i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Senado

DEM pede saída de Sarney da presidência do Senado

Partido decidiu ampliar o coro pelo licenciamento do presidente. Integrantes da base aliada ainda lutam para mantê-lo no cargo

  • PorG1/Globo.com
  • 30/06/2009 11:10

Um dos partidos que até então sustentavam José Sarney (PMDB-AP) no comando do Senado, o DEM decidiu nesta terça-feira (30)engrossar o coro para vê-lo licenciado da presidência da Casa.

Em reunião de bancada que durou duas horas, os parlamentares avaliaram que as denúncias envolvendo um neto de Sarney e sucessivas polêmicas em torno de nomeações de parentes e apadrinhados do presidente acabaram com a sustentabilidade do peemedebista no cargo.

"É uma posição partidária consensual de propor que o presidente Sarney se licencie durante o prazo que todas as investigações em curso no Senado, tanto no Ministério Público, no Tribunal de Contas da União e na sindicância interna, sejam concluídas. Decidimos assim para que a apuração seja acreditada pela sociedade", afirmou o líder do DEM, José Agripino Maia (RN).

Nesta segunda-feira (29), o líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM), apresentou requerimento por quebra de decoro contra Sarney. A medida proposta por Virgílio pede que seja investigada a possível responsabilidade de Sarney nos casos que envolvem a nomeação de seus parentes por meio de atos secretos e a participação do neto dele, José Adriano Cordeiro Sarney, na intermediação de empréstimos com desconto na folha de pagamento dos servidores do Senado.

Virgílio solicitou que o conselho investigue as nomeações de 14 parentes ou supostos apadrinhados de Sarney. O líder tucano ainda quer que seja apurado suposto ato ilegal no episódio em que o presidente do Senado emprestou seu imóvel funcional ao ex-senador e seu aliado Bello Parga (ex-PFL, atual DEM).

A denúncia de que Sarney recebeu auxílio moradia de R$ 3,8 mil mesmo tendo casa própria em Brasília e tendo direito à residência oficial da presidência do Senado também foi lembrada pelo tucano. Assim como o fato de Sarney ter deslocado quatro servidores da segurança do Senado para fazer a guarda de sua residência no Maranhão.

Virgílio afirma ainda no documento que Sarney encabeça os atos que criaram pelo menos 70% dos cargos de direção do Senado, em referência ao escândalo das diretorias que revelou a existência de 181 cargos de chefia na Casa, em março deste ano.

"Torna-se imprescindível a investigação por este Conselho de Ética, pela prática de facilitação na operação dos empréstimos consignados junto aos servidores, por parte do senhor José Sarney, tendo em vista a privilegiada situação de seu neto nas autorizações junto ao Senado Federal", anotou Virgílio no documento. Ele pediu ainda que Sarney "seja ouvido no prazo de cinco dias úteis, contados da intimação".

O líder do DEM não estipulou um prazo para o licenciamento. Inicialmente, os parlamentares falavam em um afastamento de 60 dias, mas preferiram não escolher um prazo. Agripinio disse que vai convocar uma audiência com Sarney para, ao lado do presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), comunicar oficialmente a decisão.

"O DEM foi fundamental para a eleição do presidente Sarney. Tomamos essa decisão não por gosto, mas pelo interesse de entrar em sintonia com a opinião pública", justificou Agripino.

Além da reunião do DEM, também as bancadas do PT, PMDB e PSDB devem se reunir nesta terça-feira (30) para debater o futuro do presidente do Senado.

Conselho de Ética

Conforme o regimento do Senado, os integrantes do Conselho de Ética devem decidir se acatam ou não o pedido de investigação. Se o projeto começar a tramitar, Sarney poderá ser afastado do comando da Casa.

O Conselho de Ética está sem se reunir desde março. Com a representação apresentada por Virgílio, o próprio Sarney deve encaminhar ofício aos líderes partidários pedindo a indicação dos integrantes do colegiado. Faltam quatro indicações do PMDB, que precisam ser feitas pelo líder do partido, Renan Calheiros (AL). O PSDB já indicou dois representantes, mas eles ainda precisam apresentar documentos para que sejam autorizados a tomar posse.

Sarney se defende em carta

A pressão pela saída de Sarney do comando da Casa em função do escândalo dos atos secretos se agravou com a denúncia de que um de seus netos estaria utilizando a influência do avô para intermediar empréstimos com desconto em folha no Senado.

Para se defender dos ataques dos colegas, Sarney enviou carta aos senadores, no domingo (28), na qual tenta esclarecer parte das denúncias que envolvem o seu neto, José Adriano Cordeiro Sarney.

"A autorização - peço para fixar essa data - para operar em crédito consignado com o HSBC foi em maio de 2005 quando eu não ocupava nenhum cargo na Casa", diz trecho da nota. "A empresa da qual é sócio José Adriano Sarney, a Sarcris, começou a operar em 11 de setembro de 2007, portanto, dois anos depois da autorização."

Sarney ainda diz aos colegas: "Quero também comunicar-lhe que pedi à Polícia Federal que investigue todos os empréstimos consignados no Senado e as empresas que os operam".

Na quinta-feira passada, José Adriano Cordeiro Sarney divulgou nota negando que o parentesco tenha resultado em favorecimento às suas atividades empresariais.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.