Sem aval

Investigações ameaçam a divulgação do balanço da Petrobras

Estadão Conteúdo

A Petrobras informou ontem que ainda não tem a confirmação da data em que irá divulgar seu balanço com os resultados do terceiro trimestre de 2014. O prazo para a publicação, pelas regras da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), termina hoje. A estatal esperava o aval da auditoria da PricewaterhouseCoopers. Mas a empresa de auditoria, segundo apuração da reportagem, decidiu não chancelar as informações trimestrais antes do fim das investigação interna que a própria Petrobras está fazendo em função das denúncias feitas pelo ex-diretor da companhia Paulo Roberto Costa, no acordo de delação premiada no âmbito da Operação Lava Jato. A PricewaterhouseCoopers já havia imposto anteriormente condições para assinar os resultados da Petrobras, entre elas a saída do presidente da Transpetro, Sérgio Machado, também citado nas investigações da Operação Lava Jato. A Transpetro é a subsidiária de logística da estatal.

Delegados da Superintendência da Polícia Federal (PF) que atuam na Operação Lava Jato usaram redes sociais para criticar o ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff (PT), segundo reportagem publicada ontem pelo jornal O Estado de São Paulo.

Segundo o jornal, os delegados compartilharam no Facebook propagandas do então candidato Aécio Neves (PSDB) e teceram várias críticas ao governo petista.

Os agentes teriam reproduzido uma propaganda do tucano que mostrava reportagem com o conteúdo da delação premiada do doleiro Alberto Youssef, na qual ele teria dito que Dilma e Lula sabiam do esquema de desvios de dinheiro público da Petrobras. A delação premiada está sob segredo de Justiça.

Um dos delegados que atuou na prisão de Youssef, ainda de acordo com o jornal, postou duas propagandas eleitorais de Aécio. Uma dizia que o PT estaria perseguindo o juiz federal Sérgio Moro, que conduz os processos da Lava Jato na Justiça Federal do Paraná. Outra reproduzia uma fala do tucano em um dos debates: "Que triste o país onde a presidente da República é quem decide quem será investigado".

Procurada pela reportagem da Gazeta do Povo, a PF do Paraná informou que não iria se manifestar sobre as postagens dos delegados. Os posts foram apagados da rede social.

Horas depois da publicação da matéria, a Procuradoria da República do Paraná informou, em nota, que "reitera a confiança e o apoio aos delegados, agentes e peritos" da PF que atuam na operação. A nota foi enviada em nome dos procuradores que fazem parte da força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) na Lava Jato.

"Em nosso país, expressar opinião privada, mesmo que em forma de gracejos, sobre assuntos políticos é constitucionalmente permitida, em nada afetando o conteúdo e a lisura dos procedimentos processuais em andamento", diz o texto divulgado pelo MPF.

Recurso

A doleira Nelma Kodama, condenada pela Justiça Federal a 18 anos de prisão em um dos processos da Lava Jato, recorreu da sentença ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). Ela é acusada de liderar um dos núcleos do esquema de lavagem de dinheiro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]