Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Gustavo Fruet, prefeito | Albari RosaGazeta do Povo
Gustavo Fruet, prefeito| Foto: Albari RosaGazeta do Povo
  • Luís Roberto Barroso, ministro do Supremo Tribunal Federal

A prefeitura de Curitiba anunciou ontem que economizou ao menos R$ 163 milhões em 2013 com o corte de despesas administrativas. Segundo o Executivo, o valor é 6,9% menor do que o gasto no ano passado. Entram na conta gastos com materiais de escritório, viagens, diárias, locação de veículos, luz, água e telefone. Uma das maiores economias foi com materiais de consumo (papel, caneta, cartuchos para impressora, envelopes). Os cortes nessa área foram de R$ 18 milhões, de acordo com a prefeitura. "Neste 1º ano de gestão, cortando gastos supérfluos e mordomias, conseguimos economizar mais de R$ 163 milhões", escreveu o prefeito Gustavo Fruet (foto) no Twitter. Fruet citou ainda que o gabinete do prefeito e a Secretaria de Governo devolveram 14 veículos e motoristas à empresa contratada, gerando uma economia R$ 1,38 milhão.

Voto em trânsito

Cinco cidades do Paraná terão voto em trânsito durante as eleições de 2014. No estado, o eleitor que não estiver em sua cidade poderá votar em Curitiba, Maringá, Ponta Grossa, Cascavel e Londrina. A medida vale tanto para primeiro quanto para segundo turno. Para votar em trânsito, o eleitor deverá habilitar-se na Justiça Eleitoral, entre 15 de julho a 21 de agosto de 2014, com a indicação do local onde pretende votar.

Palavra proibida

Durante a cerimônia de entrega da Ordem do Pinheiro, ontem, em Curitiba, a palavra "ditadura" foi evitada pelo cerimonial e pelos convidados. Ao falar sobre a carreira de José Serra (PSDB), exilado durante o regime militar, o cerimonial do governo do estado disse apenas que ele viveu fora do país em um "momento conturbado" da política brasileira. Já Serra disse, em seu discurso, que iniciou sua carreira política em uma "época muito aquecida da política brasileira que me custou 14 anos de exílio".

Vaias e falhas

O deputado Paulo Maluf (PP-SP) foi vaiado ontem em ato com a presidente Dilma Rousseff, durante a celebração de Natal dos catadores de materiais recicláveis e movimentos de população de rua, em São Paulo. Ele foi vaiado durante 30 segundos quando chamado para subir ao palco. O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, também foi vaiado, de forma discreta. Antes de chegar ao evento, Dilma foi anunciada pelo apresentador da cerimônia como "presidenta Lula".

Esclarecimento

A respeito de notícia publicada na edição da última quarta-feira da Gazeta do Povo, a Secretaria de Estado da Administração informou que o parcelamento especial de dívidas de contribuintes, que deve render R$ 280 milhões aos cofres do Paraná, só poderia ter sido feito até a última segunda-feira, dia 16. A medida de estender o número de parcelas para dívidas de ICMS e ITCMD foi tomada excepcionalmente para possibilitar acordos durante a Semana Nacional de Conciliação, promovida anualmente pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que ocorreu entre os dias 2 e 6 de dezembro.

De saída

O deputado federal Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) encerrou na última quarta-feira a sua polêmica e conturbada gestão à frente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados.Pinga-fogo

"Eu não vou entrar na discussão sobre aos malefícios maiores ou menores que a maconha efetivamente causa, mas é fora de dúvida que essa é uma droga que não torna as pessoas antissociais."

Luís Roberto Barroso, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), defendendo o debate sobre a descriminalização da maconha, em julgamento no Supremo.

Colaboraram: Euclides Lucas Garcia, Chico Marés e Bruna Maestri Walter.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]