i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Dora Kramer

Agora é que são eles

  • PorAgência Estado • dora.kramer@grupoestado.com.br
  • 27/11/2010 21:25

Fechada a equipe econômica, acertado o nome dos chamados ministros da casa – com assento no Palácio do Planalto, junto à presidente – ainda neste fim de semana Dilma Rousseff começa a tratar com os partidos aliados da distribuição dos espaços na Esplanada dos Ministérios.

Pela expectativa do PMDB, o partido do vice-presidente Michel Temer será o primeiro. Os peemedebistas têm duas preocupações: assegurar posições "qualificadas" e encaminhar as negociações sem pressões ruidosas, a fim de se diferenciar das demais legendas e evitar comportamentos explicitamente fisiológicos.

E por que isso? Porque considera que, uma vez eleito na mesma chapa com Dilma, subiu de grau na hierarquia: não pode ser visto como adesista; deve se conduzir e ser tratado como legítimo partícipe digno de postos de elite.

O PT ocupa mais ministérios e faz parte do núcleo de poder? O PMDB diz que é justo, mas aponta que por isso mesmo os petistas não podem querer açambarcar o comando do Legislativo. A direção do partido assegura que até agora a presidente não enviou nada além de "sinais de prospecção". Não disse claramente o que pretende para o parceiro de chapa.

Já o PMDB acredita ter deixado bem entendido o que almeja: garantir a atual parte que lhe cabe no latifúndio de 37 ministérios. Mas só os efetivamente ocupados pelo partido. Contando com o Banco Central, hoje são sete as pastas dirigidas por filiados ao partido.

Mas a direção não considera que José Gomes Temporão, da Saúde, e Henrique Meirelles, do BC, sejam indicações partidárias. Nesses dois casos o PMDB diz que foi usado como "barriga de aluguel". Situação que não vai aceitar.

Excluídas as "barrigas", sobrariam cinco ministérios: Defesa, Comunicação, Integração Na­­­cional, Minas e Energia e Agri­­cultura.

Não se espera que Dilma mantenha necessariamente as mesmas pastas, mas que assegure a quantidade, não escale o partido para pastas periféricas e aceite as indicações dos nomes feitas por intermédio de Michel Temer sem questionar.

Em contrapartida, o PMDB se compromete a obedecer aos três critérios já postos pela presidente: densidade de apoio político, experiência na área específica e imunidade pessoal a possíveis escândalos.

Temer é o único interlocutor/negociador autorizado e, ao contrário do que ocorreu nos dois mandatos de Lula, os indicados terão o respaldo unitário e não das alas a, b ou c do partido. Daí a expectativa de que sejam aceitos.

Só serão indicados "homens do partido" e na seguinte proporção: dois para a Câmara, dois para o Senado e um para livre provimento do vice e presidente do PMDB, Michel Temer.

E se a presidente não concordar com nada disso?

O PMDB acha que Dilma Rousseff é sagaz o bastante para compreender o que não precisa ser dito por escrito.

Fora de cena

A presidente eleita desistiu de acompanhar Lula à reunião da Unasul, não aceitou convite de Barack Obama para ir aos EUA antes da posse, não apareceu no anúncio da equipe econômica.

É só reparar: Dilma tem se comunicado com o país por nota oficial. Na crise que atinge o Rio de Janeiro, soube-se que ela telefonou para o governador Sérgio Cabral, mas a presidente não apareceu em momento algum.

Aliás, Dilma Rousseff não aparece desde que acompanhou o presidente Lula na reunião do G-20. Na ocasião, foi mais assediada pela imprensa do que ele.

Esse fato associado ao "sumiço" faz supor que Dilma tem feito um afastamento estratégico exatamente para não roubar a cena de Lula nesses últimos momentos de mandato.

Se o fez por iniciativa própria ou a pedidos, não está claro.

Na primeira hipótese, um gesto de cortesia; na segunda, ato de obediência.

Cacoete

Em tese, ações integradas entre os diferentes níveis de poder, federal, estadual e municipal, não deveriam estar subordinadas a afinidades político eleitorais, e sim ao bem estar do público pagante (de impostos).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.