i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Estratégia

Famosos viram “iscas” eleitorais

Celebridades e outros candidatos conhecidos nacionalmente aumentam a votação do partido político e a proporção da bancada no legislativo

  • PorAgência Estado
  • 04/06/2010 10:26
Netinho: pré-candidato ao Senado | Roosevelt Pinheiro/ABr
Netinho: pré-candidato ao Senado| Foto: Roosevelt Pinheiro/ABr
  • O deputado federal Romário (PSB-RJ)

A receita é antiga e simples: para conquistar uma votação recorde e conquistar o maior número de cadeiras no Congresso, os partidos apostam em candidatos sem traquejo político, mas conhecidos nacionalmente. O modelo será repetido nas eleições deste ano por diversas siglas, que apostam em candidatos que puxam votos, as chamadas "iscas" eleitorais, para engordar o chamado "quociente eleitoral" e, consequentemente, suas bancadas federais e estaduais. O "quociente" é um cálculo que permite que um partido com um candidato muitíssimo votado eleja junto com ele outros com bem menos votos. Depois de rifar a pré-candidatura de Ciro Gomes à Presidência, o PSB prepara-se para tentar dobrar sua bancada na Câmara, investindo nessa ideia. Em São Paulo, maior colégio eleitoral do país, os socialistas decidiram lançar o ex-jogador de futebol Marcelinho Carioca para a Câmara Federal.A expectativa do PSB é que, com Marcelinho Carioca no páreo, as chances de seus aliados se elegeram com menos votos serão maiores. Pelas previsões do partido, o ex-jogador deverá ter em torno de 500 mil votos, levando a reboque os comunistas e deputados do PR.

No Rio de Janeiro, o PSB aposta no também jogador de futebol Romário. Apesar de apoiar a reeleição de Sérgio Cabral para o governo, o partido não quer se coligar formalmente com o PMDB nas eleições para a Câmara. Com a expectativa de que Romário seja um dos deputados mais votados, o PSB acha que sozinho conseguirá eleger até 5 deputados federais.

"Estamos nos popularizando sem vulgarizar. Acho que o Romário terá uns 350 mil votos", diz o presidente do PSB do Rio, deputado Alexandre Cardoso. E para conquistar votos nada melhor que pôr o ídolo perto do eleitor. "Vou contratar professores de educação física, levá-los para ensinar em comunidades carentes. Aí o Romário vai, bate um pênalti. Já imaginou o sucesso disso?"

Não é só o PSB que está de olho nos puxadores de voto. No Rio, o PSol vai lançar o escritor Jean Willys, vencedor do Big Brother Brasil em 2005. O cantor Marcelo Yuka, do Rappa, é outro que deve disputar uma vaga na Câmara pela legenda. "São figuras que não têm trajetória política, mas têm grande popularidade e que vão ajudar a eleger outros deputados", resume Chico Alencar (PSol-RJ).

O PCdoB é outro que vai investir em "iscas" eleitorais para tentar conquistar mais cadeiras no Congresso. Os comunistas pretendem lançar o cantor e apresentador Netinho de Paula ao Senado por São Paulo. A cantora Lecy Brandão também deverá entrar na corrida eleitoral, mas por uma vaga na Câmara. O delegado Protógenes Queiróz vai disputar uma cadeira de deputado federal pelo PCdoB paulista.

A estratégia dos partidos de lançar mão de "iscas" eleitorais para aumentar suas bancadas não é uma novidade. Foi com base na votação estrondosa de 1.573.642 votos do ex-deputado Enéas Carneiro, em 2002, que o minúsculo Prona elegeu cinco deputados federais por São Paulo – três deles, tiveram menos de mil votos. Paulo Maluf (PP-SP) é outro notório puxador de votos. Nas eleições de 2006, ele obteve 739.827 votos. Seu colega de partido, o deputado Celso Russomanno também teve uma votação expressiva: foram 573.524 votos. Conclusão: ambos elegeram a deputada Aline Corrêa, que teve apenas 11.132 votos.

Interatividade

O que você acha das celebridades se candidatarem para cargos políticos? Comente abaixo

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.