Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Sobre a Justiça Eleitoral

Compõem os Tribunais Regionais Eleitorais:

1 juiz do Tribunal Regional Federal

2 juízes de direito

2 desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado

2 advogados, nomeados pela Presidência da República

7 respectivos substitutos

Como são escolhidos:

O Tribunal de Justiça, a partir de indicações da OAB e dos TREs, elabora uma lista com nomes de três advogados do Estado

O Tribunal Superior Eleitoral recebe essas listas e confere se os candidatos preenchem os requisitos

O Ministério da Justiça recebe as listas e faz sua avaliação dos candidatos

A lista vai para a Casa Civil e a Presidente da República escolhe um dos advogados

Faltam 38 advogados titulares ou suplentes nos 27 TREs

Em RO, a corte tem apenas 6 membros

A presidente Dilma Rousseff (PT) nomeou oito juízes eleitorais para seis TREs (Tribunais Regionais Eleitorais) do país nesta semana. Tratam-se de advogados, que, de acordo com a Constituição, têm direito a quatro vagas - duas titulares e duas para substitutos - nessas cortes. Apenas esses postos dos TREs são preenchidos pela Presidente da República, a partir de lista tríplice enviada pelo Tribunal de Justiça de cada Estado.

Os juristas vão atuar nos tribunais de Santas Catarina, Alagoas, Ceará, Mato Grosso, Paraíba e Espírito Santo. No caso desses dois últimos estados, as nomeações completam os respectivos TREs, que estavam com plenários de seis juízes, ao invés de sete, como determina a lei. O problema persiste ainda em Rondônia, que conta com apenas um jurista titular.

No mês passado, a reportagem mostrou que faltavam 42 juízes nos tribunais eleitorais do país devido à falta de nomeação de advogados. Com as novas nomeações, são 38 postos vazios no Brasil.

O plenário dos TREs deve ser composto de um representante do Tribunal Regional Federal, dois juízes de primeira instância, dois desembargadores e dois juristas. Essas cortes são responsáveis por julgar processos relacionados às disputas para os cargos de governador, deputado estadual, federal e senador.

Dentre os nomeados está o criminalista José Fragoso Cavalcanti, conhecido por ter defendido os réus no caso da morte de PC Farias, tesoureiro do ex-presidente Fernando Collor. Os quatro policiais acusados pela morte de Farias, ocorrida em 1996, foram absolvidos em juri popular.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]