Eduardo Cunha participou de evento na Assembleia Legislativa do Rio nesta segunda (28). | Tânia Rêgo/Agência Brasil
Eduardo Cunha participou de evento na Assembleia Legislativa do Rio nesta segunda (28).| Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, afirmou nesta segunda-feira (28), que irá começar a despachar os pedidos de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff nesta semana. Na semana passada, Cunha havia dito a integrantes da oposição que não daria prosseguimento aos pedidos. Mas, publicamente, negou ter tomado uma decisão e disse que despacharia “no tempo devido”.

“Eu recebo os pedidos de pedido de processo. Cabe a mim despachar se aceita ou não aceita. Se aceitasse, teria uma comissão especial com seu rito próprio. Se não aceitar, cabe recurso. Essa semana eu já começo a despachar”, disse.

Em crise, PT convive com debandada de parlamentares

Leia a matéria completa

Ele também abordou o ajuste fiscal do governo e voltou a dizer que acha difícil que a CPMF passe no Congresso e que o governo deve cortar despesas: “O governo precisa ter a consciência de fazer o ajuste fiscal correto. O ajuste fiscal de verdade é o corte de despesas e não impor à sociedade mais despesas”, afirmou após participar da abertura do seminário “Rede legislativa de rádio e TV Digital no interior do Brasil”, na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

Ao ser perguntado sobre o que achava do apetite do PMDB sobre a reforma ministerial, Cunha respondeu que estava “absolutamente sem apetite”.

“Estão oferecendo peixe para quem quer comer. E não é o caso, não é uma coisa partidária. Defendo a redução de ministérios, sim. Mas mesmo aqueles que defendem a governabilidade, já que a presença do PMDB no governo não sou eu que defendo, eu defendo que o PMDB saia do governo, tem que entender que há uma redução e que não tem que se condicionar qualquer tipo de ministério a apoio”, disse.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]