Segundo o deputado, Maria Auxiliadora pode dar à CPI os esclarecimentos que seu marido se recusa a fazer | Gustavo Lima
Segundo o deputado, Maria Auxiliadora pode dar à CPI os esclarecimentos que seu marido se recusa a fazer| Foto: Gustavo Lima

O deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) afirmou na reunião da CPI da Petrobras que irá convocar a mulher do ex-diretor da Petrobras Renato Duque, preso na Operação Lava Jato, para inquiri-la sobre as denúncias de corrupção envolvendo seu marido. Conforme o deputado, é de “conhecimento público” que Maria Auxiliadora Tiburcio Duque procurou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com ameaças quando seu marido foi preso pela primeira vez, no final do ano passado, pela Lava Jato.

“Após essa conversa, o Renato Duque foi solto”, afirmou o parlamentar. Segundo o deputado, Maria Auxiliadora pode dar à CPI os esclarecimentos que seu marido se recusa a fazer, uma vez que compartilha a vida com ele. Duque está se recusando a responder aos questionamentos da CPI da Petrobras.

A assessoria do ex-diretor já negou ao jornal O Estado de S.Paulo a informação de que Maria Auxiliadora procurou o ex-presidente Lula para ameaçar revelar o que sabe, caso o marido não fosse solto. O Instituto Lula também já disse que não comentaria sobre o assunto. O presidente do instituto, Paulo Okamoto, afirmou à reportagem que não tem conhecimento de reunião entre o petista e a mulher de Duque.

Conforme o jornal O Estado de S.Paulo apurou, Maria Auxiliadora teria procurado o ex-presidente para afirmar que se o marido continuasse preso, ele não faria delação premiada, mas ela, sim, contaria o que sabe. Duque foi indicado para o comando da Petrobras pelo PT. Conforme as investigações da Lava Jato, a diretoria de Serviços, que comandava, repassava um porcentual dos contratos fechados para o partido.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]