Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Delator da Operação Publicano, Luiz Antônio Souza volta nesta semana a contar o que sabe para o Gaeco. | Roberto Custodio/Jornal de Londrina
Delator da Operação Publicano, Luiz Antônio Souza volta nesta semana a contar o que sabe para o Gaeco.| Foto: Roberto Custodio/Jornal de Londrina

O auditor fiscal Luiz Antônio de Souza, que colabora com as investigações do Gaeco na Operação Publicano, volta a prestar nova bateria de depoimentos nesta semana. Ele deve falar sobre o conteúdo de um pen drive que está entre os materiais apreendidos ainda em janeiro. O pen drive detalha quem recebeu, de quem recebeu e quanto recebeu de propina.

Novas empresas, que até aqui tinham passado ilesas pelo radar das investigações, aparecem nesses arquivos. O fato de o Gaeco ter convocado o delator para novos depoimentos é sinal de que a análise do pen drive está na reta final. Os arquivos que interessam o Gaeco e que podem mostrar o mapa da mina têm duas linhas de denominação: “cara” e “kara”.

Juiz exclusivo

O promotor Renato Lima Castro defendeu discretamente, na semana passada, a ideia de que a Operação Publicano tenha um juiz exclusivo para lidar com esses processos, fechando a sua pauta e se debruçando exclusivamente sobre esse caso. É um modelo semelhante ao da Operação Lava Jato, na qual já existem diversas decisões de primeiro grau. A medida depende da boa vontade do Tribunal de Justiça, que, para deixar um juiz exclusivo para a Operação Publicano, teria que nomear um juiz auxiliar para lidar com os outros processos da 3ª Vara Criminal.

A tese do juiz exclusivo para a Publicano é facilmente justificável: o que está sendo investigado é relevante e o desfecho rápido desses processos é de interesse de toda a sociedade paranaense.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]