i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
especial

Da frieza ao descontrole: o ânimo ‘bipolar’ de Dilma

    • brasília
    • Agência O Globo
    • 17/08/2015 09:48
    Presidente Dilma Rousseff ainda não sabe se fará uma reforma ministerial nos próximos dias. | Ueslei Marcelino/Reuters
    Presidente Dilma Rousseff ainda não sabe se fará uma reforma ministerial nos próximos dias.| Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

    Da frieza ao descontrole, integrantes do governo atravessaram de formas diferentes a primeira semana de agosto, que se caracterizou como um dos períodos mais agudos da crise política que paralisa a gestão da presidente Dilma Rousseff, sete meses após sua reeleição. Em meio a tanta tensão, os ânimos mudaram e o estado de espírito dos personagens do Palácio do Planalto também.

    Na volta do recesso parlamentar, quando a base aliada se esfacelou, Dilma repetiu que “aguenta pressão”. Com “nervos de aço”, manteve suas voltas de bicicleta matinais e uma aparente tranquilidade, angustiando parte de seus apoiadores. Mas a partir do final daquela semana, ela subiu o tom e, em discursos, passou a defender seu mandato de forma mais veemente.

    Planalto vê imagem de Dilma ‘colada’ na corrupção

    Leia a matéria completa

    Enquanto isso, o ministro Aloizio Mercadante (Casa Civil) andou “descontrolado”, nas palavras de integrantes do governo. Um dos motivos é que o clamor por reforma ministerial começa por ele, considerado um problema pela base aliada e pelo próprio PT. Contrariando sua personalidade, ele “desceu do salto”, no último dia 5, ao participar de audiência pública na Comissão de Minas e Energia do Senado. Admitiu que o governo cometeu erros – sem dizer quais – e pediu apoio da oposição para o que chamou de responsabilidade fiscal. O ministro foi elogioso ao PSDB, lembrando que a gestão tucana foi marcada pelo controle da inflação, e pediu apoio suprapartidário às questões que envolvem política de Estado.

    “O Mercadante é um dos problemas. Quando se fala em reforma ministerial, ela indubitavelmente passa por ele. Não tem outra saída”, disse um deputado do PT.

    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva gostaria que Dilma substituísse Mercadante na Casa Civil pelo ministro Jaques Wagner (Defesa), considerado mais habilidoso pelo ex-presidente. Ministros que integram a coordenação política do governo, no entanto, consideram esse movimento difícil.

    “Ninguém é indispensável, mas ninguém tem a memória, os dados do governo que o Mercadante tem. No máximo ele sai da Casa Civil e continua no palácio. Ou na chefia de gabinete ou na Secretaria Geral”, afirmou um ministro.

    Apesar da pressão da base aliada, Dilma resiste em fazer uma reforma ministerial neste momento. E o próprio Lula, em conversa com senadores do PT na última terça-feira (11), defendeu que ela seja pontual, trocando apenas ministros contestados por seus respectivos partidos.

    No calor da crise, a declaração do vice-presidente Michel Temer de que a situação é “grave” e que “alguém” precisa unir o país caiu como uma bomba no PT. Em reuniões internas, ministros petistas acusaram o vice de querer derrubar a presidente.

    Os ministros Edinho Silva (Comunicação Social) e José Eduardo Cardozo (Justiça) estão entre os que ficaram alarmados e irritados com a declaração de Temer. Já os ministros Jaques Wagner (Defesa) e Ricardo Berzoini (Comunicações) fizeram papel de “bombeiro”. “Não é o Temer que está conspirando, os fatos é que estão”, disse Wagner, segundo relatos.

    Apesar do mal-estar, todos acabaram saindo publicamente em defesa do vice, temendo um desembarque do PMDB. Desde então, o vice não para de dar explicações e assegurar sua lealdade ao governo. O peemedebista se justificou, por exemplo, com a própria Dilma e o ex-presidente Lula.

    Temer, que já foi chamado pelo então presidente do Senado Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) de “mordomo de filme de terror”, surpreendeu parlamentares ao perder a pose e o controle, no último dia 5, na fatídica semana de volta ao trabalho no Congresso. Ele começou aquela quarta-feira em reunião com senadores, que o acharam “chateado”. Seguiu para reunião com deputados, quando perdeu a paciência, foi incisivo e até levantou a voz. Esse dia culminou com Temer dando a polêmica declaração na qual pediu à Câmara “responsabilidade com o país”.

    Já o presidente do PT, Rui Falcão, parece não se abalar com o terremoto político. A quem se surpreende com sua aparente serenidade, ele diz, segundo pessoas próximas: “E ficar nervoso adianta?”

    A cada recrudescimento da crise, a resposta preferida de um ministro palaciano ao ser questionado sobre o que o governo vai fazer é: “Rezar!”

    Depois do susto tomado na volta do recesso parlamentar, quando o “clima de velório” imperou entre os governistas, a semana passada foi de alívio. A avaliação é que o ambiente político melhorou, principalmente com a reaproximação do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que virou tábua de salvação do Planalto. Dilma conseguiu também adiar o julgamento de suas contas de 2014 pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.