i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Direitos Humanos

Comissão da Verdade critica demora na identificação de ossadas

Mebro da comissão também cobra do Miistério da Justiça uma resposta sobre a destruição ilegal dos arquivos oficiais da época da Ditadura Militar

  • PorFolhapress
  • 30/07/2012 18:16

A Comissão Nacional da Verdade criticou a demora na identificação de corpos de vítimas da ditadura. Recentemente, a comissão enviou ofício ao Ministério da Justiça cobrando informações sobre os trabalhos de antropologia forense e testes de DNA realizados por um núcleo da Polícia Federal (PF) nos cemitérios de Perus e Vila Formosa, em São Paulo.

"Temos que saber por que não está ágil", afirmou nesta segunda-feira (30) Cláudio Fonteles, integrante da comissão. Fonteles disse que aguarda resposta do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, sobre o assunto.

O integrante da comissão também mencionou a cobrança feita pela Comissão da Verdade ao Ministério da Defesa sobre a destruição de arquivos sigilosos que tratam de violações dos direitos humanos durante a ditadura.

No início do mês, a Folha de S.Paulo revelou que ao menos 19,4 mil documentos que pertenciam ao extinto Serviço Nacional de Informações (SNI) foram destruídos.

"Não é correta a interpretação jurídica que diz que procederam de forma certa ao eliminarem documentos e não registrar nas atas essa eliminação. Mostramos que isso é juridicamente incorreto", afirmou Fonteles.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.