i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Judiciário em crise

“Divulgação abrangente criminaliza todos”, diz desembargador do PR

  • PorKarlos Kohlbach
  • 31/01/2012 21:17

O desembargador Noeval de Quadros, corregedor do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), se mostrou preocupado com a forma com a qual a OAB divulgou ontem dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sobre o número de corregedores e presidentes de órgãos judiciais que são ou foram investigados. "Eu respeito a OAB, mas uma divulgação abrangente como essa criminaliza todos os corregedores porque os nomes dos investigados não são citados", disse Noeval. "Isso gera preocupação imensa aos atuais mandatários do tribunais." Noeval de Quadros ainda garantiu que não é nem jamais foi alvo de qualquer investigação do CNJ.

Para questionar a apresentação dos números pela OAB, Noeval citou um encontro recente que te­­­ve com a corregedora do CNJ, Elia­­­na Calmon. Nessa conversa, se­­­gundo Noeval, ela contou o caso do corregedor de um tribunal da Re­­­gião Norte que era alvo de sete investigações. "Esse corregedor foi afastado das funções", explicou. Mas, disse Noeval, em uma primeira análise dos números os sete processos davam a ideia de que sete corregedores estariam sendo in­­­ves­­tigados – o que não correspondia à verdade.

A Gazeta do Povo procurou o CNJ para confirmar as informações e a interpretação que a Ordem deu aos números. O conselho informou que a forma como a OAB os apresentou está correta.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.