i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
legislação

Deputados protocolam nesta quarta ação no STF contra redução da maioridade penal

Comemoração aos 25 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) transforma-se em ato de protesto contra medida

    • brasília
    • Agência O Globo
    • 07/07/2015 16:15
    Deputada Jô Moraes (PCdoB-MG) em sessão solene em homenagem aos 25 anos do ECA. | Maryanna Oliveira / Câmara dos Deputados
    Deputada Jô Moraes (PCdoB-MG) em sessão solene em homenagem aos 25 anos do ECA.| Foto: Maryanna Oliveira / Câmara dos Deputados

    A sessão solene em comemoração aos 25 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), no plenário da Câmara nesta terça-feira (7), transformou-se em ato de protesto contra a redução da maioridade penal. Os deputados decidiram colher o máximo de assinaturas possível antes de enviar o pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) o mandado de segurança questionando a suposta manobra do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) .

    Mais cedo, o vice-líder do PMDB, o deputado Darcísio Perondi (RS), ocupou a tribuna para anunciar encaminhamento da ação ainda nesta terça-feira. À tarde, depois de se reunir com outros deputados, o parlamentar informou que o protocolo ficará para esta quarta.

    Favorável ao tema, Cunha recolocou a PEC da redução na pauta 24 horas depois de a matéria ter sido rejeitada, conseguindo aprovar a diminuição do marco etário penal dos 18 para os 16 anos em caso de determinados crimes.

    “A luta vai continuar contra a intolerância de grupos evangélicos que confundiram solidariedade e generosidade com uma implacável punição e também contra o conservadorismo crescente e assustador nesta Casa”, afirmou Perondi, completando: “Se tivéssemos um governo forte, teríamos vencido. Há partidos que têm ministérios e todos votaram a favor [da redução]. A bancada da bala prevaleceu”.

    Eduardo Cunha prepara a próxima virada: parlamentarismo

    Presidente da Câmara começa a articular a mudança do sistema de governo do país

    Leia a matéria completa

    A cada discurso de ataque à redução da maioridade penal, parlamentares contrários à medida e militantes ligados aos direitos da infância que compareceram à sessão solene levantavam cartazes com a frase “Homenagear o ECA é barrar a redução”. Favorável à redução da maioridade penal, o deputado Nelson Marchezan Junior (PSDB-RS), que propôs e presidiu a sessão para celebrar os 25 anos do ECA, lamentou que o tema da redução tenha prevalecido nos discursos tanto de parlamentares quanto de convidados que subiram à tribuna.

    “Quando propus a sessão, ainda no início do ano, não sabia que coincidiria com o tema da redução. Mas esse é o tema do mês, está na agenda. Então é compreensível. Só lamento porque o ECA é muito maior que a parte dedicada aos infratores, há muitos temas importantes a serem debatidos”, disse Marchezan, ao final da sessão.

    Mandado de segurança

    Os deputados contrários à redução da maioridade penal sustentarão, no mandado de segurança a ser encaminhado ao Supremo, que o parágrafo 5º do artigo 60 da Constituição Federal, que veda nova proposta de emenda constitucional rejeitada numa mesma sessão legislativa (ano), foi violado por Eduardo Cunha.

    Na terça-feira passada, o plenário derrubou a PEC. Favorável à redução da maioridade, Cunha recolocou a proposta na pauta no dia seguinte e acabou vencendo. O presidente da Casa tem alegado, entretanto, que o texto foi modificado por emendas e que a votação seguiu o regimento da Casa e as regras constitucionais.

    A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) criticou a manobra de Cunha durante a sessão solene e defendeu que a redução viola cláusula pétrea da Constituição Federal. Segundo ela, é preciso virar votos dos colegas para barrar a proposta na votação em segundo turno na Câmara. Só depois disso, o texto seguirá para o Senado.

    “Espero que o segundo turno dessa votação seja derrotada. Precisamos fazer com que pelo menos 20 deputados reflitam sobre os dados, sobre a realidade”, afirmou Jandira.

    Além dos parlamentares, representantes do Ministério Público do Trabalho, da Secretaria Nacional da Juventude, conselheiros tutelares e outros profissionais ligados ao atendimento à criança e ao adolescente se manifestaram contra a redução da maioridade penal na tribuna da Câmara. Cunha não compareceu ao ato.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.