 31 para oficializar seu apoio, provavelmente em um comício na Boca Maldita.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.