i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
lava jato

CPI da Petrobras ouve depoimento de doleiro e diretor de corretora de câmbio

    • Estadão Conteúdo Web
    • 20/08/2015 10:32

    A CPI da Petrobras ouve nesta quinta-feira (20) o depoimento do doleiro Raul Srour, ligado ao grupo da também doleira Nelma Kodama, e um dos investigados na Operação Lava Jato. Srour já encaminhou à comissão um habeas corpus concedido pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), que lhe dá o direito a ficar calado na oitiva.

    Em depoimento nesta semana, o ex-gerente geral da agência do Banco do Brasil onde o doleiro tinha conta em São Paulo, José Aparecido Augusto Eiras, disse que Srour tinha uma movimentação bancária que chegava a R$ 800 mil por dia. O doleiro era dono da Distri-cash, que comprava e venda papel moeda.

    Também será ouvido na comissão o diretor da TOV corretora de câmbio Fernando Francisco Brochado Heller. A TOV entrou nas investigações porque atendeu ao grupo de Nelma Kodama. Ele faltou ao depoimento anterior alegando que sua advogada estava fora do País e que não poderia acompanhá-lo na sessão.

    Estavam previstos para esta manhã os depoimentos dos doleiros Paulo Pires de Almeida e Marco Ernest Matalon. O primeiro não justificou a ausência. Aos 85 anos, Matalon alegou que está doente e se dispôs a falar em São Paulo ou dar respostas à CPI por escrito.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.