i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
lava jato

Delator diz que Lula negociou contratos suspeitos da Petrobras

Em depoimento, Fernando Baiano afirma que o ex-presidente tratou da compra de navios-sonda. Investigações concluíram que o negócio envolveu propina

  • PorDa Redação
  • 20/10/2015 21:00
Lula teria tratado da compra de 28 navios-sonda, negócio que envolveu US$ 22 bilhões. | Ueslei Marcelino/Reuters
Lula teria tratado da compra de 28 navios-sonda, negócio que envolveu US$ 22 bilhões.| Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

O operador de propinas do PMDB na Lava Jato, Fernando “Baiano” Soares, afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010) se reuniu pelo menos duas vezes com o pecuarista José Carlos Bumlai e com João Carlos Ferraz, então presidente da Sete Brasil (companhia criada pela Petrobras para construção de 28 navios-sondas com conteúdo nacional), para tratar de negócios intermediados por ele, em nome do grupo OSX – do empresário Eike Batista.

A afirmação consta de uma parta da delação premiada de Baiano, homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que foi obtida e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo na terça-feira (20).

Segundo a denúncia do jornal, Fernando Baiano afirma que os encontros aconteceram no Instituto Lula, em São Paulo, no primeiro semestre de 2011, e antecederam a cobrança de R$ 3 milhões por Bumlai para supostamente pagar uma dívida de imóvel de uma nora do ex-presidente. “Essa reunião foi efetivamente realizada em São Paulo no final do primeiro semestre de 2011”, afirmou o delator. “Antes dessa reunião, o depoente encontrou João Carlos Ferraz e Bumlai. Esse encontro ocorreu em um restaurante italiano embaixo de um flat, onde almoçaram”.

Segundo a reportagem, o operador do PMDB contou que o local do encontro foi o Restaurante Tatini, no Jardim Paulista. “Bumlai orientou José Carlos Ferraz sobre o que falar a Lula”, revelou Baiano. “Depois, José Carlos Ferraz e Bumlai foram para a reunião com Lula; que essa reunião ocorreu no Instituto Lula”, afirmou Fernando Baiano.

Ferraz era ex-funcionário da Petrobras. Foi o primeiro presidente da Sete Brasil, empresa criada pela Petrobras com bancos e fundos de pensão, para contratação de 28 navios-sonda pelo valor de US$ 22 bilhões.

De acordo com o jornal, Ferraz e outro ex-executivo da Sete Brasil, Eduardo Musa, confessaram em delação premiada que esses contratos envolveram propina de 1%. Parte abasteceu os cofres do PT, contou o ex-gerente de Engenharia, Pedro Barusco.

Lula e pecuarista negam as acusações de Fernando Baiano

O ex-presidente Lula informou ao jornal O Estado de S. Paulo que não comenta supostos trechos de documentos que estão sob sigilo judicial. Em nota, o Instituto Lula reiterou que o ex-presidente nunca atuou como intermediário de empresas em contratos, antes, durante ou depois de seu governo e que jamais autorizou que José Carlos Bumlai ou qualquer pessoa utilizasse seu nome em qualquer espécie de lobby. “Não existe a dívida de 2 milhões supostamente mencionada na delação”, diz ainda a nota.

Já o pecuarista José Carlos Bumlai disse, também em nota, que nunca atuou em nome de OSX ou de Fernando Baiano em quaisquer demandas, nem pediu dinheiro usando o nome do ex-presidente Lula ou de seus familiares, para beneficiar quem quer que fosse. O pecuarista ainda afirmou que tais fatos “não existem.”

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.