i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
“delação-bomba”

Delatores da Odebrecht dizem que cervejaria intermediou repasses a políticos

Dobradinha entre a empreiteira e o Grupo Petrópolis incluiu a intermediação de cerca de R$ 100 milhões para campanhas eleitorais e pagamento de propina para políticos

  • PorDa redação, com Estadão Conteúdo
  • 16/12/2016 18:40
 | Marcos Bezerra/Futura Press/Folhapress
| Foto: Marcos Bezerra/Futura Press/Folhapress

Em seu acordo de colaboração com a Justiça, a Odebrecht abordou sua relação com a família Faria, proprietária do Grupo Petrópolis, fabricante, entre outros produtos, da cerveja Itaipava. A relação entre as duas empresas não era novidade e já tinha sido apontada durante investigações da 26ª fase da Lava Jato, a Operação Xepa. O detalhe revelado agora, segundo o jornal O Estado de S. Paulo, é que os executivos, além de assumirem a sociedade com Vanuê Faria - sobrinho de Walter Faria, dono da cervejaria -, vão contar como utilizaram empresas dos donos da cervejaria Itaipava para distribuir dinheiro a políticos por meio de doações eleitorais e entregas de dinheiro vivo.

Segundo a reportagem publicada nesta sexta-feira (16), Luiz Eduardo Soares, o Luizinho, funcionário do Setor de Operações Estruturadas, o “setor de propina” da Odebrecht, prometeu detalhar em sua delação premiada como a empreiteira injetou cerca de R$ 100 milhões em uma conta operada pelo contador do Grupo Petrópolis no Antígua Overseas Bank (AOB) - utilizado pela empreiteira para operar as contas do departamento da propina no exterior. E como esse dinheiro garantiu a construção de fábricas no Brasil, em troca de repasses para campanhas eleitorais e pagamento indevidos para políticos.

Temer é citado pela 2ª vez no pacote de delações da Odebrecht

Leia a matéria completa

Além de Luizinho, outro ex-executivo da Odebrecht que delatou a relação entre as empresas, segundo o Estadão, foi Benedicto Júnior, o BJ, ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura.

No caso das doações, depois de compensada com pagamentos no exterior, em especial na conta Legacy no AOB, o Grupo Petrópolis utilizava algumas de suas empresas para efetuar os repasses para campanha de políticos por ordem da Odebrecht. Ao menos duas empresas, segundo Luizinho, a Praiamar e Leyros Caxias, teriam sido utilizadas para escoar o dinheiro do departamento de propina para campanhas nas eleições de 2010 e 2012.

Doações eleitorais

Os delatores prometeram entregar aos investigadores planilhas das contribuições eleitorais executadas pelo Grupo Petrópolis e os documentos relacionados ao controle da movimentação real/dólar entre as contas das empresas. No site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) constam doações relacionadas à Praiamar e Leyroz. Em 2010, a Leyroz doou cerca de R$ 4,3 milhões para políticos do PT, PMDB, PP, PSDB, PV, DEM, PTC, PSB, PSDC e PSol. Nas eleições de 2012, a empresa repassou outros 560 mil para candidatos do PSB e PMDB. Por sua vez, a Praiamar, em 2010, doou R$ 1,1 milhão para os mesmos partidos destinatários dos valores da Leyroz. Em 2012, foram mais R$ 1,5 milhão para PSB, PMDB, PPS e PCdoB.

Entre os políticos que receberam as doações da empresa, segundo o delator, por conta e ordem da Odebrecht, estão alguns que já apareceram nas delações da Odebrecht. Como os repasses em 2010 a Aécio Neves (PSDB-MG), no valor total de R$ 120 mil, Ciro Nogueira (PP) com R$ 200 mil, o tucano Arthur Virgílio (R$ 100 mil), Heráclito Fortes do PSB-PI (R$ 100 mil), o tucano Jutahy Magalhães (R$ 30 mil).

Para os pagamentos em espécie, segundo Luizinho, a Odebrecht acionava o operador Álvaro José Galliez Novis, que já foi alvo da Lava Jato na Operação Xepa, para distribuir o dinheiro intermediado pelo Grupo Petrópolis. De acordo com as anotações de Maria Lúcia Tavares, secretária do departamento da propina, Novis atuava sob o codinome da conta “Carioquinha” e “Paulistinha” e era diretor da Hoya Corretora de Valores.

Os investigadores já haviam encontrado indícios da relação entre o Grupo Petrópolis e a Odebrecht também na 23.ª fase da Lava Jato. Com Benedicto Júnior, a Polícia Federal apreendeu uma planilha na qual “Itaipava” está anotada à mão ao lado de um repasse de R$ 500 mil para Luís Fernando Pezão (PMDB), atual governador do Rio de Janeiro. Essa mesma doação para Pezão está relacionada, no topo da coluna dos valores, a “Parceiro IT”.

Há ainda na planilha doações para a campanha eleitoral de 2012, o total chega a R$ 5,8 milhões. Em outro quadro, sem data definida, o “parceiro” aparece como responsável por doações de R$ 30 milhões a 13 partidos, entre eles PT, PMDB e PSDB.

Outro lado

Procurado pelo Estadão, o Grupo Petrópolis, por meio de sua assessoria de imprensa, informou que desconhece as informações da “suposta delação” e que elas não têm “amparo na realidade”. A cervejaria disse ainda que Vanuê Faria não faz parte do grupo.

A Odebrecht informou que “não se manifesta sobre o tema, mas reafirma seu compromisso de colaborar com a Justiça. A empresa está implantando as melhores práticas de compliance, baseadas na ética, transparência e integridade”.

A assessoria do senador Aécio Neves reitera que as doações feitas à campanha eleitoral ocorreram na forma legal e estão demonstradas nos documentos públicos registrados pelo PSDB junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG) em 2010.

O criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que defende o senador Ciro Nogueira, afirmou que não irá se manifestar sobre delações da Odebrecht pois “tem certeza que os acordos serão anulados em razão de ilegalidades”.

O prefeito de Manaus, Arthur Virgilio (PSDB), afirmou que recebeu, de modo legal e com o devido registro na Justiça Eleitoral, R$ 80 mil, “a título de colaboração da empresa Odebrecht, através de sua subsidiária Leyroz de Caixias Indústria, Comércio e Logística” para a campanha de 2010. “Essa é a verdade única”, afirmou o prefeito.

O deputado Jutahy Magalhães (PSDB) informou que recebeu doações da Praiamar após fazer solicitação à Odebrecht. Segundo ele, todas as doações feitas após solicitação à empreiteira estão registradas na Justiça Eleitoral. Os contatos do parlamentar para solicitar repasses para campanha eram feitos com o ex-diretor de relações institucionais da Odebrecht, Claudio Melo Filho.

Heráclito Fortes foi procurado pela reportagem, mas ainda não respondeu aos contatos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.