i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
operação publicano

Delator volta ao Gaeco para falar sobre “arquivos de propina”

Luiz Antônio Souza, um dos principais colaboradores da investigação, irá falar sobre o conteúdo de um pen drive cujos arquivos têm duas linhas de denominação: “cara” e “kara”

  • PorFábio Silveira, do Jornal de Londrina
  • londrina
  • 07/07/2015 11:12
Delator da Operação Publicano, Luiz Antônio Souza volta nesta semana a contar o que sabe para o Gaeco. | Roberto Custodio/Jornal de Londrina
Delator da Operação Publicano, Luiz Antônio Souza volta nesta semana a contar o que sabe para o Gaeco.| Foto: Roberto Custodio/Jornal de Londrina

O auditor fiscal Luiz Antônio de Souza, que colabora com as investigações do Gaeco na Operação Publicano, volta a prestar nova bateria de depoimentos nesta semana. Ele deve falar sobre o conteúdo de um pen drive que está entre os materiais apreendidos ainda em janeiro. O pen drive detalha quem recebeu, de quem recebeu e quanto recebeu de propina.

Novas empresas, que até aqui tinham passado ilesas pelo radar das investigações, aparecem nesses arquivos. O fato de o Gaeco ter convocado o delator para novos depoimentos é sinal de que a análise do pen drive está na reta final. Os arquivos que interessam o Gaeco e que podem mostrar o mapa da mina têm duas linhas de denominação: “cara” e “kara”.

Juiz exclusivo

O promotor Renato Lima Castro defendeu discretamente, na semana passada, a ideia de que a Operação Publicano tenha um juiz exclusivo para lidar com esses processos, fechando a sua pauta e se debruçando exclusivamente sobre esse caso. É um modelo semelhante ao da Operação Lava Jato, na qual já existem diversas decisões de primeiro grau. A medida depende da boa vontade do Tribunal de Justiça, que, para deixar um juiz exclusivo para a Operação Publicano, teria que nomear um juiz auxiliar para lidar com os outros processos da 3ª Vara Criminal.

A tese do juiz exclusivo para a Publicano é facilmente justificável: o que está sendo investigado é relevante e o desfecho rápido desses processos é de interesse de toda a sociedade paranaense.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.